As Mensagens Enigmáticas na Capa da Revista The Economist 2019

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018 Leave a Comment

Este é um olhar sobre o simbolismo enigmático encontrado na capa da revista The Economist “O Mundo em 2019”, que inclui os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. O que eles estão tentando nos dizer? 

Todo mês de dezembro, a renomada revista The Economist publica uma edição especial que prevê as tendências e os eventos do ano que está por vir. E toda vez, as capas dessas edições são uma elaborada coleção de imagens referentes a várias pessoas e conceitos. Embora o significado de algumas dessas imagens seja óbvio, outras parecem estar codificadas para “aqueles que sabem um pouco além”. A edição deste ano não é exceção. Na verdade, está mais enigmática do que nunca.

Por que alguém gastaria tempo decifrando essas capas? Porque a The Economist não é apenas uma publicação - ela está diretamente ligada à elite mundial. Ela é parcialmente propriedade da família bancária Rothschild da Inglaterra, e seu editor-chefe, John Micklethwait, participou da Conferência Bilderberg várias vezes. Em suma, a liderança da The Economist tem conhecimento interno da agenda da elite e faz o possível para promovê-la.

 Essa capa da The Economist de 1988 pedia a criação de uma moeda
 mundial chamada "Fênix" - um dos símbolos favoritos da elite oculta.
 O pássaro está em cima de uma pilha de moedas nacionais em chamas.

Como visto nos artigos sobre as edições de 2015 e de 2017 da The Economist, essas capas são frequentemente repletas de simbolismo da elite oculta, misturadas com mensagens sutis sobre as muitas maneiras pelas quais a elite controla as massas. A edição de 2019 é mais explícita do que nunca.

O Mundo em 2019


Esta é a descrição postada pela The Economist em seu site oficial: 


O mundo em 2019 se baseará em três décadas de sucesso editorial: esta será a 33ª edição. Ele vai olhar à frente para as perspectivas do governo Trump com um novo Congresso, a realidade do Brexit, eleições na Índia, Indonésia, Nigéria e em toda a Europa, interrupções de tecnologia IA e a China (será que 2019 marcará o "pico do Vale do Silício"?) 50 anos após o pouso na Lua e a cultura 500 anos depois de Leonardo da Vinci.


Note que a descrição enfatizou o fato de que “esta será a 33ª edição”. Por que enfatizar esse número? Será porque 33 é o número mais importante na Maçonaria? Isso faria sentido, porque a capa apresenta um simbolismo maçônico intenso através das obras de Leonardo da Vinci.

Leonardo da Vinci

O tema principal desta capa é Leonardo da Vinci, porque 2019 marcará o 500º aniversário de sua morte. Sendo assim, a arte da capa é feita para se parecer com um manuscrito de  Da Vinci.

O primeiro detalhe que alguém pode notar é a escrita em espelho. Por que tudo está escrito de trás para frente? Bem, Da Vinci escreveu muitas vezes com escrita de trás pra frente, e a razão pela qual ele fez isso permanece um mistério. Alguns afirmam que ele não queria borrar tinta enquanto escrevia; outros acreditam que ele não queria que outras pessoas roubassem suas ideias. Aqueles que pesquisaram as inclinações ocultistas de Da Vinci acreditam que sua escrita de trás pra frente pode ter algo a ver com ele tentar esconder o conhecimento esotérico. Em seus dias, aqueles que acusavam Da Vinci de ser herege chamavam seus escritos de trás pra frente de “escritos do diabo”. Nos círculos ocultos, a escrita de trás pra frente está frequentemente associada ao satanismo e à magia negra, com base na reversão dos símbolos.

Vamos ver o simbolismo da capa.

O Homem Vitruviano

No centro da capa está o Homem Vitruviano, o famoso desenho de Da Vinci que retrata um homem estendido dentro de um círculo e um quadrado. Diz-se ser uma representação do "homem perfeito".

