, , , ,

Pink "Just Like Fire": Outro Vídeo Flagrante de Controle Mental

sábado, 28 de maio de 2016 21 comentários

O vídeo de Pink "Just Like Fire" é um dos vídeos de temática MKULTRA mais evidentes já lançado. Trilha sonora do filme "Alice Através do Espelho", o vídeo confirma o carinho da Disney para com o controle mental Monarca.

Se alguém sabe um pouquinho sobre controle mental Monarca, o vídeo "Just Like Fire" de Pink é uma exposição flagrante de seu simbolismo. Ele segue a mesma narrativa e utiliza as mesmas imagens como inúmeros outros vídeos analisados ​​neste site, provando mais uma vez que há um esforço sustentado em expor os jovens a este mundo doentio.

No vídeo, Pink encontra-se perdida no país das maravilhas para então ser levada para uma instituição mental - à força. Através de imagens de controle mental, o vídeo descreve simbolicamente Pink sendo dissociada e programada por um manipulador. Em suma, tudo sobre esse vídeo está diretamente ligado ao controle mental Monarca. 

Alice no País das Maravilhas + Disney = Controle Mental

"Just Like Fire" é o primeiro single da trilha sonora de "Alice Através do Espelho" - um filme da Disney que certamente irá conter um monte de simbolismo MK. Como indicado no meu artigo sobre Controle Mental Monarca, o objetivo final é fazer com que o escravo dissocie após ter sido submetido a um trauma intenso e insuportável. Manipuladores incentivam esse comportamento submetendo os escravos a um "script de programação", uma história que vai orientar o jovem escravo através da programação. Um script comum usado é o "Alice no País das Maravilhas" de Lewis Carroll, uma história que pode perfeitamente ser aplicada ao sofrimento de um escravo MK.

Da mesma maneira que Alice segue um coelho branco através do espelho para entrar no estranho país das maravilhas, escravos seguem seus manipuladores através da programação para alcançar a dissociação completa. No conto de fadas, Alice entra em um mundo de fantasia onde tudo é mágico, invertido e instável, um lugar semelhante ao mundo interno do escravo, onde tudo pode ser modificado pelo manipulador. Portanto, em simbolismo MK, "País das Maravilhas" representa o estado de espírito de um escravo dissociado de mente controlada, o lugar para onde eles "escapam" da dor do trauma. Em suma, a história de "Alice no País das Maravilhas" - e outras que são semelhantes - é usada em cenários reais de controle mental.


Ao longo dos anos "O Mágico de Oz", "Alice no País das Maravilhas", e "Mamãe Gansa" parecem ter sido os favoritos (de manipuladores de controle mental). A criança vai ficar muitas vezes em estado de transe quando essas histórias forem contadas. As crianças terão as histórias repetidas e se espera que elas memorizem esses scripts. Porque os programadores vão construir sobre a consciência da criança essas histórias, as histórias são modificadas para se ajustar melhor à programação futura.

- Fritz Springmeier, The Illuminati Formula To Create a Mind Control Slave


Como dito acima, os programadores modificam as histórias para se encaixarem na programação e as adaptações de histórias clássicas da Disney fazem exatamente isso.


É por isso que os filmes da Disney e os outros programas são tão importantes para os programadores. Eles são a ferramenta hipnótica perfeita para fazer a mente da criança dissociar-se na direção certa. Os programadores têm utilizado filmes desde praticamente o primeiro dia para ajudar as crianças a aprender os scripts hipnóticos. Para as crianças eles precisam ser parte do processo hipnótico. Se o hipnotizador permitir que a criança faça as suas próprias imagens, as sugestões hipnóticas serão mais fortes. Em vez de dizer a criança a cor de um cão, o programador pode perguntar à criança. É daí que os livros e filmes mostrados para as criança ajudam a guiar a sua mente na direção certa. Se o hipnotizador falar a uma criança, ele deve tomar cuidado extra para não alterar o tom de sua voz e ter transições suaves. A maioria dos filmes da Disney são usados ​​para fins de programação. Alguns deles são projetados especificamente para o controle mental. 

- Ibid.


Um exemplo flagrante da Disney em adaptar histórias para fins MK é o filme de 1985 "O Fantástico Mundo de Oz" (leia o meu artigo sobre isso aqui). No filme extremamente assustador, Dorothy é enviada para uma instituição mental onde ela é, literalmente, eletrocutada "sobre o arco-íris". Claro, nada disso estava na história original de Oz.

Décadas mais tarde, a Disney ainda está nessa. O vídeo da música "Just Like Fire" ilustra o quanto a Disney está envolvida em simbolismo MK. Nota: Pink recentemente discutiu sobre a música "Just Like Fire" em uma entrevista no Jimmy Kimmel Live, contrastando o processo de escrever uma música para a Disney com a escrita das músicas em seu álbum, dizendo essencialmente que ela teve muito pouco controle sobre o processo de composição.

Vamos olhar para o vídeo.

Just Like Fire

"Just Like Fire" interpreta o mundo de Alice no País das Maravilhas de acordo com MKULTRA, onde "ir através do espelho" significa dissociar-se da realidade.

O vídeo começa com as palavras "Disney apresenta", para que você
 saiba que essa fábrica de estrelas infantis MKULTRA ainda existe. 

