Medo, Sangue e Sacrifícios Humanos Antes do Solstício

sábado, 24 de dezembro de 2016 22 comentários

O assassinato de um embaixador na Turquia na televisão ao vivo e o ataque a uma feira natalina em Berlim ocorreu em uma época crucial do ano.

No dia 19 de dezembro de 2016, Donald Trump foi oficialmente confirmado o Presidente dos Estados Unidos pelo Colégio Eleitoral. A cobertura midiática desse evento foi, no entanto, acompanhada por ataques que ironicamente confirmam o porquê de ele ser eleito. E esses ataques irão muito provavelmente influenciar as próximas eleições na Alemanha, França e Holanda. Uma mudança drástica no cenário político está por vir e está sendo alimentada pelo medo, derramamento de sangue e rejeição ao globalismo.

O assassinato de um embaixador russo na televisão ao vivo e o ataque violento a uma feira natalina na Alemanha são eventos que não são apenas violentos, mas carregados de intenso simbolismo que choca a mente pública. Se isso foi coincidência ou não, esses eventos ocorreram nas proximidades do solstício de inverno no hemisfério norte; um período que é historicamente propenso a sacrifícios de sangue, visto que é um sábado menor no calendário oculto. Antes do Natal, existia a Saturnália.


"As origens do Natal antecedem o cristianismo durante o feriado pagão Saturnália, que era uma semana de práticas foras da lei, entre 17 de dezembro e 25 de dezembro, que honrava Saturno e incluia sacrifício humano, intoxicação, cantata nudista e estupro. Durante esses sete dias, não havia castigo por quebrar qualquer lei, de acordo com a lei romana." 

- In5d, Esoteric Meaning of Christmas

"Era tradicional oferecer presentes de imitação de fruta (um símbolo da fertilidade), bonecas (simbólicas do costume de sacrifício humano) e velas (que lembram as fogueiras tradicionalmente associadas com as celebrações do solstício pagão). Um rei zombador era escolhido, geralmente de um grupo de escravos ou criminosos, e embora ele tivesse permissão para se comportar de forma desenfreada durante sete dias do festival, ele era geralmente morto no final. A Saturnalia degenerou mais tarde em uma longa semana de algazarra e crime - dando a ascensão ao uso moderno do termo saturnália, significando um período de licença irrestrita para a desordem. 

– Time and Date, “Holidays and Traditions around the December solstice”


No dia 19 de dezembro, o mundo inteiro testemunhou um assassinato ao vivo, um sacrifício cuidadosamente planejado.

O Embaixador Russo

Andrey Karlov, embaixador da Rússia na Turquia, foi morto a tiros na noite de segunda-feira, quando ele fazia um discurso em uma exposição fotográfica. O assassino, identificado como Mert Altintas, era um membro da polícia de Ancara.

Toda a cena era extremamente surreal porque, além da violência, ela estava "visualmente perfeita". Era uma peça definida para a mídia de massa.

O embaixador russo com seu assassino
 de pé atrás dele, momentos antes do tiro. 

Mert Altintas estava atrás do embaixador, vestindo um terno preto elegantemente costurado, que contrastava nitidamente com o imaculado fundo branco adornado com imagens da Rússia. Vários tiros, em seguida, são disparados e o embaixador cai de costas, sem vida. O pistoleiro então anda por perto do corpo, gritando "Allahu Akbar" e "não se esqueça de Aleppo", até que a polícia finalmente consegue alcançá-lo e atirar nele. 

Quando analisamos essa cena surreal, surge uma pergunta: como isso foi permitido acontecer? Como é que esse policial de 22 anos de idade era a única pessoa que estava por trás de Karlov todo esse tempo? Os relatórios agora estão dizendo que o atirador recusou-se a passar pela verificação de segurança.