 O Homem Vitruviano original com os
 comentários de Da Vinci com escrita espelhada. 

Embora o Homem Vitruviano seja frequentemente descrito como um “estudo das proporções humanas”, ele tem um significado simbólico muito mais profundo nos círculos ocultistas - especialmente na Maçonaria. Ele esotericamente representa o corpo humano (o microcosmo) como um reflexo de todo o universo (o macrocosmo) - um princípio hermético resumido pelo ditado “Assim como é acima, também abaixo”.

O esboço de Da Vinci foi baseado nas obras de Vitrúvio, um arquiteto romano que foi considerado o "Primeiro Grão-Mestre" da Maçonaria. Apropriadamente, o Homem Vitruviano descreve visualmente o objetivo final da Maçonaria: o esquadro e o círculo.

No simbolismo maçônico, o esquadro representa o corpo físico e o círculo representa a alma. Em uma escala mais ampla, o esquadro representa o mundo material, enquanto o círculo representa o reino espiritual. Um dos objetivos da Maçonaria é harmonizar esses dois mundos opostos (físico e espiritual) para criar o “homem perfeito”. Esse conceito está totalmente representado no logotipo da Maçonaria.

O esquadro maçônico e o compasso.

O logotipo da Maçonaria combina um esquadro e um compasso - duas ferramentas usadas na arquitetura. O esquadro é usado para desenhar quadrados, enquanto a bússola é usada para desenhar círculos. Fazendo um quadrado e um  círculo, o maçom é dito alcançar a divindade.

Eu não vou aprofundar nas conexões entre Da Vinci e o ocultismo porque isso exigiria um livro inteiro (e eu não estou falando sobre O Código Da Vinci). Vamos apenas lembrar que, para a sua 33ª edição de fim de ano, a The Economist apresenta um Homem Vitruviano “moderno”.


O Homem Vitruviano de 2019 usa óculos de visão noturna, ou talvez um headset de realidade virtual. Sua visão está melhorando ou ele está sendo cegado? Em suas mãos, ele segura uma folha de cannabis, uma bola de beisebol e um smartphone. Pode-se argumentar que todas essas coisas são usadas para distrair e pacificar o homem moderno através de empresas farmacêuticas, grandes tecnologias e entretenimento.

O Homem Vitruviano também tem duas tatuagens. Em seu antebraço há uma dupla hélice, o símbolo que representa o DNA. Essa é provavelmente uma referência à intensa pesquisa em modificação de DNA que ocorre no setor privado. O DNA do Homem Vitruviano foi alterado?

Em seu coração está tatuado “#MeToo”. Embora o movimento #metoo tenha exposto alguns "insetos" de Hollywood, ele também criou um clima de censura e repressão, onde muitas pessoas acusaram e julgaram pessoas na esfera pública.

Outro fato curioso é que o Homem Vitruviano segura uma balança - um símbolo clássico que representa a justiça. No entanto, a balança está  fortemente inclinada para o lado que tem 5 pessoas versus 4. Será essa a Suprema Corte dos EUA, que recentemente ganhou um novo e controverso juiz, ou isso é apenas a balança inclinada da justiça em 2019?

No geral, o moderno Homem Vitruviano parece estar cego, enfraquecido, distraído e reprimido. O círculo ao redor dele que uma vez simbolizou o reino espiritual é agora a Terra. O Homem Vitruviano perdeu sua alma? Ele está agora preocupado apenas com assuntos terrestres?

Reconhecimento Facial


A capa apresenta uma réplica exata do esboço de Da Vinci analisando as proporções da cabeça humana. Acima da imagem está escrito (em sentido inverso) "reconhecimento facial", que é o próximo passo na tecnologia de "vigilância Big Brother".


 Uma manchete do The Guardian sobre Taylor Swift examinar 
os rostos de seus fãs sem aviso prévio ou consentimento.

A capa da The Economist também analisa as proporções da cabeça de Donald Trump. 

