,

Taylor Swift: A Rainha do American Music Awards 2018

sexta-feira, 12 de outubro de 2018 Leave a Comment

A maioria dos meus artigos sobre premiações mostra um fato importante: elas são peças de um drama ritualístico cuidadosamente orquestradas envolvendo um número limitado de personagens. Dê uma olhada nos meus artigos anteriores sobre premiações passadas e você rapidamente perceberá um padrão claro. O AMA 2018 obviamente se encaixou nesse padrão inconfundível.

Todo o show foi orquestrado para transmitir uma mensagem clara: “Salve, salve, Taylor Swift”. E, em uma época em que tudo deve ser politizado a um nível extremo, Taylor Swift fez sua “propaganda” política no momento mais estratégico possível.

O Alvoroço

A mídia de massa pode criar, a partir do nada, um "alvoroço" intenso em questão de horas, e agora foi a vez de Taylor Swift criar. O burburinho começou em 8 de outubro, quando ela anunciou no Instagram que votaria em democratas nas eleições de meio de mandato. Citando direitos LGBT e racismo sistêmico, Swift escreveu para seus 112 milhões de seguidores que, apesar de apoiar as mulheres no governo, ela não pôde dar seu apoio a Marsha Blackburn, a candidata republicana ao Senado no estado do Tennessee.

Postagem Instagram altamente mediatizada de Taylor Swift. 

Este anúncio acabou com os anos de “inaceitável” silêncio político de Taylor Swift. De fato, desde a eleição de Donald Trump em 2016, Swift permaneceu em silêncio sobre questões políticas, um silêncio que foi ensurdecedor aos ouvidos de alguns jornalistas. Por exemplo, este artigo de 2017 do The Guardian sugere que Taylor Swift não ataca Trump pelo fato de ela ser uma “mensageira” dele e a associa com o “alt-right”.

Uma manchete do The Guardian criticando o  silêncio político de Taylor Swift.

O artigo afirmou:


No ano em que Donald Trump foi eleito, o mundo do entretenimento esteve amplamente unido em seu desdém por sua presidência. Mas uma voz notável está faltando no refrão: a de Taylor Swift, a maior popstar do mundo. Seu silêncio é impressionante, destacando os paralelos entre o cantor e o presidente: seu uso adequado de mídias sociais para promover uma base de apoio obstinada; seu solipsismo; seu foco de laser na linha de fundo; seu apoio entre o "alt-right".

– The Guardian, The Guardian view on Taylor Swift: an envoy for Trump’s values?


O artigo termina com esta frase condenatória.


Swift parece não apenas um produto da época de Trump, mas uma enviada musical para os valores do presidente. 


- Ibid.


Outras fontes de notícias também não puderam lidar com o silêncio de Taylor Swift, que foi percebido como um ato de traição. Por que ela não poderia ser mais como Katy Perry, que apoiou abertamente Hillary Clinton durante a campanha presidencial?


Uma manchete da Refinery de 2017 
condenando o silêncio político de Taylor.

Considerando essa história, o apoio de Taylor Swift ao Partido Democrata gerou um alvoroço instantâneo. Fontes de notícias relataram um aumento notável no registro de eleitores após o post no Instagram.

E sim, as pessoas do The Guardian foram tranquilizadas.

Uma recente manchete do The Guardian celebrando o fato de que Taylor Swift 
“finalmente” fez uma intervenção política. FINALMENTE. Tudo o que precisamos 
agora é de Ja Rule revelando em quem ele votará e estaremos prontos.

Como de costume, esses “comentaristas” ignoram completamente um fato muito importante: a marca Taylor Swift pertence a sua gravadora. Tudo o que ela diz e faz é controlado por seus manipuladores da indústria. Taylor Swift nunca apoiou Trump no passado, ela simplesmente não assumiu uma postura política, talvez porque sua base de fãs Tennessee/Country seja altamente conservadora. Foi um movimento calculado.

Mas agora os cálculos mudaram. O endosso político de Taylor Swift caiu em um momento estratégico e estimulou uma dinâmica de mídia que foi levada ao AMA 2018.

E o AMA foi todo sobre Taylor Swift. Não foi nem engraçado. Foi tudo roteirizado para coroar a rainha da noite.

Rainha do AMA

O AMA 2018 não perdeu tempo. A cerimônia começou com um vídeo listando as muitas realizações de Taylor Swift no mercado musical.

