Modelos denunciam Práticas Sádicas no Mundo da Moda

domingo, 13 de agosto de 2017 Leave a Comment

Depois de anos de silêncio, as modelos estão falando contra o comportamento sádico de pessoas na indústria da moda, onde o abuso, a exploração e até mesmo a tortura são desenfreadas. E essa é apenas a ponta do iceberg.

Ensaios fotográficos de moda muitas vezes apresentam fotos onde o abuso e a violência são celebrados e até glamorizados. Esse abuso é, no entanto, não apenas feito para as câmeras - também acontece nos bastidores, de forma real. Na verdade, as fotos perturbadoras que são muitas vezes publicadas por grandes revistas são sintomáticas de uma indústria que é doentia até à raiz, com uma mentalidade que está empenhada na desumanização e na exploração humana.

Um artigo no Daily Mail detalhou relatos de pessoas dessa indústria que testemunharam ou foram submetidas a tratamento sádico.


"James Scully, agente de modelos de passarela e veterano da indústria, que trabalhou com os designers Stella McCartney e Tom Ford, criticou ferozmente Balenciaga em uma postagem chocante na rede social de compartilhamento de fotos Instagram, onde ele acusou os diretores da grife de tratar meninas como gado em um mercado de carne.

"Fiquei muito perturbado ao escutar de algumas garotas nesta manhã que... eles fizeram mais de 150 garotas ficarem esperando numa escada, disseram-lhes que teriam que ficar mais de três horas para serem vistas e não podiam sair", ele escreveu. "Como de costume, eles fecharam a porta, foram almoçar e desligaram as luzes para a escada, deixando todas as garotas com apenas as luzes de seus celulares para enxergar. Isso não foi apenas algo sádico e cruel quanto perigoso e deixou algumas das meninas com quem falei traumatizadas... Elas se recusam a serem tratadas como animais".

Scully acusou outra empresa de moda, que ele não deu nome, de tentar "se esgueirar" em modelos de 15 anos (a idade legal mínima é de 16) para o show, acrescentando: "Muitas dessas modelos estão abaixo da idade de 18 e claramente não estão aptas para estarem aqui". 

 Suas alegações chocaram o mundo da moda. 

– Daily Mail, Sadism on the catwalk: Locked in the dark for hours, starved and preyed on… here, models reveal the ugly truth behind fashion’s glittering façade


A modelo britânica e garota da capa Vogue, Edie Campbell, 26, explicou que esse tipo de tratamento é comum no mundo da moda.


"Isso provavelmente não é também o exemplo mais chocante que eu ouvi", disse ela. "Eu testemunhei muitas coisas perturbadoras. Eu vi meninas serem ditas para dar voltas correndo em torno do estúdio. O problema com a moda é que é uma indústria muito informal. Os limites são cruzados e permitem que as pessoas se comportem de maneiras que nunca seriam aceitas em qualquer outro ambiente de 'trabalho'. Visto que as meninas estão desesperadas pelo trabalho, elas são facilmente exploradas."

"É também um sistema fechado. Se você fala, você enfrenta a ameaça de nunca mais trabalhar. E é por isso que o que o James está fazendo é tão corajoso e deve ser aplaudido". 

- Ibid.


Outras modelos afirmam que o abuso sexual também é um grande problema na indústria... e que a indústria está cheia de modelos menores de idade.


"As principais modelos britânicas revelaram que sofrem regularmente tratamentos degradantes e humilhantes nas mãos de diretores, agências e fotógrafos de seleção.

Enquanto algumas relatam manipulação emocional e bullying, outras afirmam terem sofrido abusos físicos e até mesmo sexuais no trabalho.

Entre as histórias de horror estão a da modelo que teve o corpo desenhado com um marcador permanente para mostrar quais partes de seu corpo estavam "gordas"; a modelo que foi mandada correr em torno de um estúdio com salto alto até que entrou em colapso; as esperançosas ficaram em uma sala por dez horas sem comida ou água e as modelos que tiveram o cabelo cortado sem o consentimento delas.

Depois, há a história terrível da modelo que perdeu permanentemente a sensação nos dedos dos pés depois de ter sido colocada o resto do dia com sapatos que eram muito pequenos.

A modelo londrina Rosalie Nelson, de 25 anos, trabalha de modelo há seis anos e diz que ela perdeu a conta das vezes que sofreu abusos.