As linhas na cabeça de Trump são diferentes daquelas acima. Você
 percebe o contorno de uma bandeira americana de cabeça para baixo?

Gasodutos de Putin


O outro chefe de Estado apresentado na capa é Vladimir Putin com as palavras “Gasodutos de Putin”. Essa é uma referência aos gasodutos que estão sendo construídos pela Rússia, Síria, Estados Pós-Soviéticos e até a Europa. O NordStream 2, um gasoduto de gás natural que liga a Rússia à Alemanha, deve ser concluído em 2019. Esse projeto altamente controverso foi considerado "ato de traição" da Alemanha, já que críticos dizem que ela deixará a Europa à mercê da energia russa.

O Turkstream, um gasoduto Russo-Turco, foi lançado em novembro de 2018 e ajudará a consolidar a economia e a influência regional da Rússia.

Pinóquio


Logo atrás de Putin está o Pinóquio - um boneco cujo nariz cresce depois de contar uma mentira (Curiosidade: O conto de Pinóquio é também uma profunda alegoria maçônica). Então a capa implica que alguém vai mentir em 2019. Mas quem? Trump e Putin (os dois únicos políticos na capa)? A elite em geral? Kanye West? Nenhuma resposta clara. É apenas a The Economist dizendo às massas que elas estão sendo enganadas em geral. Obrigado, gente.

Quatro Cavaleiros 


Bem debaixo de Putin, em cima do norte da Europa e virado para a América estão os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. O livro do Apocalipse descreve o cavaleiro como precursores do Juízo Final. Diz-se que o Cavalo Branco simboliza a conquista, a pestilência e a vinda do Anticristo; O cavalo vermelho representa a guerra; o Cavalo Negro está associado à Fome e o Cavalo Pálido traz a Morte. Isso parece um grande previsão para catástrofes.

Por que a The Economist adicionou essa figura bíblica extremamente ameaçadora em sua capa? Não há uma explicação clara.

Cegonha


Isso pode ser interpretado de algumas maneiras, e todas elas são perturbadoras. É uma representação clássica de uma cegonha carregando um bebê recém-nascido. No entanto, há um detalhe importante: há um código de barras na sacola que leva um bebê.

Essa pode ser uma referência aos “bebês projetados”, uma prática controversa que deve ganhar força em 2019.


Um bebê designer é um embrião humano que foi geneticamente modificado, geralmente seguindo as diretrizes estabelecidas pelo pai ou cientista, para produzir traços desejáveis. Isso é feito usando vários métodos, como engenharia germinativa ou diagnóstico genético pré-implantacional (PGD). Essa tecnologia é objeto de debate ético, trazendo o conceito de "super-humanos" geneticamente modificados para cruzar e eventualmente substituir os humanos modernos. 

- Wikipedia


O segundo significado desta imagem pode ser o tráfico de crianças. Os códigos de barras são colocados nos produtos para rastrear o inventário e concluir as transações. Tráfico de crianças é sobre o tratamento humano como produtos a serem vendidos. É uma forma bastante eficaz (e perturbadora) de simbolizar o tráfico de crianças.

Finalmente, considerando o fato de que a cegonha está bem debaixo dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse, essa imagem também poderia ter um significado teológico. O Livro do Apocalipse declara que, após o arrebatamento, as pessoas na Terra seriam forçadas a receber uma “marca da Besta” (666) para “comprar ou vender”. Essa imagem, portanto, pode ser uma referência a esse tópico específico desse livro.