O marido da vida real de Pink, Carey Hart, sai da cozinha e vai dar uma olhada em Pink. Ela está fazendo o de sempre, você sabe, apenas pendurada no teto e girando.

Pink está de cabeça para baixo girando dentro de uma sala ricamente decorada.

Ambos os pisos e as paredes dessa sala têm o padrão quadriculado dualista. No simbolismo maçônico, o piso quadriculado é a superfície ritualística em que ocorre a transformação oculta... e Pink não é uma estranha para o simbolismo maçônico.

A performance de Pink no VMA 2009 foi uma iniciação maçônica clara.
 Seu traje espelhou perfeitamente as roupas de candidatos maçônicas durante 
iniciação: Ela estava com os olhos vendados, o seio esquerdo foi exposto 
sua calça na perna esquerda tinha um padrão quadriculado maçônico.

De volta à sala de piso quadriculado, Pink começa a girar em alta velocidade. Nesse ponto, uma menina (interpretada pela filha de Pink) emerge e segue uma borboleta.

A menina segue uma borboleta monarca azul através de um espelho. 

Essa série de eventos é puro simbolismo de controle mental Monarca. Pendurada no teto, Pink começa a rodopiar representando a sensação vertiginosa e desorientadora de um trauma. Uma vez que a dissociação ocorre, a menina, que representa a personalidade núcleo de Pink, aparece e segue uma borboleta monarca, que representa diretamente a programação Monarca. A borboleta atrai a menina através do espelho ao país das maravilhas - a terra da dissociação.

No país das maravilhas, Pink se encontra em um tabuleiro de 
xadrez, enquanto sua persona núcleo (a menina) continua a correr 
atrás da borboleta (seguindo o roteiro da programação).

O padrão quadriculado lembra a sala em que Pink estava girando, o que implica que ela ainda está naquela sala, mas se dissociou. Devido as suas poderosas propriedades dualistas, esse padrão é usado em programação MK real.

 Esta pintura feita pela sobrevivente de controle mental, Kim Noble, descreve 
uma menina chorando sobre um piso quadriculado dualista. Tudo sobre esta
 pintura refere-se ao conceito de dualidade durante a programação MK 
que induz à divisão da personalidade do escravo.

No tabuleiro de xadrez do país das maravilhas, 
há uma personagem Pink vestida em trajes dualistas.

Em um jogo de xadrez contra si mesma, Pink desempenha o papel de todas as peças,
 incluindo o "Rei" que usa uma "coroa de espinhos" e que convenientemente esconde
 um de seus olhos, ilustrando mais uma vez que tudo isso é sobre simbolismo MK.

Essa cena representa o que acontece com os escravos após a dissociação: A separação dessa persona.


A percepção de formas naturalmente desenvolvida pela criança é aproveitada quando giram a criança e a fazem sentir como se ela fosse cair. A criança também será privada de sono e drogada. Tudo isso junto irá fornecer a base dissociativa para dividir a personalidade núcleo. 

- Ibid.


Esta cena descreve visualmente a divisão da persona (preto
 e branco), enquanto Pink vestida de vermelha dança (vermelho
 representando a cor do sacrifício). 

Pink e sua filha, em seguida, tomam chá com o Chapeleiro Maluco.

Pink (e sua persona núcleo) estão flutuando no ar, aludindo
 à sensação de leveza sentida por escravos dissociados. 

Pink, em seguida, cai e encontra-se paralisada enquanto flutua acima das 
flores, representando a impotência de escravos dissociados (e intoxicados).
 A borboleta da programação voa, e a menina a segue.

Tempo (o vilão com o bigode) se esconde por
 perto, olhando para a menina - a persona núcleo. 

No vídeo, Tempo desempenha o papel do manipulador que entra na psique do escravo dissociado para programá-lo.

 O sinal do "um olho" no pôster do filme permite 
que você saiba que Tempo representa a elite oculta.

 Tempo finalmente encontra a personalidade núcleo e oferece-lhe um relógio. 

Quando o manipulador toca a personalidade núcleo do escravo, um colapso completo ocorre. O vídeo mostra claramente esse processo de maneira bastante gráfica.

Pink sai imediatamente do País das Maravilhas (dissociação) e é levada 
à força para uma instituição mental, enquanto veste uma camisa de força. 

Durante o colapso de Pink, um monte de imagens assustadoras piscam 
na tela, incluindo o rosto irritado de Tempo. Embora o manipulador pareça 
agradável durante dissociação, ele é na verdade um psicopata 
sádico na vida real.

 O vídeo termina com o marido de Pink assinando o 
termo e perguntando se ela vai ficar "bem"... enquanto 
ela é forçosamente arrastada para uma instituição mental. 

Obrigado, Disney, por essa história edificante de dissociação e colapso mental. As crianças vão adorar.

Script para as Massas 

Da mesma forma que os escravos MK seguem um roteiro para a programação e dissociação, as massas são submetidas a um script de programação através da mídia. Na verdade, os leitores desse site já devem ter reconhecido a mesma narrativa básica em outros vídeos. Por exemplo, "Wide Awake" de Katy Perry apresenta Katy com uma menina passando por um espelho.

 Katy Perry com uma menina (representando sua persona núcleo)
 passando por um espelho. O vestido de Perry está cheio de borboletas.

 Ela encontra-se completamente fora de si em uma instituição mental. 

O vídeo termina com ela segurando uma borboleta. 