"Eu tive mechas de cabelo cortadas sem que perguntassem se ficaria bom", ela explica. "Eu fui perfurada com agulhas e alfinetes; minha pele foi cortada e puxada por clipes".

"Eu estive em audições em Londres, onde existem centenas de modelos e apenas algumas cadeiras fornecidas. Às vezes, há um distribuidor de água ou máquina de venda automática, mas muitas vezes não há nada.

"Estive em ensaios por até dez horas, onde nenhum alimento era fornecido. A mensagem subjacente é sempre a de que você não deve comer".

Uma das suas piores experiências veio em 2014 em uma grande agência de modelos do Reino Unido - que ela não vai dar nome - onde Rosalie foi informada que teria que perder peso se quisesse trabalhar.

"Fiz exatamente isso e perdi mais de dez quilos e dois centímetros de meus quadris", diz ela. "Quando eu voltei para ver essa agência, eles disseram que estava fazendo progresso, mas eles queriam que eu chegasse até o osso. Eu não poderia imaginar ficar mais magra. Senti-me fisicamente e emocionalmente exausta. Se eu fosse mais jovem e mais ingênua, eu poderia ter continuado em frente e causado mais danos a mim mesma".

Falando sob anonimato, outras modelos do Reino Unido afirmam ter sido presas em salas de audições numa ocasião por três horas; forçadas a trabalhar até que estivessem tão exaustas que desmaiaram e "humilhadas por causa da gordura" por agentes que se recusaram a chamá-las pelo nome.

Quando um grupo de modelos, fraco depois de várias horas sem comida ou água, ligou pedindo uma pizza no estúdio onde elas estavam fazendo uma audição, o diretor de elenco as chamou de "porcos" e as mandou para casa".

- Ibid.


A modelo Rosalie Nelson falou ainda mais sobre o comportamento abusivo dos fotógrafos.


Rosalie Nelson participou de uma sessão de fotos em seu estúdio de Londres em 2011, durante a qual o fotógrafo perguntou-lhe uma série de perguntas lascivas e cada vez mais pessoais.

"Ele veio em minha direção com a câmera repetidamente dizendo: 'você é vulnerável, você é muito vulnerável', até que ele estava bem perto de mim", lembra Roswell. "Eu continuei com o ensaio, pois ele não me tocou. Passamos para o ensaio de lingerie, onde ele repetidamente me empurrou antes de ficar na minha frente com a virilha na minha cara. Levantei e me vesti... quando saí do ensaio, me senti estasiada e abalada, e ele me forçou um abraço".

Trinta por cento das modelos relata terem sido tocadas de forma inadequada no trabalho, enquanto 28 por cento diz que foram pressionadas a ter relações sexuais com alguém no trabalho. Em nenhuma outra indústria, um comportamento como esse - e as histórias de terror dos bastidores - seria tão comum".

- Ibid.


O problema é que a indústria da moda não é um local de trabalho típico. É uma bolha social informal que é governada por pessoas ligadas à elite oculta. O filme "Demônio de Neon" (analisado neste artigo) revela como a mentalidade do mundo da moda tem raízes em seu submundo sombrio e oculto onde ocorrem abusos, controle mental, exploração infantil e rituais bizarros. O que foi "revelado" pelo artigo acima é apenas a ponta do iceberg. Isso é sintomático de um sistema doentio até à raiz.

Fonte: VC

Veja Mais

4 comentários »

  • xavier said:  

    olá danizudo , teria como você um comentário do filme corra?
    ele tem várias coisas controle mental monarca , falam também no filme de olhos bem fechados

    desde já grato

  • mary aguiar said:  

    O ensaio dela para a Vogue italiana e simplesmente perturbador. Muito preto e branco. Ela caída como morta ao lado de um Leão, pisos maçonicos,escadas que não levam a lugar nenhum... enfim...assustador

  • Ana Santos said:  

    Sabe, quando eu era adolescente, sonhava em ser modelo mas hoje dou graças a Deus de não ter conseguido, pois é um mundo muito podre e como era muito ingênua com toda certeza teria passado por coisas horríveis.

  • Leave your response!

    NÃO serão aceitos comentários que:

    - Forem desagradáveis;
    - Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
    - Usarem CAPS excessivamente;

    Seus comentários poderão levar algumas horas para aparecer nesta página. Eles não serão necessariamente respondidos pelo autor.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste site.