Como o Tiroteio de Dallas serve à Guerra Racial da Elite e à Agenda do Estado Policial

segunda-feira, 25 de julho de 2016 Leave a Comment

Um "atirador solitário" matou 5 policiais e feriu outros 11 em meio a um protesto contra assassinatos cometidos pela polícia. Esse evento violento ocorreu em um momento estratégico e perfeitamente se encaixa à agenda da guerra racial da Elite. Micah Johnson foi um bode expiatório da Elite?

As mortes violentas de dois homens negros pela polícia causou, mais uma vez, um protesto nacional contra os homicídios policiais, especialmente dentro da comunidade negra. O fato de que a morte de Alton Sterling e Philando Castela foram gravadas acentuou ainda mais a indignação em todo os EUA, visto que os espectadores testemunharam de forma gráfica e nauseante os assassinatos. Os vídeos também impediram a polícia de fornecer uma versão "oficial" manipulada dos eventos.

Essas mortes acenderam mais um debate nacional em torno do uso da força letal pela polícia em situações desprovidas de perigo imediato. Mais uma vez, os americanos foram confrontados com o fato de que a aplicação da lei violou o seu próprio lema de "servir e proteger" os cidadãos, matando quem poderia e deveria ter sido tratado de forma controlada e profissional.

O debate resultante sobre o papel e as responsabilidades de aplicação da lei foi, no entanto, rapidamente substituído por algo mais em sintonia com a Agenda da elite: medo e divisão racial. Na verdade, em menos de 48 horas após os assassinatos cometidos pela polícia, e no auge do protesto nacional, um atirador negro matou 5 policiais e feriu outras 11 pessoas durante uma marcha "Black Lives Matter" (As vidas dos negros importam) em Dallas. O assassino foi mais tarde identificado como Micah Johnson, um veterano militar que "queria matar os brancos". Os poderes constituídos não poderiam ter pedido por um evento melhor para mudar a narrativa, polarizar a população, acentuar a divisão racial e justificar mais opressão policial.

Será que Micah Johnson foi um bode expiatório programado para realizar essa operação que se encaixa nos planos da Elite? É difícil dizer com certeza. No entanto, um olhar para a história do assassino fornece pistas importantes visto que sua estranha trajetória parece com a de um escravo programado.

Micah Johnson - Programada nas Forças Armadas?

Amigos e familiares relataram uma mudança drástica na 
personalidade de Micah Johnson após o serviço militar.

Johnson viveu em Mesquite, Texas, com sua mãe em uma casa suburbana de classe média. Seus amigos o descreveram como "um brincalhão de coração brando" que era envolvido em sua comunidade e trabalhava com crianças com necessidades especiais. Em 2009, Johnson se matriculou nas forças armadas.


Quando se formou, em 2009, ele se juntou ao Army Reserve servindo na 420ª Brigada baseada em Seagoville, Texas, onde ele se tornou um especialista em carpintaria e alvenaria.

Ele passou por treinamento com armas básicas, mas foi descrito por um colega recruta como um "atirador terrível".

Em novembro de 2013, Johnson foi implantado para a base aérea de Bagram, no Afeganistão. Seu trabalho teria o envolvido em obras de construção na base e não houve registro de ele estar em um papel de combate, embora houvesse fotografias dele em veículos militares.

- Telegraph, Dallas Shooting: Who was Micah Johnson? Everything we know about the attacker


Foi durante o seu período nas forças armadas que Johnson tomou um rumo para o pior. De acordo com vários conhecidos, Johnson voltou do Afeganistão um homem mudado.


"Quando ele voltou para casa em julho de 2014, amigos disseram que Johnson tinha mudado, parecendo estar esgotado e ter perdido a fé cristã incutida nele por sua mãe, que ia na igreja."


 - Ibid.



"Johnson mudou, ela disse. Ele estava mais quieto, solitário e retraído, e falava sobre os horrores da guerra. Antes de sua missão, ele era doce e tranquilo, e ajudava outras crianças na comunidade, um bairro que ela descreve como misto, onde pessoas de todas as raças e religiões vivem." 

- CBC News, Dallas sniper 'was not the same' after time in Afghanistan, next-door neighbor says


"Micah Johnson deixou de ser uma pessoa extrovertida para ser um "eremita", Delphine Johnson disse ao site The Blaze. As forças armadas não foram o que Micah pensou que seria", disse ela. "Ele ficou muito decepcionado." 