A indústria da música não é sobre "originalidade". Trata-se de programação.

Conclusão

O vídeo de Pink "Just Like Fire" é mais um caso que prova que a indústria do entretenimento busca constantemente expor as massas ao mundo do controle mental. Embora "Alice no País das Maravilhas" de Carroll  foi escrito durante o século 19, a Disney adaptou a narrativa para se adequar às necessidades do sistema MKULTRA, um sistema no qual a empresa está diretamente envolvida.

A adição de uma cena em que Pink perde sua cabeça é a maneira de claramente apontar que há mais na história de Alice no País das Maravilhas do que uma simples fantasia da Disney. A história é usada em um assunto específico para normalizar o simbolismo da programação Monarca, enquanto subliminarmente expõe os jovens ao seu processo horrível. Se você não acredita que a Disney e toda a indústria são capazes de tais coisas tortuosas, você ainda está vivendo no país das maravilhas.

Fonte: VC

Veja Mais
Melanie Martinez e o Universo Perturbador de "Cry Baby"
Gwen Stefani e o Simbolismo Oculto de "What Are You Waiting For"

,

Elijah Wood fala Sobre Abuso Infantil em Hollywood: "Há Escuridão Lá No Fundo"

quinta-feira, 26 de maio de 2016 9 comentários

Durante uma entrevista, o ator Elijah Wood desviou um pouco a conversa e dirigiu-se ao lado escuro de Hollywood afirmando que o abuso infantil é desenfreado e que "há um monte de víboras nessa indústria".

Elijah Wood passou a maior parte de sua vida na indústria do entretenimento. Como um ator mirim aclamado pela crítica aos nove anos, ele continuou a crescer, literalmente, sob os holofotes. Ele, portanto, sabe algumas coisas do lado feio de Hollywood - especialmente sobre a sua tendência de aproveitar de crianças. Embora os atores e atrizes costumem manter suas bocas fechadas sobre esses assuntos por medo de serem "suicidados" ou "terem uma overdose", deslizes às vezes ocorrem e pedaços da verdade emergem.

Durante a entrevista com o The Sunday Times sobre seu novo filme, Elijah Wood desviou a conversa e abriu o jogo sobre o lado feio de Hollywood onde pessoas de alta proeminência abusam de crianças sem repercussão alguma.


"É evidente que algo grande estava acontecendo em Hollywood. Foi tudo organizado para isso. Há um monte de víboras nessa indústria, pessoas que só têm os seus próprios interesses em mente. Há escuridão lá no fundo - qualquer coisa que você puder imaginar, isso provavelmente já aconteceu".


Elijah, em seguida, explicou que as vítimas não têm nenhum recurso porque "não podem falar tão alto quanto as pessoas no poder."


"Essa é a tragédia de tentar revelar o que está acontecendo com as pessoas inocentes. Eles podem ser esmagados, mas suas vidas foram irreparavelmente prejudicadas."


Elijah disse que ele foi poupado do abuso, principalmente porque sua mãe não lhe permitia participar de festas de Hollywood infames cheias de pervertidos de todos os tipos.


"Ela estava muito mais preocupada com me criar para ser um bom ser humano do que facilitar a minha carreira. Quando você é inocente você tem muito pouco conhecimento do mundo e você quer ter sucesso. Pessoas com interesses parasitas vão ver você como presa delas."


Essas observações corroboram as afirmações de Corey Feldman de que Hollywood está "atualmente abrigando cerca de 100 abusadores ativos".


"Eu posso dizer-lhe que o problema número 1 em Hollywood era e é e sempre será a pedofilia. Esse é o maior problema para as crianças nessa indústria... Esse é o grande segredo".

 - Fonte


Em 2013, Feldman explicou que "uma das pessoas mais bem sucedidos na indústria do entretenimento, que ainda está ganhando dinheiro a rodo", abusou de seu melhor amigo Corey Haim.


"Um homem adulto o convenceu [Haim] que era perfeitamente normal para homens mais velhos e rapazes mais jovens na indústria terem relações sexuais, que isso era o que todos os 'caras faziam'. Então, eles se afastaram para uma área isolada entre dois trailers, durante uma pausa para o almoço do elenco e da equipe, e Haim, inocente e ambicioso como ele era, permitiu ser sodomizado". 

- Fonte


Voltando Atrás

Quase toda vez que uma celebridade fala sobre a verdade na indústria, eles sentem a necessidade urgente de voltar atrás, negar e afirmar que elas foram "tiradas do contexto". Será que eles recebem um telefonema de alguém ameaçando acabar com a carreira e/ou a vida delas? Seja qual for o caso, Elijah sentiu a necessidade de esclarecer que ele nunca testemunhou qualquer abuso e que suas afirmações foram baseadas no que ele viu em um documentário.


"The Sunday Times entrevistou-me sobre o meu último filme, mas a história tornou-se sobre algo completamente diferente. E isso causou uma série de manchetes falsas e enganosas. Eu tinha acabado de ver um documentário poderoso e falei brevemente com o repórter sobre o assunto, que teve consequências que eu não tinha a intenção. Lição aprendida.

Deixe-me ser claro: esse assunto de abuso infantil é um passo importante que deve ser discutido e devidamente investigado. Mas, como eu deixei absolutamente claro para o escritor, não tenho experiência de primeira mão ou observação do tema, por isso não posso falar com qualquer autoridade sobre além dos artigos que eu li e filmes que já vi."


