,

Lindsey Stirling, "Shatter Me": Um Vídeo sobre Programação Monarca

sábado, 31 de maio de 2014 23 comentários

Lindsey Stirling não é o tipo de pop star comum, visto que ela é uma violinista. No entanto, ao observarmos as cenas de seu vídeo "Shatter Me", percebemos que não há muita diferença dela com outros artistas pop: Seu single mais bem sucedido fala justamente sobre controle mental monarca. Vamos olhar para o simbolismo de "Shatter Me".

"Shatter Me" é uma prova de que a Agenda Illuminati não é apenas imposta a artistas grandes, mas também a artistas que apelam para mercados específicos. Lindsey Stirling é uma violinista e dançarina que se tornou uma sensação do YouTube, com mais de quatro milhões de assinantes e 600 milhões de visualizações totais. Em 2010, ela foi uma quarto-finalista no programa America Got Talent, onde foi conhecida como a "violinista de hip- hop". Stirling está envolvida com a Igreja dos Mórmons e foi destaque em sua campanha "Eu sou um mórmon". Ela também foi convidada para atuar em outros eventos importantes organizados por essa Igreja. 

Em 2013, ela assinou com o empresário de Lady Gaga, Troy Carter, e lançou seu segundo álbum, Shatter Me, em maio de 2014. O álbum alcançou a segunda posição na Billboard 200 e atingiu o #1 em quatro categorias: Top álbum digital dos EUA, Top Álbum de Música Clássica, Top Álbum Dance/Electronic e Top Álbum Independente. 

Apesar de Stirling não ser uma artista do tipo de Lady Gaga, o simbolismo de seu vídeo "Shatter Me" explora os mesmos temas de Gaga: controle mental monarca. Na verdade, ele é um dos vídeos mais flagrantes de controle mental que apareceu recentemente, visto que bate com praticamente todo o simbolismo associado à programação. Também, além das imagens e símbolos piscando, toda a história do vídeo é, na verdade, a história de uma vítima monarca sujeita a trauma e dissociação da realidade. (Se você não tem ideia do que eu estou falando, por favor leia o artigo Controle Mental Monarca: Suas Origens e Técnicas). Vamos atentar ao vídeo. 

Shatter Me
Embora seja dito que a canção fala sobre se libertar do medo (ou algo parecido), você apenas precisa ler o título da canção para obter o seu verdadeiro significado. "Shatter Me" fala sobre uma força externa destruindo seu verdadeiro eu, quebrando-o em vários fragmentos, como um espelho quebrado. Quando colocado no contexto do controle mental monarca, o significado da música torna-se ainda mais sinistro.

O objetivo de um manipulador de programação monarca é causar trauma em um escravo (por métodos sádicos) de uma jeito tão forte que faz com que o cérebro do escravo acione um mecanismo de defesa de última instância: Dissociar-se da realidade. Essa estratégia, então, permite que o manipulador fragmente a personalidade núcleo do escravo e programe novas alter-personas dentro dela. Através de imagens e simbolismo específico, o vídeo "Shatter Me" descreve esse processo horrendo. Não há absolutamente nada de novo no imaginário usado em "Shatter Me" com o que foi usado em inúmeras outras obras com o tema de programação monarca apresentados neste site, como "Wide Awake", de Katy Perry, e o filme "Labirinto - A Magia do Tempo". 

O Vídeo 

O vídeo começa com uma imagem clássica usada para representar um escravo MK: uma bailarina na caixa de música. A imagem de uma bailarina girando muitas vezes aparece em obras com temas monarcas mencionados neste site, tais como os filmes "Cisne Negro" e "O Amigo Oculto". 

Presa dentro de um globo, representando o ambiente 
controlado de um escravo MK, Lindsey gira sobre si mesma.

Embora Lindsey esteja girando e tocando violino, a cantora Lzzy Hale está dentro do "motor" da caixa de música, para garantir que ele funciona corretamente.

Cercada de engrenagens, Lzzy garante que a bailarina gire suavemente.

A sala de engrenagem representa o interior da cabeça de Lindsey, o mundo interno do escravo MK. Lzzy representa sua persona núcleo, seu verdadeiro eu, a única com todas as suas memórias, experiências, pensamentos e emoções.