O AMA começou lembrando-nos que Swift tinha 
“turnê americana de maior bilheteria” e que ela
 ganhou o “prêmio de maior artista do ano”.

O locutor então diz que Taylor estava disputando “quatro grandes prêmios” e que ela poderia quebrar o recorde de mais vitórias no AMA de uma mulher. Ela vai fazer isso?! O suspense está me matando! 

Então, era hora da performance de Taylor Swift... que foi muito simbólica. Era um clássico ensopado tóxico de simbolismo da elite oculta misturado a mensagens degradantes sobre ser uma bruxa cruel, odiosa e manipuladora.

A música é evocativamente chamada "I Did Something Bad", de seu álbum de 2017 "Reputation". O primeiro single desse álbum foi "Look At What You Made Me Do" e seu vídeo estava repleto de simbolismo de controle mental. "I Did Something Bad" também é um produto puro da lavagem cerebral da elite oculta. O refrão da música resume a mensagem da elite para os jovens:


Eles dizem que eu fiz algo ruim
Então, por que isso é tão bom?
Eles dizem que eu fiz algo ruim
Mas por que isso é tão bom?
A maior diversão que já tive
E eu faria de novo e de novo, se pudesse
Foi tão bom, bom
Foi tão bom


Mau é Bom

A performance começa com Taylor em pé no que parece ser um templo futurista, com um altar e pilares iluminados de vermelho. Um grupo de homens está deitado a seus pés, completamente à mercê dela.

 Quando Taylor canta o verso “Eu os toco como um violino”, 
os homens se levantam como marionetes e caem de novo.

Numa análise crua, a música seria sobre Taylor Swift destruindo "homens que falam m****". Alguns acreditam que é sobre Kanye West e outros caras. No entanto, é difícil ignorar o significado espiritual subjacente de toda essa exibição. De fato, a performance é uma celebração da religião favorita da elite: satanismo.

Quando Taylor canta o verso "Ele fez por merecer", ela faz um 
sinal de chifre do diabo com a mão. Tudo sobre essa performance 
foi bem coreografado e isso foi claramente intencional.

Então, ao contrário de outras estrelas pop, Taylor Swift se compara a uma bruxa sendo queimada na fogueira.


Eles estão queimando todas as bruxas, mesmo que você não seja uma

Eles conseguiram seus forcados e provas, suas fontes e razões
Eles estão queimando todas as bruxas, mesmo que você não seja uma
Então me queime (me queime), me queime (me queime)


Enquanto Taylor repetia “me queime” (como se fosse um mantra),
 seus dançarinos imitavam os movimentos de uma cobra… como se
 estivessem invocando uma cobra gigante ou algo do tipo.

Uma cobra gigante emerge do pedestal semelhante
um altar e governa ameaçadoramente a multidão.

Aparentemente, essa cobra é chamada Karyn e fez aparições regulares durante a turnê de Taylor. Mas o que há com ela e as cobras? Em seu vídeo, "Look What You Made Me Do", ela estava cercada por cobras. Alguns dizem que é uma referência a Kim Kardashian chamando-a de cobra em um telefonema vazado (ou algo assim). No entanto, considerando o contexto oculto e espiritual dessa performance, o símbolo da cobra assume um profundo significado.

A música é chamada "eu fiz algo que fiz algo ruim". Segundo a tradição religiosa, em Gênesis, Eva mordeu o fruto proverbial que foi dado a ela por Satanás, que tomou a forma de uma cobra. Ela fez algo ruim porque isso era estritamente proibido por Deus, que baniu Adão e Eva do jardim do Éden. Os mistérios ocultos ensinam que essa serpente, associada a Lúcifer, o portador da luz, é na verdade um salvador da humanidade.

No final da performance, Taylor brinca novamente com os rapazes como se fossem fantoches.

 Taylor levanta um cara com uma corda invisível como se ele fosse 
um fantoche. Ela então sopra um beijo da morte e ele cai de volta. 
A elite gosta de retratar as pessoas como fantoches impotentes
 que podem ser mortos quando quiser.

Neste ponto, estamos a cerca de 3 minutos do AMA e o show já se transformou em um pesadelo infernal satânico com fogo, relâmpago, uma cobra gigante, homens deitados sem vida no chão e Taylor cantando que ela “fez uma coisa ruim”. Ela foi aplaudida de pé.