Outras Imagens

A capa contém várias outras imagens referentes a eventos que a The Economist está prevendo para 2019. Veja um breve resumo.
  • No topo da capa, uma seta aponta da máquina voadora de Da Vinci para a lua. Esta pode ser uma referência para muitas empresas privadas que pretendem viajar para a Lua em 2019. Também deve ser notado que estamos vendo a lua crescente na capa, o principal símbolo associado ao Islã. 
  • Há outra "máquina voadora" (real) sob as palavras "Novos horizontes de Ultimate Thule". Isso se refere à nave espacial New Horizons, da NASA, aproximando-se do misterioso objeto distante Ultima Thule no dia de Ano Novo. 
  • Sob a lua há um vulcão. Estamos esperando que outro vulcão esteja em erupção em breve? 
  • No canto inferior esquerdo (em pé no Brasil) está um pangolim, que é o mamífero traficado na terra. Está sob a ameaça de extinção. 
  • 2019 será o 150º aniversário do nascimento de Gandhi; É também o 200º aniversário do nascimento de Walt Whitman (mostrado debaixo do Pinóquio). 
  • Angelina Jolie é o rosto de Mona Lisa - obra-prima de Da Vinci. No topo da capa, vemos “Angelina Jolie: Respondendo aos Refugiados”. Ela pode ser usada para promover o novo "Pacto de Migração" da ONU. De fato, Jolie é atualmente a enviada especial da ACNUR, a Agência de Refugiados da ONU. Ela foca em “grandes crises que resultam em deslocamentos em massa da população, fazendo advocacia e representando a ACNUR e o Alto Comissário no nível diplomático”. 
Conclusão

A capa de “O mundo em 2019” é um reflexo adequado da elite ocultista. Mistura simbolismo oculto com referências ao controle e manipulação das massas. Também, deve ser um prazer bizarro prever eventos catastróficos enquanto se mantém as pessoas adivinhando referências vagas e inexplicáveis. A elite gosta de reter informações, e a escrita invertida enfatiza esse fato.

No centro de tudo isso está o Homem Vitruviano, um símbolo usado pelos maçons para representar um ser humano que alcança o pleno potencial. No entanto, na versão de 2019, ele está cego e distraído por coisas promovidas pela elite. Vamos continuar seguindo o caminho sombrio que eles preveem?

The Vigilant Citizen

Veja Mais

11 comentários »

  • Gabriel Previato said:  

    "No canto inferior esquerdo (em pé no Brasil) está um pangolim, que é o mamífero traficado na terra. Está sob a ameaça de extinção."
    Sinal de que o governo que está vindo aí não estará nem um pouco preocupado com o meio-ambiente, como já se supunha.

  • Vitão said:  

    Acho que o Pinóquio é o presidente da China

  • danilo said:  

    entre os quatro cavaleiros do apocalipse está a estatua da liberdade sendo o segundo cavaleiro, ou seja, o cavaleiro de fogo que trará muitas guerras horriveis, o que os EUA tem colocado em prática.

  • José Silva said:  

    E a estátua da liberdade é nada menos que Marianne, uma entidade da maçonaria.

  • Danilo müller said:  

    Daqui a pouco nem mato vai ter, tente defender seu presidente de outra forma.

  • Alessandro Alba said:  

    Sabemos quem manda na The Economist, e também sabemos que eles nunca são óbvios. Para tanto, creio que deva ser feita uma análise das imagens de forma
    Subliminar

    Por exemplo, não foi comentado do urso panda na imagem... ele está no topo do mundo, com Trump e Putin em sua frente, onde o presidente da China aparece com nariz de Pinocchio na foto.

    O que talvez isso represente ? A China mentindo para o mundo todo, superando os EUA em tecnologia e economia, podendo trazer consequências mais profundas, que são representadas pelos 4 cavaleiros

  • op.caixa1 Hipress said:  

    Acredito que o pinóquio representa a mídia.

  • Estúdio BKT said:  

    O pinoquio é a cara do bostonaro kiakiakiakia...
    Achei bacana a ideia da revista... E gera muita mídia expontanea com os bestas tentando "adivinhar"... Brincadeira legal...

  • Leave your response!

    NÃO serão aceitos comentários que:

    - Forem desagradáveis;
    - Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
    - Usarem CAPS excessivamente;

    Seus comentários poderão levar algumas horas para aparecer nesta página. Eles não serão necessariamente respondidos pelo autor.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste site.