Essas declarações patéticas que ele fez voltando atrás é simplesmente mais uma prova de que a elite de Hollywood tem um poder muito grande sobre os artistas e os meios de comunicação, enquanto desfruta de total imunidade contra a lei.

Fonte: VC

Veja Mais
Crianças descrevem Abuso Sexual e Sacrifício Satânico
Jimmy Savile: Um Exemplo Clássico de Abusador da Indústria do Entretenimento Protegido pela Elite

Imagens Simbólicas (março & abril/16)

domingo, 15 de maio de 2016 38 comentários

A morte de Prince no mês passado trouxe a seguinte pergunta à tona: ele também
 fazia parte dos artistas Illuminati? Embora Prince fosse diferente e bastante "ciente"
 sobre assuntos ocultos, sua arte ao longo dos anos denuncia que ele também pertenceu 
a mesma indústria Illuminati que o levou a fazer sinais como este na capa deste single.

O sinal do "um olho" no pôster de divulgação
da turnê de Prince "Welcome to America" é mais um
dos vários exemplos que podem ser encontrados.

Assim como esta capa do single "Let's Pretend We're Married".

No álbum Prince "1999", vemos mais esta alusão ao "um olho".

Ainda, no Billboard Music Awards de 2013, Prince apareceu com este anel 
nada discreto. Naquela época, ele já estava bem ciente do seu significado real. 
David Icke disse que Prince o convidou uma vez para assistir a seu show 
em Londres e que lia seus livros. O que será que ele estava tendo dizer?

Justin Bieber na capa da revista Het fazendo o "um olho" com 
a sombra da mão. Na legenda vemos escrito "o rei do retorno"; 
é o tipo de coisa que ele precisa fazer para continuar um "rei".

 Também na capa da revista Billboard do fim do ano 
passado, Justin Bieber esconde um olho com o cabelo.

E aqui na capa da revista i-D, onde todo mundo 
tem que fazer o sinal do "um olho". Por que será?

Traduza o que está escrito nesta camiseta que Justin Bieber exibiu 
recentemente! Ele tem sido um peão Illuminati tão obediente nos 
últimos tempos que já se tornou "maior do que o próprio Satanás".

Como de costume, sempre vemos artistas em capas de 
revistas fazendo alusão ao "um olho". Missy Elliott também 
fazendo o "um olho" na capa da revista Billboard.

Enquanto Mariah Carey se prepara para se casar com um bilionário
 australiano, ela posa para a capa da revista Style escondendo um olho. Note a 
estampa felina nos seus sapatos. Mariah foi uma Beta kitten por muito tempo.

 A nova capa da revista Playboy traz o 
simbolismo do "um olho" também.

A revista "Rolling Stones" colocou na capa a Rainha 
Elizabeth II com uma gema no olho, talvez para nos dar 
uma dica sobre o grupo que ela pertence.


Chloe Grace Moretz na capa da revista 
Complex também segue os mesmos passos.

A cantora americana Bea Miller fazendo o 
sinal do "um olho". Ela é produto do X-Factor.

Ex- Spice Girls, Emma Bunton. Nunca
 é tarde demais para fazer parte do grupo.

Selena Gomez deitada em meio a vários pedaços de espelhos 
quebrados no encarte de seu álbum "Revival". Por que espelhos quebrados? 
Porque isso simboliza a fragmentação da psique de um escravo MK. 

O mundo da moda também está repleto de influências ocultas. Este desfile 
do estilista chinês Hu Sheguang foi totalmente sobre Abuso Ritualístico Satânico 
e Controle Mental. Nesta imagem, vemos a modelo com um monte de mãos
 em volta. "Controlada pelos seus manipuladores".

Esta modelo tem várias cabeças representando suas múltiplas personas.

Quem será que ela está representando?

Esta modelo carrega dois bonecos no colo com as mãos sujas
 de sangue. Uma alusão ao sacrifício infantil. Perturbador!!!

Nesta cena do filme "Batman vs. Superman", Batman é ferido durante 
o duelo com Superman e tem seu capacete danificado justamente no olho, 
fazendo com que isso se torne mais uma referência ao "um olho".

Veja Mais

,

O Significado Oculto de Beyoncé "Lemonade"

segunda-feira, 9 de maio de 2016 97 comentários

O album visual de Beyoncé, "Lemonade", encantou os críticos com sua rica distribuição de sons e imagens. Há, no entanto, um nível mais profundo de interpretação que a maioria dos críticos não consideraram - que se baseia fortemente em ritual oculto e simbolismo. Vamos olhar para o significado oculto de Beyoncé "Lemonade".

O lançamento surpresa do "Lemonade" provocou uma perfeita tempestade de atenção na mídia. De sites de fofocas perguntando "será que Beyoncé está acusando Jay-Z de traição?" a críticos de música proclamando Beyoncé como um "gênio singular" e "super-herói da mulher negra", "Lemonade" recebeu uma abundância de holofotes na cultura pop. No entanto, no meio de toda aquela conversa, quase ninguém abordou um traço evidente desse álbum visual: é muito oculto, espiritual, e ritualístico, e alude a conceitos metafísicos que dão à história um significado mais profundo.

