, , , ,

Grammy 2017: A Adoração à Rainha e o Protesto contra o Rei

domingo, 26 de fevereiro de 2017 41 comentários

O Grammy 2017 contou com estrelas pop que protestaram contra Trump enquanto elevavam Beyoncé a um status de deusa. Foi uma atualização da agenda da elite 2017.

Assista à análise em vídeo:


Todos as cerimônias de premiação contêm momentos cuidadosamente planejados para serem discutidos pelos meios de comunicação nos dias seguintes. O Grammy 2017 não foi exceção e, este ano, esses "momentos" tiveram uma mensagem política específica que claramente explicava o que a elite espera das pessoas neste ano.

No momento, Trump pode ser comparado a um "vilão" de histórias em quadrinho, um tirano racista, irracional, egocêntrico, intolerante, capitalista, patriarcal, misógino e incompetente que precisa ser imediatamente removido do poder. Trump é o inimigo comum em torno do qual a juventude da nação quer combater. É como se Trump estivesse desempenhando esse papel para "tornar a agenda da elite legal novamente". O lema da elite é "ordem a partir do caos". Trump é o "caos". A agenda da elite é a "ordem" para corrigi-lo.

No Grammy, a mensagem anti-Trump chegou ao seu ápice quando Busta Rhymes subiu ao palco e chamou Trump de "agente laranja" (que também é o nome de um herbicida tóxico usado pelo exército dos EUA no Vietnã). 

Oposta ao "agente laranja" estava Beyoncé, que apresentou o papel de uma deusa-mãe inspiradora, rodeada por uma aura de pureza. Ela era a rainha da cerimônia e recebeu o elogio universal. 

Deusa Mãe

Como na tradição, Beyoncé foi a rainha dessa cerimônia de premiação. Enquanto a maioria dos artistas ofereciam performances sóbrias, a sua era uma intensa experiência visual e auditiva entrelaçada com palavras poderosas e imagens simbólicas.

Pouco antes do Grammy, Beyoncé fez um anúncio de gravidez grandioso que fez com que os meios de comunicação ficassem loucos. Algumas manchetes foram até mesmo estranhas demais, afirmando que "era exatamente o que essa nação precisava".


Uma manchete típica sobre Beyoncé. 

Essa resposta dos meios de comunicação foi planejada. A equipe de Beyoncé fez tudo certo para tornar esse momento tão icônico e transcendente quanto possível. 

O frenesi da mídia em torno da gravidez de Beyoncé começou quando ela postou uma foto atraente no Instagram.

O anúncio da gravidez de Beyoncé no Instagram. 

Enquanto todos, e até mesmo sua mãe, fofocavam sobre essa foto, ninguém parecia notar um item extremamente importante ali: o véu. Por que seu rosto está coberto por um véu pálido ao anunciar sua gravidez? Véus tradicionalmente representam a virgindade de uma noiva.


"Uma ocasião em que uma mulher ocidental é suscetível a usar um véu é no dia do seu casamento. Os véus cobrindo o cabelo e o rosto tornaram-se uma referência simbólica à virgindade da noiva com o tempo. Uma noiva pode usar o véu facial durante a cerimônia. Então, seu pai levanta o véu, apresentando a noiva a seu noivo, ou o noivo levanta o véu para consumar simbolicamente o casamento." 


Combinando um símbolo da virgindade com sua barriga grávida, nós vemos a mensagem bizarra de que seus bebês estão sendo concebidos sem relações sexuais - não diferente da Virgem Maria.

A performance de Beyoncé no Grammy foi ainda mais profunda no simbolismo da Virgem Mãe, enfatizando o conceito de concepção imaculada. 

No início da performance, Beyoncé ficou parada, como se 
estivesse numa pintura religiosa, segurando sua barriga 
enquanto um brilho divino brilhava sobre ela. 

Não muito diferente de seu álbum/vídeo Lemonade, o visual de Beyoncé é grandemente inspirado pela deusa Oxum. No entanto, existem elementos adicionados. 