Mais tarde, Taylor ganhou todos os quatro prêmios que ela estava disputando, quebrando o recorde de que eles estavam falando no início de sua performance. Sim, foi uma noite perfeita para Taylor... como se tudo tivesse sido planejado com antecedência.

Taylor ganhou as brilhantes pirâmides Illuminati ao longo da noite.

Mas, espere, havia alguém presente nessa cerimônia? Sim, havia esse cara.

Bad Bunny usava um terceiro olho protético. Como visto 
em artigos anteriores, a elite oculta adora usar esse símbolo
 para identificar ironicamente seus peões.

Poppy estava na premiação usando uma máscara representando o silêncio 
dos escravos MK. Para mais informações sobre ela, leia meu artigo That Poppy:
 da grande mídia.

Conclusão

Minha primeira menção a essas premiações foi a do VMA de 2009, que envolveu Kanye West interrompendo uma jovem, de olhos arregalados e “saudável”, Taylor Swift, durante seu discurso de aceitação. Toda a cerimônia foi um drama ritualístico altamente simbólico destinado a “iniciar” Taylor na indústria da elite.

Nove anos depois, Taylor é coroada rainha do AMA com uma performance altamente simbólica. Embora Kanye não estivesse lá para interromper seus muitos discursos, ele ainda continua sendo seu arqui-inimigo

De fato, durante a mesma semana, Taylor Swift, a garota do interior do Tennessee (que votou em Trump por uma margem de 61% a 35%), pede que as pessoas votarem nos democratas. Enquanto isso, Kanye West, o rapper de Chicago (um dos maiores redutos democratas dos Estados Unidos), anda por aí com um boné da campanha de Trump  - MAGA - e se encontrou com ele pela segunda vez.

O drama ritualístico continua.

The Vigilant Citizen

Veja Mais
A Apresentação de Taylor Swift no AMA 2012 - Um Típico Ritual de Iniciação
O Significado Oculto de Taylor Swift "Look What You Made Me Do"


20 comentários »

  • Anônimo said:  

    No começo era interessante ver você falando de "illuminati", mas hoje é patético! Ainda continuar falando em "illuminati", sem dar nome aos bois, é desonestidade e mau caratismo, haja vista, que hoje já sabemos que sao os judeus que estão por detrás de tudo isso. A pergunta é, até quando vai continuar nessa idiotice, mau caratismo e desonestidade para com teus seguidores?

  • Bruna Coutinho said:  

    Olhando pra esse lado espiritual realmente faz todo o sentido, é uma pena que a Taylor se renda a estas coisas por conta de dinheiro. Agora observa uma coisa: ela ainda tem fama de boa moça. Não se expõe ridiculamente, nem assumiu bissexualidade como de costume, muito menos foi internada como de praxe. Eu amo ela, mas é triste ver que o mundo do pop do qual ela mergulhou pode levar ela se perder totalmente do que ela é, e, do talento que ela tem. Saudades da Taylor de 4 anos atrás.

  • Mandy said:  

    Danizudo fala sobre o comportamento bizarro e mk ultra que a lindsay lohan teve perseguindo a familia de refugiados.

  • Mandy said:  

    Danizudo fala sobre o comportamento bizarro e mk ultra que a lindsay lohan teve perseguindo a familia de refugiados.

  • Anônimo said:  

    Já faz tempo desde que todas as postagens dele são traduções de artigos do Vigilant Citizen, provavelmente por falta de tempo para fazer suas próprias pesquisas e por não querer deixar o blog inativo. Não estou o defendendo, mas vc já notou que na maioria das vezes, ele só faz posts aos finais de semana ou feriados? Talvez seja porque não possa ser mais constante no que se refere ao blog, visto que, teoricamente, é uma pessoa com preocupações maiores do que esta, cuja ele diz que não é um trabalho formal.
    Sobre a acusação de os judeus serem os responsáveis por tudo, poderia me indicar algumas fontes que o levaram a tal? Grato.

  • Anônimo said:  

    Seu comentário foi um tanto generalista e leviano!

    Não são os judeus que estão por detrás de tudo isso. Você não deve, e não pode em hipótese alguma, querer acusar todo um povo, por causa de "alguns" que se desvirtuaram do rebanho.