"O oficial de polícia, fora de serviço, que assassinou o embaixador da Rússia na Turquia se recusou a passar por uma verificação de segurança de raios-X antes do tiroteio - mas foi deixado entrar no evento de qualquer maneira, de acordo com um relatório. 

O Hurriyet Daily News informou terça-feira que o assassino, Mevlüt Mert Altintas, simplesmente mostrou sua identidade policial para entrar no Centro de Artes Contemporâneas de Ancara - onde o embaixador russo Andrey Karlov estava programado para falar numa exposição de fotos." 

– Daily News, Assassin of Turkey’s Russian ambassador refused security check before ambushing event


Além disso, todos os sinais apontam para o ataque ter sido ordenado de cima, sendo Mert Altintas o bode-expiatório proverbial.


"Tinha sido determinado terça-feira se Altintas, 22, era parte de um plano mais amplo para pegar o embaixador russo. Mas um alto funcionário turco disse à Associated Press que Altintas provavelmente não agiu sozinho. O funcionário, falando anonimamente, chamou o assassinato de "totalmente profissional, não uma ação de um só homem". 

- Ibid.


Autoridades turcas suspeitam que Altintas estava sob a influência de Fetullah Gulen, um pregador turco que está atualmente na Pensilvânia, Estados Unidos. Ele é suspeito de ser um agente da CIA realizando operações destinadas a desestabilizar o governo de Erdogan.

Embora algumas pessoas tenham comparado esse evento e o assassinato que levou à Primeira Guerra Mundial, é pouco provável que esse homicídio vá causar mudanças significativas. Provavelmente irá justificar o envolvimento russo-turco na Síria.

Ataque em Berlim

O caminhão usado para conduzir o ataque com decorações 
de Natal presas no pára-brisa. Infelizmente simbólico.

Na mesma época em que o assassinato ocorreu na Turquia, um horrível ataque ocorreu em Berlim, matando 12 pessoas e  ferindo 48 outras.


"O que as autoridades podem dizer com certeza é que um caminhão com placas polonesas e carregado com varas de aço saltou sobre uma calçada, por volta de oito horas da segunda-feira, e entrou no mercado perto da Igreja Memorial Kaiser Wilhelm, um lugar simbólico de Berlim, cujo pináculo ficou daquela forma devido à explosão de uma bomba e foi intencionalmente deixado sem reparos após a Segunda Guerra Mundial."

– NY Times, Berlin Christmas Market Was Target of Terrorist Attack, Angela Merkel Says


Esse evento também foi carregado de significado simbólico. Não se tratava simplesmente de matar pessoas, era um ataque à cultura, à história e à tradição alemã. Mercados natalinos são uma tradição alemã originária da Idade Média, onde os moradores compram várias coisas, enquanto entram no espírito natalino. O mercado que foi atacado está situado perto da Igreja Kaiser Wilheml Memorial, um pedaço simbólico da história alemã. 

O caminhão e os destroços ao pé da Igreja. Embora nem todos os alemães
 sejam religiosos, o edifício ainda é um pedaço da história local.

Esse ataque sangrento é, portanto, feito sob medida para irritar a população alemã que tem que testemunhar uma tradição amada sendo transformada em um banho de sangue por terroristas. Essa raiva pode muito bem se traduzir em votos contra Merkel (e sua política de porta aberta para os refugiados) nas próximas eleições. Também pode influenciar as eleições francesas, onde Le Pen está ganhando força.

O suspeito de ter executado o atentado em Berlim, na Alemanha foi morto na madrugada do dia 23 nos arredores de Milão, na Itália. O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque (como sempre). No entanto, não importa quem finalmente tenha feito isso, pois os perdedores finais serão os cidadãos que terão que sofrer com mais escrutínio, monitoramento e vigilância para justificar mais "segurança". O lema da elite é Ordo Ab Chao (Ordem a partir do Caos), e a política de Merkel trouxe para a Alemanha grande caos. Agora as pessoas anseiam pela ordem. E essa ordem pode vir a um preço terrível. 