Em torno de sua cabeça estão dois símbolos espirituais antigos: uma aureola e raios solares. Estes são encontrados frequentemente em retratos clássicos da Virgem Maria, que é a versão católica de Semíramis, a deusa-mãe, precursora do culto ao sol (veja a série o Plano Mestre).

Uma imagem da Virgem Maria com uma aureola e uns 
raios solares em torno de sua cabeça (culto ao deus sol).


Aureola: Também chamado de nimbus. Forma geométrica, geralmente sob a forma de um disco, círculo, anel ou estrutura de raios, representando tradicionalmente uma luz radiante ao redor ou acima da cabeça de uma personagem divina ou sagrada, um monarca antigo ou medieval, etc. 


Os sete raios solares ao redor da cabeça de Beyoncé deram a sua performance um significado esotérico ainda mais profundo - aquele que se refere a mistérios ocultos.

Apollo (à esquerda), Mitra (centro) e a Estátua da Liberdade (à direita). 
Sete raios solares emanando da cabeça de uma figura divina é um símbolo 
importante nas escolas de mistério e um simbolismo maçônico. O verdadeiro 
significado esotérico deste símbolo pode ter se perdido na Antiguidade. 

Durante sua apresentação visualmente intensa, Beyoncé foi cercada por fiéis seguidores que reverenciavam o chão pelo qual ela caminhava. Em um ponto, as coisas ficaram estranhas. 

A cadeira de Beyoncé inclinou-se muito para trás - uma 
manobra que NÃO É RECOMENDADA para mulheres grávidas. 

Apesar de ser uma "deusa humana", Beyoncé está, no entanto, submetida à vontade da indústria que a controla. Essa cadeira representa a indústria que poderia feri-la facilmente e seus filhos. O mesmo conceito - uma deusa controlada pelas forças das trevas - está no centro do seu álbum visual Lemonade (leia a análise completa aqui).

Apesar de seu status de deusa, Beyoncé não ganhou o álbum do ano. Foi vencida por Adele, cuja apresentação do Grammy foi exatamente o oposto da oferta etérea de Beyoncé. Na verdade, Adele arruinou a canção de George Michael e falou palavrão na TV ao vivo, algo que ela ficou pedindo desculpas depois.

Durante seu discurso, Adele fez um comentário bizarro sobre como ela é obcecada por Beyoncé, dizendo:


"Eu quero que você seja minha mãe".


Isso é uma coisa bizarra de se dizer. Mas é a coisa perfeita a dizer à mulher que desempenhou o papel de uma deusa-mãe vivificante, em carne e osso.

Resista a Trump

Acredite ou não, a eleição de Trump foi a melhor coisa que poderia acontecer com a agenda da elite e todo o sistema de mídia de massa. Nos últimos anos, a mídia tradicional (incluindo notícias e entretenimento) estava ficando obsoleta e perdendo influência. A eleição de Trump re-energizou profundamente todo esse sistema, dando-lhe um novo propósito. A agenda da elite agora pode ser apresentada como a solução para derrotar Trump, que não é o presidente querido da nação. 

Agora isso pode ser associado com revolta e rebelião, duas coisas que os jovens acham atraentes. A Agenda está agora "lutando contra o poder" e sua mensagem para a juventude este ano é "resistir". 

A música de Katy Perry Chained to the Rhythm é um exemplo perfeito de cultura pop usando Trump para dar um ar contestatório. Embora Perry tenha sido usada, por anos, para promover vários aspectos da agenda da elite (veja vários artigos sobre Katy Perry aqui), ela está agora dizendo às pessoas para "acordar" e assim por diante.


Somos loucos?
Vivendo nossas vidas através de uma lente
Presos em nossa cerca branca de madeira
Como ornamentos
Tão confortáveis, estamos vivendo em uma bolha, bolha
Tão confortáveis, não podemos ver o problema, problema


O problema é que... ela é uma parte da bolha. Ela faz parte do sistema de mídia que usa a adoração de celebridades para promover narrativas criadas artificialmente.