    Judas um dos doze discípulos era judeu mas se tornou o traidor-aquele que viria a trair Jesus por 30 moedas de prata. Os outros discípulos que também eram judeus não traíram o Messias.

    Cristo condenava as atitudes dos fariseus pois sabia que os mestres da lei de seu tempo eram hipócritas; na frente do povo praticavam a Torá de Moisés e nas costas praticavam o oculto: A cabala. E foram estes mesmos falsos mestres da lei que o jogaram na cruz. Estes "Doutores da Lei" assim com Judas, também eram judeus mas não pertenciam a Cristo, pois caso pertencessem não o teriam condenado a morte!

    Da mesma forma vemos hoje que grande parte dos membros dos "illuminati" é composta por judeus, contudo estes são uma pequena parcela da tototalide de judeus existentes no mundo(talvez não cheguem nem a 1%). Infelizmente estes, são os judas e fariseus dos nossos tempos modernos, estão trabalhando a favor de Satanás na implementação da "Nova Ordem Mundial". Satanás tem um apreço enorme por eles, pq sabe que eles fazem parte da linhagem direta de Abraão, a linhagem escolhida por Deus para serem os seus representantes na terra. Satanás acredita que fisgando e levando pro lado dele pessoas que "pertençam a linhagem escolhida", ele estará atingindo diretamente o coração de Deus. O diabo poderia escolher qualquer outra nacionalidade, mas pq tem que ser justamente judeu?

    Agora pense um pouco e tire suas conclusões!

  • Matheus Lacerda said:  

    Migo vc está louco nas drogas kkkk. Taylor ñ fez símbolo nenhum com as mãos, a mão dela sempre fica assim, é algo involuntário. Sobre a música, ela realmente se considera uma bruxa, mas pelo fato da mídia ter feito sua reputação assim, uma mulher manipuladora e q está sendo perseguida injustamente, como eram as bruxas na inquisição.

  • Danilo müller said:  

    O que tem a ver essa história política envolvendo ela com o texto? Você faz questão de associar os democratas com as besteiras que você escreve.

  • Danilo müller said:  

    "Nem assmiu bissexualidade" kkkkkkkkkk

  • Alcides Brito said:  

    Fala sobre a dua lipa, ela tá começando a ser usada pela elite, o show dela na final da euro copa foi cheio de simbolismos.

  • Samuel said:  

    quando volta o Plano Mestre? :D
    valeu Danizudo

  • brunno said:  

    Tem um cara Anonimo nos comentários xingando e dizendo que os Iluminatti são os judeus. É verdade isso que os judeus são os Iluminatti?

  • carlos ribeiro dos santod said:  

    Danizudo posta nas imagens simbólicas desse mês o filme Venom.
    Abraços

  • Anônimo said:  

    DANIZUDO PRESIDENTE DESSA MERDA DESSE PAÍS, VICE RUBENS SODRÉ

  • Anônimo said:  

    " sem dar nome aos bois, é desonestidade e mau caratismo" Ridículo(a) vc que fez esse comentário. Deveria agradecer ao Danizudo pelo trabalho q faz.. Mas gado é assim mesmo, né, não quer entender q está caminhando em direção ao matadouro, acha q é tudo teoria da conspiração pq tem preguiça de pensar e tentar achar uma solução para isso. É mais confortável seguir os outros bois do q tentar pensar por conta própria.

  • Unknown said:  

    Mó chato lembrar quem era a Taylor do Speak Now, Red e ver quem ela é agora. Uma menina comportada e séria pra a vulgar rainha das fofocas que banca a sexy. Infelizmente eles tem que sujar as boas mocas da indústria pra influenciar as que vem depois. Suas músicas que eram geralmente boas e poéticas, hoje não passam de uma bosta eletrônica processada e grudenta e esquecivel. E com certeza a coisa tende a piorar em seu próximo álbum.

  • Luanna Vieira said:  

    Fala do novo vídeo da Avril Lavigne, fala sobre Deus, será q se converteu ou continua a mercê da elite?

  • Mulher said:  

    Daria meus parabéns mas não é você quem escreve os artigos,mesmo assim obrigada pela tradução.

  • Leave your response!

    NÃO serão aceitos comentários que:

    - Forem desagradáveis;
    - Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
    - Usarem CAPS excessivamente;

    Seus comentários poderão levar algumas horas para aparecer nesta página. Eles não serão necessariamente respondidos pelo autor.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste site.