Conclusão

Os dois eventos descritos acima não eram apenas para matar pessoas. Eram para enviar uma mensagem. Eles estavam carregados ​​de significado simbólico e foram feitos para a mídia de massa e redes sociais.

Esses eventos ocorreram em um momento sensível do ano, o solstício de inverno, um sábado menor, historicamente celebrado com sacrifício humano. Se essa data foi intencionalmente selecionada ou não, o mundo inteiro foi forçado a testemunhar um assassinato planejado, um sacrifício ritualístico realizado metodicamente quando o assassino gritava "Deus é Grande".

Fonte: VC

Veja Mais
Fim de Abril: Época de Sacrifício Humano
Crianças descrevem Abuso Sexual e Sacrifício Satânico


Revista The Economist faz Previsões Sombrias para 2017 usando Cartas de Tarot

domingo, 18 de dezembro de 2016 26 comentários

A influente revista The Economist lançou sua tradicional edição de fim de ano, onde prevê eventos do próximo ano. A edição de 2017 é apresentada de uma forma muito ocultista: um baralho de tarot modificado com símbolos enigmáticos.

Se você pensou que 2016 não foi um grande ano, bem, a The Economist não parece otimista sobre o ano que vem. De fato, em sua capa "O Ano em 2017", a revista prevê morte e turbulência em um contexto oculto e sombrio, usando cartas de tarot e simbolismo enigmático.

Quando a The Economist lançou seu "O Mundo em 2015", eu simplesmente tive que escrever um extenso artigo sobre isso porque ele aludia, através de simbolismo, a várias agendas da elite. De fato, a The Economist não é uma revista típica, é uma publicação de propriedade de pessoas poderosas.

Como escrevi no artigo de 2015:


"Eu normalmente não dedico um artigo inteiro analisando a capa de uma publicação, mas isso não é qualquer publicação. É a The Economist e está diretamente relacionada com a elite mundial. Ela é parcialmente propriedade da família de banqueiros Rothschild da Inglaterra e seu editor-chefe, John Micklethwait, participou várias vezes da Conferência Bilderberg - o encontro secreto onde as figuras mais poderosas do mundo da política, finanças e negócios e mídia discutem políticas globais. O resultado dessas reuniões é totalmente secreto. Por isso, é seguro dizer que as pessoas na The Economist sabem coisas que a maioria das pessoas não sabem."


Enquanto algumas imagens na capa de 2015 se referiam a eventos óbvios, outros eram extremamente enigmáticas - até mesmo "codificadas" - visto que nunca foram explicadas satisfatoriamente.

A edição deste ano é ainda mais enigmática. Ela usa o tarot para prever o ano que vem. Aqui está.


A primeira coisa que se pode dizer sobre essa capa é que ela é bastante oculta. De fato, é dito que o tarot contém dentro de seu simbolismo a totalidade dos mistérios ocultos transmitidos pelas sociedades secretas. Além disso, considerando que as cartas dos Arcanos Maiores também são referidas como "trumps" (carta trunfo, em inglês), foi uma ótima maneira de enfatizar que o próximo ano será muito influenciado pela eleição de Trump.

O tarot

Usar cartas de tarot para prever o futuro, em uma publicação que é de propriedade da elite oculta, é bastante adequado. Através dos séculos, várias versões do tarot foram criadas. Entretanto, a maioria delas contém o mesmo simbolismo que alude a conceitos esotéricos específicos. Ocultistas concordam que o tarot é originário do antigo Egito.


"O Livro de Thoth era um resumo do aprendizado esotérico dos egípcios. Após a decadência de sua civilização, essa tradição cristalizou-se em uma forma hieroglífica como o Tarot; este Tarot se tornou parcialmente ou inteiramente esquecido ou mal compreendido, seus símbolos retratados caíram nas mãos dos adivinhadores falsos, e dos provedores da diversão pública por jogos de cartas. 