Na verdade, a maioria dos observadores manteve a sua análise em águas muito rasas, fazendo conclusões como "['Lemonade'] é sobre mulheres negras fortes e mulheres não negras não deveriam nem sequer tentar compreendê-lo", sem sequer abordar 50% do vídeo que vai muito além dessa premissa simplista.

O álbum é descrito no Tidal como uma "jornada de autoconhecimento e cura de toda mulher" e o tema geral é dito ser sobre "o empoderamento das mulheres negras, fazendo referência a ambos os relacionamentos conjugais e ao trauma histórico da escravidão". No entanto, a imagem oculta do vídeo conta uma história que é muito mais complexa... e muito menos "empoderante". Embora ao longo do vídeo, Beyoncé pareça estar falando com um marido infiel, vários indícios indicam que o marido infiel não é Jay-Z ou o seu pai; em vez disso, o pai e o marido de Beyoncé é a indústria da música da elite oculta. Depois de dar a sua vida e alma para ser parte dessa indústria, Beyoncé é agora casada com ela - para melhor ou para pior. Mas a indústria não é fiel a ela e a trata mal. Através de imagens simbólicas, "Lemonade" explica o que foi exigido de Beyoncé para se tornar, em suas palavras, a "pior vadia da indústria", como ela deixou uma marca permanente sobre Beyoncé, e como ela vai agora ser usada para ser uma "líder".

Escrito e Dirigido pela Elite Oculta

Críticos de música afirmam que "Lemonade" é o álbum mais pessoal de Beyoncé, fazendo parecer que ela se sentou lá chorando com uma caneta e papel, escrevendo de todo o seu coração. Mas isso não é o que aconteceu. Uma rápida olhada no encarte do álbum revela que o álbum foi escrito por uma equipe de 72 escritores... apenas a música "Hold Up" foi escrita por 15 pessoas! A parte de vídeo do álbum foi criada por sete diretores, incluindo alguns dos favoritos da elite oculta: Jonas Akerlund e Mark Romanek. Akerlund foi mencionado várias vezes no KIP devido ao fato de ele ter criado vídeos altamente simbólicos como "Hold It Against Me" de Britney Spears, "Telephone" de Lady Gaga, um comercial temático MK-Ultra para a Versace e outros.

Akerlund tem uma compreensão clara do imaginário da elite oculta e parece se especializar em descrever as estrelas pop como marionetes de mente controlada.

Em "Hold It Against Me", Britney está presa dentro de uma sala cheia 
de monitores e anexada a fios intravenosos. Em suma, uma escrava MK. 

Em Telefone, Akerlund fez Lady Gaga e 
Beyoncé fazer o sinal do um olho depois de
matar um monte de pessoas em um diner.

Em seu vídeo Versace For H&M, modelos são retratadas 
como fantoches MK controladas por um manipulador 
implacável: Donatella Versace. 

Em "Lemonade", as mesmas ideias são comunicadas - mas insidiosamente escondidas sob uma espessa camada daquela narrativa da "mulher negra forte". Beyoncé sempre foi um fantoche da indústria, mas agora a fantoche foi enviada de volta para seu "povo" para se tornar um líder. Em outras palavras, ela é (ainda) a Maria do filme Metropolis (o filme favorito da elite).

Em Metropolis, Maria é uma líder confiável da classe trabalhadora. A elite
 a sequestra e cria um androide que tem a semelhança de Maria. Esse androide
 é enviado de volta para os trabalhadores, a fim de enganá-los e fazê-los cair na 
armadilha da elite. Nesta imagem, o androide (antes de assumir a semelhança 
de Maria) está diante de um pentagrama invertido, dando a entender que as
 pessoas que a controlam estão envolvidas em ritual oculto e magia negra.

Beyoncé como Maria de Metrópolis no BET 
Awards, em 2009. A elite disse há muito tempo
 o que ela verdadeiramente representa.

Será que Beyoncé deu um giro de 180º em "Lemonade" fazendo o álbum ser sobre "empoderar seu povo"? Na verdade não. A mesma elite oculta ainda é dona de sua pessoa, bem como sua imagem e todo o seu material.

Pense sobre a resposta imediata após o lançamento de "Lemonade": acusações, dedos apontados e desconfiança contra Jay-Z, seu pai, e uma caça às bruxas contra as mulheres que se suspeita serem amantes de Jay-Z. Será que isso é "empoderar" alguém... ou é mais uma autodestruição? Vejamos, então, "Lemonade".

Lemonade

O álbum visual de uma hora de duração é um mosaico de clipes de música, passagens de poesia, e videozinhos colocados juntos para contar uma história abrangente. Fortemente inspirado pelos estados nativos dos pais de Beyoncé (Louisiana e Texas), o imaginário de "Lemonade" (e até mesmo o seu título) entra nas raízes do profundo sul dos EUA. No entanto, também entra nas raízes do ocultismo.

O vídeo inteiro é permeado com o conceito de dualidade, que se expressa com a oposição de preto e branco, bem e mal, amor e ódio. Além disso, o vídeo mostra duas realidades distintas: o que acontece no nível superficial (para o mundo ver) e o que acontece no subterrâneo (afinal de contas, a palavra "oculto" significa escondido).

Casada com a Indústria

O primeiro poema do vídeo define tudo: ele, simultaneamente, fala sobre um marido infiel e um pai infiel, em palavras que também podem ser aplicadas à indústria da música - a "casa" por onde ela passou a maior parte de sua vida - e o real "marido infiel", com quem ela é casada.