Katy está em uma casa rodeada por uma cerca branca 
de madeira, vestindo uma braçadeira escrito "Persista".

A mensagem dessa música é bastante confusa. As pessoas aparentemente estão presas em suas casas com cercas brancas de madeira. Estão "demasiadamente confortáveis ​​e devem sair de sua bolha". Isso vem de uma estrela pop que vive em uma propriedade de US$ 20 milhões. 

Ela parece esquecer que milhões de americanos realmente iriam gostar de possuir uma casa com uma cerca branca de madeira. Milhões realmente perderam sua casa na crise de 2008 que foi toda projetada pelos seus governantes de elite. 

Durante sua performance, água e fogo foram projetados na casa. 

A casa e a cerca estão em chamas. Isso 
representa um período de intensa turbulência.

Em seguida, Skip Marley (neto de Bob Marley) canta um verso que resume o que a elite quer da juventude nesse momento em particular.


Este é o meu desejo
Romper as barreiras para conectar, inspirar
Ei, aí em cima, no seu lugar alto, mentirosos
O tempo está contado para o império
A verdade que eles alimentam é fraca
Como muitas outras vezes antes
Eles são gananciosos sobre o povo
Eles estão tropeçando e sendo descuidados
E nós estamos prestes a nos revoltar
Eles acordaram, eles acordaram os leões


Ao ler essas letras, percebemos que estamos em um momento interessante na História. Vocabulário revolucionário é usado contra Trump, um visitante temporário da Casa Branca e está ameaçado por protestos. Enquanto isso, a verdadeira elite, que permanece no poder, não importa quem é presidente, ela é intocada. É o mestre de marionetes invisível puxando as cordas nos bastidores. 

Depois do verso de Marley, a casa americana é completamente desmontada. 

A casa, símbolo do sonho americano, é quebrada em 
pedaços. Katy Perry disse que estávamos muito confortáveis. 

A casa é transformada em uma parede em que é projetada a Constituição 
dos EUA. O fato de que uma típica casa americana, uma representação 
da propriedade privada, foi destruída para compor este muro é irônico.

Falando da Constituição, o lendário grupo de rap A Tribe Called Quest realizou uma canção intitulada We The People. Embora a música rap sempre tenha tido um elemento contestatório, essa canção tem como objetivo políticas muito específicas.


Todos vocês negros, vocês devem ir
Todos vocês mexicanos, vocês devem ir
E todos vocês pobres, vocês devem ir
Muçulmanos e gays, rapaz, nós odiamos seus passos
Então, todos vocês, gente má, vocês devem ir


A performance terminou com Q-Tip gritando "Resista!" Cercado
 por refugiados, imigrantes e outras pessoas alvo das políticas de Trump.

Embora a música rap tenha sempre estado do lado das minorias, ela está atualmente sendo fabricada para se enquadrar numa agenda globalista mais vasta. Não só Trump está sendo rejeitado (o que era de se esperar), mas o oposto de suas políticas (ou seja, fronteiras abertas) está simultaneamente sendo promovido. Quando chegar a hora de substituir Trump, a "resposta" será 100% de acordo com a agenda da elite. E as pessoas perceberão isso como uma vitória. 

Conclusão 

O Grammy 2007 foi de contrastes e dualidades. Ele elevou ao nível de divindade a "rainha" da indústria da elite enquanto vilipendiou e rejeitou o "rei" dos Estados Unidos.

Trump é representado como um velho irritado consumido por ódio, ganância e poder. Beyoncé é cercada pela aura divina de uma deusa que carrega filhos. Através desse simbolismo poderoso, o Grammy explicitamente diz aos espectadores o que rejeitar e o que abraçar.

Então, o Grammy não é "sobre música". É sobre qualquer outra coisa. Se você gosta de música, mas não sente vontade de receber lavagem cerebral durante três horas, a única coisa a fazer é cair fora.

Fonte: VC 

Veja Mais
O Significado Oculto do Grammy 2015
Grammy 2014: Ainda promovendo a Agenda Illuminati