- Manly P. Hall, Secret Teachings of All Ages


O tarot é uma compilação extremamente densa de conceitos ocultos e simbolismo, englobando a Maçonaria, a numerologia, a Cabala e a Alquimia.


"Muitos símbolos que aparecem sobre as cartas de Tarot têm interesse maçônico definido. O numerólogo pitagórico também encontrará uma relação importante existente entre os números nas cartas e os desenhos que acompanham os números. O cabalista ficará imediatamente impressionado com a sequência significativa das cartas, e o alquimista descobrirá certos emblemas sem sentido, exceto na química divina de transmutação e regeneração". 

- Ibid


A capa da The Economist foi inspirada no Tarot "Rider-Waite" que foi publicado em 1909. Aqui está.


O tarot Rider-Waite. 

O tarot Rider-Waite foi concebido pelo ocultista proeminente A.E. Waite, que era um iniciado e um mestre de várias sociedades secretas.


"Waite juntou-se à Ordem Externa da Ordem Hermética da Aurora Dourada em janeiro de 1891, depois de ser introduzido por E.W. Berridge. Em 1893 ele se retirou da Golden Dawn. Em 1896, voltou à Ordem Externa da Aurora Dourada. Em 1899, ele entrou na Segunda Ordem da Golden Dawn. Em 1901, Waite fundou a Ordem Independente e Rectificada R. R. e A. C. Esta Ordem foi dissolvida em 1914. A Aurora Dourada foi fragmentada por divisão interna até a partida de Waite em 1914; Em julho de 1915 ele formou a Irmandade da Cruz Rosada, sem confundir com a Sociedade Rosacruciana".


Portanto, ao usar o tarot Rider-Waite para prever 2017, a The Economist revela a verdadeira força que faz com que essas previsões aconteçam: a elite oculta.

Vejamos o simbolismo críptico encontrado em cada carta.

A Torre 


A primeira carta do "planeta Trump" é a Torre. Ao fazer isso, a capa começa as previsões de um jeito bastante sombrio. Não ao contrário da torre do tarot Rider-Waite, a carta caracteriza uma torre que está sendo destruída por Deus. Essa carta está geralmente associada a perigo, crise, destruição e libertação.


"Esta carta vem imediatamente após o diabo em todos os Tarots que o contêm, e está associada com a mudança repentina e potencialmente destrutiva."

 - Bill Butler, Dicionário do Tarot


Na capa do The Economist, a torre está cercada por multidões de pessoas segurando uma bandeira comunista vermelha e do outro lado outras carregando um crucifixo. Por que os comunistas e cristãos estão se enfrentando enquanto a torre está sendo destruída? Será que a The Economist está aludindo às duas forças que são ditas terem impulsionado Trump ao poder - Rússia e o cristianismo conservador?

Ou talvez se refira à crescente divisão entre dois grupos opostos - globalistas/liberais/socialistas versus nacionalistas/religiosos/conservadores?

Na porta da torre está pregado um pedaço de papel. Isso parece ser uma referências às 95 teses de Martinho Lutero.

Uma representação de Martinho Lutero pregando 
essas 95 teses na porta da Igreja em Wittenberg.

Martinho Lutero criticou vários aspectos do Catolicismo, um gesto que culminou na Reforma Protestante. Será que a The Economist está prevendo conflitos religiosos para o próximo ano?

Julgamento 


Donald Trump está sentado no globo enquanto segura uma esfera e um cetro - objetos referentes à monarquia. Em outras palavras, Trump é o rei do mundo. Monarquia e democracia são sistemas políticos que são extremamente diferentes. A The Economist parece estar prevendo que Trump irá governar o mundo como um monarca.

Além disso, por que essa imagem está associada à carta Julgamento? A carta da The Economist não se parece nada com a carta julgamento do tarot Rider-Waite, que retrata o anjo Gabriel no dia do julgamento como descrito pelo livro do Apocalipse.