“Eu tentei fazer de você uma casa, mas as portas levam a alçapões. Uma escadaria leva ao nada. Mulheres desconhecidas vagam pelos corredores à noite. Para onde você vai quando quer ficar quieta?

Você me lembra meu pai, um mago… Capaz de existir em dois lugares ao mesmo tempo. Como a tradição dos homens do meu sangue, você chega em casa às 3 da manhã e mente para mim. O que você está escondendo?

O passado e o presente se fundem para nos encontrar aqui. Que sorte. Que maldição horrível.”


A indústria está cheia de "alçapões" e "escadas que conduzem a nada" para os artistas que permanecerão para sempre peões. A elite oculta, que está mergulhada em ritual e magia negra, faz ela lembrar de seu pai, um "mago". Em suas palavras, "que maldição horrível."

O vídeo então começa a recontar, em termos simbólicos, o primeiro contato de Beyoncé com o "lado negro".

Vestida de preto, Beyoncé se suicida... auto-sacrifício.

Beyoncé acaba em um quarto subaquático. 
Nós vemos seu antigo eu vendo seu novo eu.

O quarto subaquático representa o útero. Enquanto submersa, Beyoncé está em um período de formação e de transição até que ela esteja pronta para o renascimento. O poema recitado por Beyoncé faz alusão aos períodos de purificação exigidos pelos iniciados em ocultismo antes de experimentar a iniciação.


Eu tentei mudar. Fechei mais a minha boca. Tentei ser mais suave, mais bonita, menos alerta. Fiz jejum de 60 dias, vesti branco, abstive-me de espelhos, abstive-me de sexo, aos poucos não falava mais nada. Naquele tempo, meu cabelo cresceu até meu tornozelo. Eu dormi sobre um tapete no chão. Eu engoli uma espada. Eu levitei. Fui ao porão, confessei meus pecados e fui batizada em um rio. Eu me ajoelhei e disse "amém" e disse "realmente quis dizer isso".


Na metade do poema, as coisas ficam cada vez mais obscuras e Beyoncé fica cada vez mais agitada, comportando-se como se estivesse possuída. Da purificação, as coisas começam a ser sobre magia negra.


Chicoteei minhas próprias costas e pedi a seus pés por dominação. Atirei-me dentro de um vulcão. Eu bebi o sangue e bebi o vinho. Sentei-me sozinha, implorei e me curvei até a cintura por Deus. Eu fiz o sinal da cruz e pensei ter visto o diabo. Uma pele grossa começou a crescer em meus pés, eu banhei-me em água sanitária, e sequei a minha menstruação com as páginas do livro sagrado, mas ainda dentro de mim, escondido no fundo, eu precisava saber... você está me traindo?


Depois que ela pensou que "viu o diabo", Beyoncé diz que 
"banhou-se em água sanitária" e "secou a menstruação 
com as páginas do Livro Sagrado". Iniciação.

Sujar, desonrar e destruir artefatos cristãos (especialmente a Bíblia) é uma parte padrão do ritual satânico. Ocultistas sempre consideraram o sangue menstrual ser potente e carregado de "força vital", razão pela qual muitas vezes é usado em rituais de ocultismo. Esse verso particular é, portanto, uma clara referência à magia negra. É um juramento de iniciação para o lado negro. 

Renascimento

Após um período de gestação dentro do útero, onde Beyoncé foi iniciada nos caminhos da elite oculta, ela está pronta para o renascimento.

Beyoncé emerge de um templo enquanto a água jorra da
 mesma forma que um bebê sai do útero após a bolsa estourar.

Nesta sequência, Beyoncé também é uma encarnação da deusa Oxum do povo Iorubá.


Oxum é comumente chamado de o rio orixá, ou deusa, na religião iorubá e é normalmente associado com a água, a pureza, a fertilidade, o amor e a sensualidade. Ela é considerada uma das mais poderosas de todos os orixás, e, como os outros deuses, ela possui atributos humanos, tais como a vaidade, inveja e despeito.


A cor do vestido de Beyoncé também está associada com Oxum, visto que ela está associada ao amarelo ou âmbar e ao ouro metal ou bronze.

Um retrato clássico de Oxum. 

Após a morte por autosacrifício, um período de reclusão e iniciação oculta, Beyoncé renasce. Ela é uma serva da elite oculta agora. Ela está sexy e fabulosa e está solta na sua comunidade. Será que ela fará o bem e ajudará as pessoas? Na verdade não. Ela, na verdade, faz exatamente o oposto.

Beyoncé anda nas ruas de Nova Orleans e começa a quebrar 
carros com um taco de beisebol. Ela não só quebra o carro de
 seu marido traidor - ela está quebrando os carros de todos. 

Em um ponto, Beyoncé encontra um spa de beleza que oferece "tratamentos faciais gratuitos hoje". Ela quebra sua janela. Deixando a insinuação sexual de lado, considerando que esse tipo de negócio é quase sempre de propriedade de empresários locais pequenos e dentro do contexto de suas outras destruições, pode-se perguntar: por que Beyoncé está atacando sua própria comunidade?

Esse vídeo pode representar a fase de "colapso" que muitos escravos MK passam depois de serem reprogramados pela indústria.

Escrava da indústria Britney Spears atacando
um carro durante seu colapso infame de 2008.