- BBC, Micah Johnson: Dallas killer changed by military experience


Johnson foi enviado para casa do serviço militar depois que ser acusado de assédio sexual por uma mulher que disse aos superiores que ele precisava de "ajuda mental". Ele pode ter se juntado aos militares como uma pessoa "doce e tranquila", mas Johnson voltou para a América com raiva e instável.

O que aconteceu durante a sua permanência no serviço militar? Poderia essa mudança drástica ser atribuída a um transtorno de estresse pós-traumático (embora ele fosse "especializado em carpintaria e alvenaria" e foi designado para tarefas de construção)?

Poderia ele ter sido submetido à programação MK-ULTRA durante sua carreira militar? É impossível saber. Uma coisa é certa: bases militares são locais privilegiados para a programação Delta - o programa de controle mental para treinar assassinos.


DELTA - É conhecida como programação "assassino" e foi originalmente desenvolvida para formação de agentes especiais ou soldados de elite (ou seja, Delta Force, Primeiro Batalhão da Terra, a Mossad, etc) em operações secretas. A ótima saída adrenal e agressão controlada é evidente. Os indivíduos são desprovidos de medo e são muito sistemáticos na realização de sua missão. Instruções de auto-destruição ou suicídio são colocadas nesse nível. 


Bases militares são isoladas, altamente seguras e contêm o equipamento necessário para treinar e programar um alter Delta. No entanto, submeter uma vítima a drogas e trauma, a fim de fragmentar a persona núcleo e criar um alter que pode ser acionado à vontade, pode levar à instabilidade mental.

Quando Johnson foi enviado para casa por "assédio sexual" (que normalmente é tratado com aconselhamento no serviço militar), ele procurou envolvimento com grupos Black Power, mas seu histórico o impediu de se juntar.

Na sequência dos tiroteios Dallas, fatos estranhos sobre Johnson vieram à tona na mídia. Em primeiro lugar, como é frequentemente o caso em operações de falsa bandeira, informações conflitantes e contraditórias foram relatadas pela notícia. Informações precoces descreveram uma "equipe de atiradores coordenados" realizando matanças de edifícios. A polícia, mais tarde, afirmou que um atirador solitário tinha realizado todos os assassinatos.


A polícia suspeitou originalmente que dois atiradores estavam presentes no ataque, mas o chefe David Brown disse que Johnson, que era um reservista do Exército, tinha estudado táticas de "atirar e fugir", onde ele iria mudar de local rapidamente após uma série de disparos.

Na sexta-feira, o prefeito de Dallas, Mike Rawlings, descreveu Johnson como "um atirador móvel" que tinha escrito manifestos sobre formas de "atirar e se mover".

– The Independent, Dallas shooter Micah Johnson wrote cryptic message in his own blood on wall before he died


Alguns observadores se perguntaram como um homem poderia ter matado tantos policiais armados, quando ataques coordenados de vários atiradores pareciam ser uma estratégia mais plausível.

Não importa qual seja o caso, após a morte de Micah Johnson, mais fatos estranhos vieram à tona sobre ele, muitos dos quais apontam para ele ser um bode expiatório.


A polícia está tentando decifrar o significado de uma mensagem enigmática deixada pelo suspeito no tiroteio de Dallas em meio a relatos de que ele estava planejando um ataque adicional em uma escala muito maior.

Durante duas horas de negociações com oficiais, ele provocou autoridades, rindo delas e em um momento ele perguntou quantos oficiais que ele tinha baleado, de acordo com o chefe de polícia da cidade.

Johnson insistiu em falar com um negociador negro e escreveu em sangue na parede de uma garagem onde a polícia o encurralou e mais tarde o matou, David Brown contou à CNN. 

– The Independent, Dallas shooter Micah Johnson wrote cryptic message in his own blood on wall before he died


Em suma, muitos fatos apontam para ele ter sido programado a fim de realizar uma ação estrategicamente cronometrada para avançar a agenda da Elite. Qual seria o ganho da Elite com um evento tão terrível? As vantagens são múltiplas.

Militarização da Polícia e Táticas de Estado Policial 

Micah Johnson foi morto por um robô policial equipado com uma bomba. Esse método sem precedentes de neutralizar uma ameaça levantou questões éticas, visto que é de fato um dos primeiros casos de a polícia matar um indivíduo usando um dispositivo robótico. Houve um evento melhor para introduzir esse novo método de abate?