O Livro do Apocalipse menciona várias vezes o termo "reis da Terra". Às vezes eles são ditos adorar a Cristo e em outras passagens, dizem-se que adoram a Besta.


"E vi a besta, os reis da terra e seus exércitos, reunidos para fazer guerra contra aquele que estava assentado no cavalo e contra o seu exército".

- Apocalipse 19:19


Quando retratados em um contexto negativo, esses "reis da terra" sofrem o julgamento simbolizado nos sete selos, trombetas e taças, terminando com a derrota deles pelo cavaleiro do cavalo branco no capítulo 19. Fato estranho: Há um cavalo branco na capa.

O Mundo 


Mais uma vez, a carta "O Mundo" da The Economist não se parece nada com o sua versão Rider-Waite. No tarot, a carta mundo representa um término para um ciclo da vida, uma pausa na vida antes do próximo grande ciclo que começa com o tolo. Também está associada ao conceito de "unificação".

Na versão The Economist, vemos imagens representando artes, literatura e teatro flutuando acima de três monumentos. Dois deles apresentam a arquitetura clássica encontrada em Roma, Grécia, Washington e Paris (o monumento no meio assemelha-se ao Panteon). A pirâmide egípcia traz à carta uma dimensão mística e esotérica.

Esses três monumentos representam perfeitamente a influência histórica da "elite oculta" na sociedade. Dita ser a guardiã dos Mistérios originários do Egito Antigo, transmitidos através de sociedades secretas como os Cavaleiros Templários, os Maçons, os Rosacruzes e os Illuminati de Baviera, a elite tem sido a força secreta por trás de profundas mudanças culturais e políticas.


"A descida direta do programa essencial das Escolas Esotéricas foi confiada a grupos já bem condicionados para o trabalho. As guildas, os sindicatos e outras sociedades protetoras e benevolentes semelhantes haviam sido internamente fortalecidas pela introdução de uma nova aprendizagem. O avanço do plano exigia o alargamento dos limites filosóficos. Uma fraternidade mundial era necessária, sustentada por um programa profundo e amplo de educação de acordo com o "método". Tal Fraternidade não poderia incluir imediatamente todos os homens, mas poderia unir as atividades de certos tipos de homens, independentemente de suas crenças raciais ou religiosas ou as nações em que habitavam. Estes eram os homens de "virada", os filhos de amanhã, cujo símbolo era um sol ardente que se erguia sobre as montanhas do Oriente.

- Manly P. Hall, The Keys of Freemasonry


Na carta da The Economist, as linhas conectam esses três edifícios do poder com os símbolos que representam a cultura popular. Em outras palavras, a elite oculta produz uma cultura popular única e coesa que é encontrada em todo o mundo.

O Eremita


Embora a carta eremita no tarot Rider-Waite seja bastante simples, a versão da The Economist é densa e cheia de tumulto. Ela retrata hordas de pessoas marchando enquanto seguram bandeiras rejeitando o TTIP (sigla em inglês para Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento), a TPP (sigla em inglês para Parceria Transpacífico) e a União Européia. Outras bandeiras dizem simplesmente 'PAREM' e 'NÃO'. Os eremitas vivem em reclusão da sociedade e essas pessoas querem viver na reclusão da ordem mundial.

No canto inferior direito da carta está um globo rachado, outro símbolo sinistro que se refere à profunda divisão e destruição.

Silenciosamente, supervisionando a cena, está o mesmo eremita encontrado no tarot Rider-Waite que detém uma equipe e uma lanterna. O que ele representa? Aqui está o significado esotérico do eremita.