Apesar de saber que as imagens de câmera de segurança irão diretamente 
para a polícia de Nova Orleans (e, provavelmente, para a mídia, visto que sua
 vida é bem divulgada na vida real), Beyoncé ataca as câmeras. Ela está
consciente de suas ações.

Então, Beyoncé entra em um caminhão gigante e esmaga um monte de carros das pessoas. Toma essa, Nova Orleans!

Depois desse colapso público, Beyoncé se defende com a elite. Quebrada pela programação, ela está pronta para ser reconstruída... na imagem da elite.


Se é o que você realmente quer... eu posso usar sua pele sobre a minha. Seu cabelo sobre o meu. Suas mãos como luvas. Seus dentes como confetes. Seu couro cabeludo, um boné. Seu esterno, minha bengala brilhante. Nós podemos posar para uma fotografia, nós três juntos. Imortalizados... você e sua garota perfeita.


Em termos de controle mental Monarca, Beyoncé está pronta para assumir seu alter-persona e tornar-se a estrela pop que a elite quer colocar na frente das massas. Feroz!

Exploração

Depois de um monte de canções raivosas em que Beyoncé se rebela contra o marido traidor, as coisas ficam ritualísticas novamente. Embora, superficialmente, Beyoncé pareça ser uma mulher forte, sem remorso, as coisas são diferentes no subsolo.

Vestida de vermelho (cor do sacrifício) e cercada
 pelo fogo, outro ritual acontece - magia sexual.

Beyoncé, em seguida, recita um poema carregado de significado oculto: Trata-se de magia sexual.


Ela dorme o dia todo. Sonha com você em ambos os mundos. Cultiva o sangue, dentro e fora do útero. Acorda com cheiro de zinco, dor sedada pelo orgasmo, o orgasmo intensificado pela dor. Deus estava no quarto quando o homem disse à mulher: "Eu te amo tanto. Enrole suas pernas em volta de mim. Me agarre, me agarre, me agarre." Às vezes, quando ele tinha seu mamilo em sua boca, ela sussurrava: "Oh, meu Deus. Isso, também, é uma forma de adoração".


A magia sexual pode ser definida como "a atividade sexual utilizada em atividades mágicas, rituais ou de outras formas religiosas e espirituais". Não ao contrário do sangue menstrual mencionado acima, a excitação física é considerado pelos ocultistas ser extremamente potente e pode ser canalizada para fins mágicos (veja sobre Aleister Crowley e a O.T.O).

O resto do poema invoca escuridão e bruxaria. Ele novamente faz referência a imagens associadas com a magia negra.


Seus quadris moem, pilão, canela e cravo. Sempre que ele puxa para fora... perda. Cara Lua, nós a culpamos por inundações... pelo fluxo de sangue... pelos homens que também são lobos. Nós a culpamos pela noite, pelo escuro, pelos fantasmas.


Nesse contexto, Beyoncé é uma escrava programada usada em ritual de magia - uma Beta Kitten. Apropriadamente, a próxima música, "6 Inch", é sobre prostituição - que é o que as Beta Kittens fazem.


Saltos de seis polegadas, ela entrou na balada sem se importar com ninguém 
Caramba, ela matou todo mundo e eu era a sua testemunha

Ela trabalha pelo dinheiro, ela trabalha pelo dinheiro
Desde o início até o fim
E ela vale cada dólar, ela vale cada dólar
E ela vale cada minuto 


No poema que se segue, Beyoncé aborda sua mãe, ao denunciar maridos abusivos e pais. Além disso, ela está se referindo à indústria oculta que se tornou seu pai e seu marido.


Mãe querida, deixe-me herdar a terra. Ensina-me a fazê-lo implorar. Deixe-me compensar pelos anos que ele fez você esperar. Ele distorceu seu reflexo? Ele fez você esquecer seu próprio nome? Ele te convenceu que ele era um deus? Você se ajoelhava todos os dias? Seus olhos se fecham como portas? Você é um escrava da nuca dele? 

Eu estou falando sobre seu marido ou seu pai?


As palavras acima descrevem o abuso mental, físico e sexual, do tipo que os escravos MK passam. Depois de recitar essas palavras horríveis, Beyoncé canta uma canção dedicada a seu pai. Não se pode dizer que "Lemonade" é gentil com figuras masculinas negras.

Reforma

Depois de raiva e rebeldia, Beyoncé se estabelece, aceita seu destino e quer se reconciliar.


Batize-me... agora que a reconciliação é possível. Se nós vamos curar, deixe que isso seja glorioso. 1.000 meninas levantam os braços. Você se lembra de ter nascido? É você grato pelos quadris que quebraram? O veludo profundo de sua mãe e sua mãe e sua mãe? Há uma maldição que será quebrada.


Após um período de tribulação, Beyoncé (e seus seguidores) 
está pronta para ser renovada. Descrevendo um batismo, o vídeo dá 
a entender que isso não se trata de Jay-Z, trata-se de algo maior.

A música "Sandcastles" apresenta Beyoncé e Jay-Z compartilhando momentos íntimos. Jay-Z é o vilão que Beyoncé perdoou.

Por que Jay-Z concordou em aparecer em tal vídeo? 1) Ele tem que concordar. 
2) Qualquer publicidade é boa publicidade. 3) O vídeo não é realmente sobre ele, 
ele está simplesmente sendo usado para esconder o verdadeiro motivo do vídeo.