Em uma escala maior, esse tipo de evento justifica a militarização da polícia como um todo, completa com equipamentos militares de qualidade e  táticas de guerrilha. À medida que mais crimes requisitarem táticas militares, a polícia vai ser justificada a usar uma resposta ao estilo militar. Os conceitos de terrorismo doméstico e da lei marcial estão se tornando parte integrante do vocabulário do poder executivo.

Os tiroteios de Dallas também justificaram uma ação mais imediata, no uso da força militar pela polícia contra os manifestantes.

A polícia Baton Rouge faz uma multidão de manifestantes
 correr e faz detenções na noite de sábado em Baton Rouge, LA.

Guerra Racial 

O efeito mais profundo dos tiroteios de Dallas está relacionado com uma agenda importante na América: a separação racial e a instigação de guerras raciais. Atualmente existem líderes em ambas as comunidades, negras e brancas, que estão trabalhando para a provocação de uma guerra racial. Coincidência ou não, uma divisão profunda e explosiva no seio da população é exatamente o que a elite está procurando. "Dividir e conquistar" é a estratégia mais antiga na cartilha de quem está no poder e continua a ser a mais eficaz. Uma população unida contra um estado policial é ruim para a Elite. Uma população dividida contra si mesma em torno de questões que não dizem respeito à Elite é ótimo para a Elite.

Conclusão

Os tiroteios de Dallas foram realizados por um homem que foi "institucionalizado" pelo sistema militar. Sua história e ações são sintomáticas de um escravo MK Delta, programado para realizar assassinatos estratégicos em nome da Elite e pagar o preço final por isso. Isso ocorreu apenas poucas quadras do local do assassinato do presidente JFK, cujo homicídio também foi atribuído a um bode expiatório que pagou o preço final.

Talvez nós nunca saibamos a história completa, mas a verdade permanece a mesma. O ataque atribuído a Micah Johnson está perfeitamente em linha com os objetivos da Elite: eles justificaram mais ação de Estado policial, enquanto, ao mesmo tempo, avançou rapidamente um componente ainda mais brutal da agenda: guerras raciais.

Fonte: VC

Veja Mais
Atentado em Boston: Tamerlan Tsarnaev alega que foi Vítima de Controle Mental
Tiroteio em Las Vegas: Foi Jerad Miller um Bode Expiatório usado para uma Agenda Futura?

8 comentários »

  • Anônimo said:  

    Em suma, parabéns Beyoncé!

  • Lua Black said:  

    Seu blog está a cada dia mais esclarecedor! Meus sinceros parabéns...

  • Samuel said:  

    é no mínimo estranho...

    eu lembro de achar confuso um cidadão com a formação dele achar que ia ajudar ou justificar matando pessoas... ainda mais tendo vivido a experiência da guerra...

    é tão óbvio que só ia acentuar as diferenças e rixas...

  • Leo Yuri said:  

    É, dá para perceber uma polarização da sociedade cada vez maior.
    Dividir para conquistar (Ordo Ab Chao), eles dizem.
    Falando nisso, teria como você avaliar o caso da Marina Joyce? Me parece que estão tentando avançar as técnicas de controle mental para o Youtube, agora...

  • Erick White said:  

    Hoje em dia o ódio só aumenta uns com os outros, racismo, homofobia, intolerância, machismo, isso irá nos dividir cada vez mais e nos distrair dos reais problemas.

  • Anônimo said:  

    Homofobia, racismo, machismo não são problemas? Fora dos crimes normais esses comportamentos são os que mais causam mortes, mulheres morrendo na mão de homens, negros morrendo e se matando por serem negros, homossexuais morrendo ou se matando por serem negros. Não existe nos, pessoas machistas e racista não fazem parte de nos.

  • Carol Matos said:  

    Erick White: "Hoje em dia o ódio só aumenta uns com os outros, racismo, homofobia, intolerância, machismo, isso irá nos dividir cada vez mais e nos distrair dos reais problemas." P-E-R-F-E-I-T-O!! Resume exatamente a minha opinião!!

  • Leave your response!

    NÃO serão aceitos comentários que:

    - Forem desagradáveis;
    - Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
    - Usarem CAPS excessivamente;

    Seus comentários poderão levar algumas horas para aparecer nesta página. Eles não serão necessariamente respondidos pelo autor.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste site.