"O eremita, portanto, personifica as organizações secretas que por séculos sem conta esconderam cuidadosamente a luz da Sabedoria Antiga do profano. O grupo do eremita é o conhecimento, que é o principal e único apoio duradouro do homem. No tarot pseudo-egípcio, o eremita protege a lâmpada atrás de uma capa retangular para enfatizar a verdade filosófica de que a sabedoria, se exposta à fúria da ignorância, seria destruída como a chama minúscula de uma lâmpada desprotegida da tempestade. Os corpos do homem formam um manto através do qual sua natureza divina é levemente visível como a chama da lanterna parcialmente coberta. Através da renúncia - a vida hermética - o homem alcança profundidade de caráter e tranquilidade de espírito". 

- Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages


O eremita, portanto, representa a elite oculta, as "organizações secretas" que governam o mundo há séculos e ocultam o conhecimento secreto do profano (ou seja, as massas). Será que o eremita está observando silenciosamente as massas e se entusiasmando com o nacionalismo porque, mais tarde, cairão em um esquema maior? Seja lá o que, a próxima carta não está muito otimista.

Morte

Esta carta não pode ser mais sinistra. Não ao contrário da versão de Rider-Waite, a carta caracteriza um esqueleto que se senta em um cavalo branco. Na versão da The Economist, um cogumelo nuclear está no fundo, o que provavelmente alude a tensões entre as potências nucleares em todo o mundo (um cogumelo também estava na capa de 2015). Outras calamidades são encontradas na carta, como mosquitos (uma referência a infecções por mosquitos, como a zika?) E um peixe morto em um rio seco (a crescente crise da água em todo o mundo?).

Detalhe estranho: a carta caracteriza o mesmo "sol ardente" no fundo encontrado na carta mundo (com cores invertidas).


"O campo em que a morte colhe é o universo, e a carta revela que todas as coisas que crescem fora da terra serão cortadas e voltarão à terra outra vez." 

- Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages


O Mago


Esta carta é muito semelhante ao seu equivalente no tarot Rider-Waite. Em ambas, o mago tem uma mão para os céus e outra para a terra - uma referência ao axioma hermético "assim acima, como abaixo". Na versão da The Economist, o mago está usando um capacete de realidade virtual enquanto trabalha com uma impressora 3D.

Como a terceira lei de Arthur C. Clark estipula:


"Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia."


Nessa carta, a impressão 3D parece ser uma solução "mágica" para criar soluções de habitação de baixo custo - uma indústria que já está em alta. Realidade Virtual será, sem dúvida, uma grande coisa em 2017, visto que vários produtos estão programados para serem lançados nos próximos anos.

O símbolo do infinito encontrado acima do mago pode se referir às possibilidades ilimitadas de ambas as tecnologias: um pode criar infinitos mundos virtuais enquanto o outro pode expandir muito os limites dos recursos materiais.

A Roda da Fortuna


Esta carta refere-se às próximas eleições em três nações europeias: França, Alemanha e Holanda. Marine LePen, Angela Merkel e Geert Wilders estão ligados a uma roda giratória ao lado das cédulas eleitorais.

No tarot Rider-Waite, a Roda da Fortuna apresenta uma roda de oito raios - o Ciclo da Necessidade - um símbolo esotérico que se refere à natureza cíclica da vida.

O mundo da política também é cíclico e, de acordo com a The Economist, um sorridente Marine Le Pen está se dirigindo para o topo da roda, enquanto Merkel está de cabeça para baixo e se dirigindo para baixo. Para piorar as coisas, Merkel está ao lado da nuvem escura, enquanto Le Pen está sob um céu claro agradável. Merkel está indo em direção a uma derrota amarga? Será que a polêmica "política de portas abertas", que permitiu a entrada de mais de um milhão de refugiados na Alemanha nos últimos anos, vai fazê-la perder?

De forma inversa, será que Le Pen lucrará com o ímpeto nacionalista iniciado por Brexit e a eleição de Trump? Será que a França se tornará um outro poderoso país governado pela "extrema-direita" e pelo nacionalismo? Embora o partido político de Le Pen, Le Front National, costumava ser evitado e descrito como racista, ele poder ganhar legitimidade política em 2017.