Em seguida, o vídeo se concentra em pessoas negras comuns do dia a dia. Uma delas passa a louvar ao Senhor.

"Obrigado, Jesus. Eu simplesmente amo o Senhor, sinto muito, irmão. Eu amo 
Senhor. Isso é tudo que eu tenho. Quando as suas costas ficam contra a parede e sua
 parede contra suas costas, quem você chama? Ei! Quem você chama? Quem você 
chama? Você tem que chamá-lo. Você tem que chamar Jesus. Você tem que 
chamá-lo.Você tem que chamá-lo porque você não tem outra esperança."

No entanto, as coisas são diferentes no subsolo. Beyoncé não é como essa mulher do lado de fora. Ela está dentro de um lugar escuro e cavernoso - e sua mente está em outro lugar.


Você é terrível... e estranho e bonito.

Mágico.


Ela ainda está obcecada pelo lado negro, e provavelmente sempre estará. Apesar disso, ou por causa disso, ela foi escolhida para liderar seu povo.

Liberdade

Daí em diante, o tema da liberdade e da libertação toma conta. Em um sistema que é rigidamente controlado pelos poderes constituídos, "libertação" só pode ser defendida pelos peões que esses poderes criaram. Em outras palavras: controlado a oposição.

Durante a canção "Forward", retratos de homens negros 
mortos nas mãos da polícia são carregados por suas mães.

Como Maria de Metrópolis, Beyoncé foi enviada por "eles" para se tornar um líder. Sua equipe de 72 escritores e sete diretores de vídeo decidiram cooptar esse problema para dar-lhe credibilidade e legitimidade.

Beyoncé então se move para elogiar sua avó, para metaforicamente transformar os limões da vida em limonada - não sem o uso de termos ocultos, é claro.


Avó, a alquimista, você fez surgir ouro dessa vida dura, conjurou beleza das coisas deixadas para trás. Encontrou cura, onde não existia vida. Descobriu o antídoto em seu próprio kit. Quebrou a maldição com suas próprias duas mãos. Você passou essas instruções para a sua filha, que, em seguida, passou à filha dela.


Embora essas palavras invoquem esperança e força, as palavras finais de Beyoncé são sobre implorar ao "mago" (a elite oculta) para trazê-la de volta. Ela não está livre ou liberta de qualquer coisa. Em suas próprias palavras, "seus torturadores se tornaram seu remédio".


O verdadeiro amor trouxe a salvação de volta para mim. Com toda lágrima veio a redenção e meus torturadores se tornaram meu remédio. Então nós vamos curar. Nós vamos começar de novo. Você trouxe a orquestra, nadadores sincronizados. Você é o mago. Me puxe de volta pra junto de você novamente, da maneira que você me cortou pela metade. Faça a mulher em dúvida desaparecer. Puxe a tristeza entre as minhas pernas como seda. Nó após nó após nó. O público aplaude... mas não podemos ouvi-los.


Créditos Finais

O álbum termina com a música "Formation" - um single amplamente divulgado que obteve airplay no maior evento televisionado na Terra: o Superbowl. A música começa com Beyoncé basicamente dizendo "Vocês, parem de dizer que eu sou Illuminati! Eu sou uma menina rebelde super Black Power agora."


Vocês, haters, são brega com esse papo de Illuminati
Paparazzi, fotografem meu estilo e minha atitude
Eu sou tão imprudente quando eu balanço meu vestido Givenchy (é estilo)
Sou tão possessiva, então eu balanço seus colares Roc


Então, depois de chamar as pessoas de bregas, porque ELA está promovendo a Agenda Illuminati, ela afirma que usa Givenchy e usa colares Rocafella. Talvez deva-se salientar que Roc-A-Fella Records recebeu esse nome por causa da família Rockefeller (a família da elite oculta primária nos EUA) e que o símbolo desse selo é o seguinte:     


Beyoncé... você continua tão brega com esse papo de Illuminati. 

Conclusão

"Lemonade" de Beyoncé é sombrio, complexo, profundo e trabalha em vários níveis. No entanto, não é um álbum "pessoal". Ele foi composto por 72 escritores e o "álbum visual" foi produzido por uma equipe de diretores de vídeo bem familiarizados com o lado oculto. É um produto da indústria da música que foi cuidadosamente elaborado e que contém as mesmas mensagens de outros produtos pop. No entanto, em 2016, o contexto cultural está mudando. As mortes de pessoas negras causadas pela polícia nos últimos anos tem causado tristeza, agitação e divisão racial em todo os EUA. Sempre mantendo-se "relevante", a equipe de Beyoncé criou uma trama que utiliza diretamente essas questões, enquanto que habilmente vai colocando no meio suas próprias imagens e a Agenda da elite oculta.

Embora "Lemonade" pareça ser sobre "empoderamento" e liberdade, o imaginário oculto "subterrâneo" retrata Beyoncé fazendo exatamente o contrário: uma escrava que passa pelo processo de iniciação rigoroso da elite. Ela não é uma rebelde. Ela é Maria de Metrópolis. E ela não está lhe servindo limonada... ela está lhe servindo a bebida tóxica da elite.

Fonte: VC

Veja Mais
Beyonce e o Super Bowl 2013 - A Agenda Illuminati continua
Beyonce e o Nascimento Oculto de Sasha Fierce