Embora aqueles que rejeitam o globalismo possam perceber essa mudança no cenário político como uma vitória, o simbolismo dessa carta parece dizer: "Tudo faz parte do plano". Na verdade, os partidos políticos, quer sejam "de extrema-direita" ou "de extrema-esquerda", fazem parte da mesma roda sempre giratória, o "ciclo de necessidade" é que coloca no poder quem quer que seja necessário nesse momento específico. Em outras palavras, a dinâmica do nacionalismo pode ser planejada pela elite para atingir metas específicas.

A Estrela 


No tarot, a carta Estrela representa alegria, otimismo e sentimento conectado com o divino. Na versão da The Economist, os rostos de 15 jovens aparecem dentro de estrelas amarelas. Eu não consegui identificar nenhum desses rostos. Alguns deles parecem estar no início da adolescência.

Quem são esses jovens específicos? Serão estrelas em ascensão em 2017? Por que há uma estrela cadente no centro? Carta estranha.

Conclusão

O tarot é conhecido por todos, mas esconde, à vista, o conhecimento que foi escondido do "profano" por séculos. A capa da The Economist tem o mesmo objetivo: é publicada em todo o mundo, mas seu verdadeiro significado só será plenamente compreendido por poucos.

A capa foi fortemente inspirada pelo tarot criado por A.E Waite, um proeminente ocultista e fundador de sociedades secretas. Referindo-se a essas cartas em específico e usando seu simbolismo hermético, a The Economist está apontando para a verdadeira filosofia daqueles que governam o mundo.

Como o tarot, "O Mundo em 2017" prevê várias tendências que virão enquanto escondem, por meio de simbolismo, os mecanismos verdadeiros que estão acontecendo. Na verdade, várias dessas cartas implicam a existência de uma "mão escondida", uma força externa que não se limita a observar o que está acontecendo - ela está guiando silenciosamente o mundo para onde ele precisa ir.

Fonte: VC

Veja Mais
Capa da Revista "The Economist 2015" está Repleta de Símbolos Ocultos e Previsões Sombrias
Os Ataques em Paris Foram Previstos na Capa da Revista "The Economist" em Janeiro?


, ,

O Sotaque Estranho de Lindsay Lohan: Outro Sinal de Um Escravo de Controle Mental

domingo, 11 de dezembro de 2016 22 comentários

Um vídeo de Lindsay Lohan dando uma entrevista com um sotaque estranho causou grande especulação dos fãs e da mídia. No entanto, para aqueles que têm conhecimento, isso é outro sintoma da programação MK, vindo de alguém que já apresentou muitos outros sintomas.

Há uma diferença entre falar com um sotaque engraçado com o intuito de fazer uma brincadeira e falar com um padrão de fala completamente diferente em toda a seriedade. O primeiro é o resultado de um momento de descontração, e o segundo é o resultado de um alter-persona.

O novo sotaque de Lindsay Lohan foi percebido quando ela deu uma entrevista a um repórter na Grécia. Aqui está o vídeo.


Lindsay, que vive principalmente na Inglaterra e na Grécia, e estava recentemente em um relacionamento com um bilionário russo (manipulador MK?), estava explicando para a jornalista porque ela abriu uma discoteca em Atenas chamada Lohan.

Depois de um artigo do Daily Mail sobre o assunto, Lohan 
"brincou" e deu seu sotaque (e alter-persona) um nome: Lilohan. 

Como afirmado em artigos anteriores, as vítimas de controle mental são programadas com alter-personas que têm sua própria história, identidade e sotaque (leia o meu artigo completo sobre Controle Mental Monarca aqui). A programação é tão penetrante que a mesma pessoa consegue falar diferentes línguas com sotaques diferentes sem esforço - enquanto que a personalidade núcleo não consegue. Por essa razão, o uso espontâneo e constante de um sotaque diferente é um dos principais sinais indicadores da programação MK. E Lindsay Lohan tem mostrado ser uma escrava Beta Kitten há muito tempo. A indústria do entretenimento tem estado muito interessada em provar esse fato através de imagens simbólicas.

Lindsay posou inúmeras vezes como Marilyn Monroe, 
que é o protótipo da programação Beta Kitten. 

 Nesta foto por Tyler Shields, Lindsay deita em uma cama 
enquanto os homens se despem. Não tem como imaginar uma forma 
mais gráfica de retratar a vida dos escravos Beta Kitten. 

Os escravos da indústria devem trabalhar com fotógrafos
 assustadores como Terry Richardson. Outro sinal bônus de
 um escravo da indústria: "sinal do um olho". 

Em outro ensaio com Terry Richardson, Lindsay
 Lohan aparece genuinamente traumatizada. 

Nos últimos anos, Lindsay tem flutuado dentro e fora da reabilitação (ou reprogramação), enquanto cada vez mais parece estar "fora de si".

Outra pessoa famosa que tem exibido os mesmos sintomas Beta Kitten é Britney Spears. Aqui está um artigo sobre ela falar com um sotaque diferente em 2008 - na época do seu episódio infame de raspar a cabeça.


Britney Spears cai num Sotaque Britânico 

Britney Spears tem um novo acessório para combinar com sua peruca rosa: um sotaque britânico. 

Nas últimas semanas, Britney Spears, 26 anos, foi filmada inúmeras vezes trocando seu sotaque de Louisiana por inflexões do Reino Unido. 

"Ela tinha esse sotaque Inglês o tempo todo" enquanto fazia compras em Kitson na última quinta-feira, de acordo com uma fonte. "Ele não parava." 

Mesmo quando estava com raiva, o sotaque aparecia. Em uma viagem de compras em LA, na Macy, em 13 de janeiro, ela gritou com os paparazzi, "Saiam da minha frente!" - Com um sotaque britânico.

Então, é tudo brincadeira ou ela virou sua peruca rosa?

"Quando alguém tem transtorno dissociativo de identidade" - anteriormente conhecido como distúrbio de múltipla personalidade - "cada identidade é separada uma da outra", diz a psicóloga de LA, Renee A. Cohen, que não está tratando Spears. "Cada identidade teria seu próprio nome, memórias, traços comportamentais e características emocionais."

Cohen diz que a questão fundamental é: "Quando Britney usa o sotaque britânico, ou parece assumir outra identidade, ela sabe que ela é a Britney Spears?"

"Caso contrário, ela pode simplesmente estar se comportando dessa forma por atenção, simpatia, ou qualquer outro motivo", acrescenta Cohen. "É tolice tentar diagnosticar ela sem uma avaliação formal."

Uma possível influência poderia ser avó materna de Spears, Lilian Pontes, que era originalmente da Inglaterra. Além disso, o novo namorado de Britney, o fotógrafo Adnan Ghalib, cresceu em Birmingham, Inglaterra.

De acordo com os paparazzi que arrastam o cantor ao redor do relógio, uma coisa é certa: a peruca rosa significa que algo está mudando.

"Quando ela coloca a peruca rosa, você só sabe que alguma loucura está prestes a acontecer", disse um paparazzo.

- Fonte: People.com


Enquanto a mídia está se perguntando com que tipo de sotaque Lindsay estava falando (soa grego para mim), devemos nos perguntar: por que uma mulher de 30 anos falaria, com toda seriedade, com um sotaque estranho e um padrão de fala completamente diferente? Na maioria das vezes, é o resultado de um transtorno de personalidade múltipla - que é um sintoma do controle mental monarca. Está lá, bem na nossa cara, mas poucos estão realmente enxergando.

 Fonte: VC

Veja Mais
Terry Richardson Acusado de Explorar e Abusar de Modelos 
Amanda Bynes: Outro Produto da Indústria do Controle Mental?