Como a maioria dos escravos MK, Lindsey tem momentos em que ela percebe o que está acontecendo com ela e tenta fugir de sua programação.

  Lindsey tenta fugir de sua programação. 

Ela tenta fugir do globo, mas acaba no chão, encontrando seu espelho quebrado.

 O símbolo do espelho quebrado aparece em quase todos os vídeos com tema 
de controle mental. Ele é frequentemente visto quando o escravo tenta escapar
 de sua programação. O espelho quebrado representa um ponto de não retorno,
 uma vez que não é mais possível para o escravo "ir através do espelho"
 de volta à realidade . 

Após a tentativa fracassada de escapar, a programação será retomada. Lindsey segura uma boneca (que não estava lá antes), o que significa que seu manipulador está programando nela sua nova alter-persona. 

  Lindsey segura uma boneca, o símbolo que representa 
a criação de uma nova personalidade feita artificialmente.

Para ter certeza de que entendemos que essa não é apenas uma boneca, mas uma nova persona, vemos Lzzy, que está dentro do cérebro de Lindsey, criando uma figura mecânica. Nós, portanto, entendemos que uma nova persona, mecânica e não humana, irá substituir a persona núcleo.

 Enquanto Lindsey está sendo programada pelo seu 
manipulador, Lzzy cria uma boneca mecânica dentro de sua cabeça. 

 O vídeo, em seguida, permite-nos saber que ele fala sobre a programação Monarca, e nada mais. 

 Enquanto a programação está em andamento, uma borboleta monarca azul
 voa acima do globo, deixando claro que todos esses recursos visuais representam 
simbolicamente o trauma, abuso e programação de um escravo MK.

 Lindsey, que está gradualmente perdendo contato com a 
realidade, vê uma pequena borboleta monarca voando por ela.

 A borboleta então se transforma em um morcego assustador, o que pode representar o seu manipulador sádico. 

  A borboleta é na verdade um morcego assustador. 

Os escravos MK são tão drogados, confundidos e manipulados que às vezes acabam vendo seus agressores de um jeito positivo. 

Então Lindsey literalmente se quebra em pedaços, representando a fragmentação de sua persona núcleo. 

  Esta cena implica que o escravo MK foi submetido a 
trauma tão intenso que sua psique se tornou fragmentada. 

 Ao mesmo tempo, Lzzy, que está dentro da cabeça de Lindsey, coloca a 
boneca mecânica que ela criou entre duas engrenagens para perturbar o seu
 funcionamento. A alter-persona criada pelo manipulador finalmente 
controla a psique de Lindsey.

O vídeo termina com uma cena que parece positiva  e "libertadora". No entanto, dado o contexto do vídeo, é realmente tudo muito perturbador. 

 No fim do vídeo, Lindsey está do lado de fora - o que significa que 
ela totalmente dissociou-se da realidade, devido a trauma intenso.

Embora Lindsey pareça estar livre, ela claramente não está. O fato de seu espelho e boneca ainda estarem lá nos diz que Lindsey está, na verdade, no mesmo lugar físico, mas sua mente está dissociada - o estado em que o manipulador pode completar a programação no escravo. 

No final do vídeo, uma borboleta monarca aparece na tela, deixando-nos saber, mais uma vez, que isso tudo era sobre a programação Monarca. Em suma, através de símbolos aparentemente poéticos, o vídeo contou a história de uma escrava MK que estava isolada e confinada. Em seguida, ela foi submetida a um trauma até que sua persona núcleo fosse completamente destruída. Uma nova alter-persona foi então criada e a escrava perdeu completamente o contato com a realidade e sua própria personalidade núcleo. Isso é muito triste e sombrio... mas o que você espera de uma canção intitulada "Shatter Me" (Despedace-me)?

Conclusão

Na clássica duplicidade estilo MK, é dito que "Shatter Me" fala sobre se libertar do medo, mas seu simbolismo comunica exatamente o oposto: o processo de submissão de um escravo de controle mental. O vídeo contém quase todo o simbolismo associado com a programação Monarca, como descrito em vários outros artigos neste site. Observando a indústria da música como um todo, é impossível não ver o padrão de símbolos recorrentes que aparecem nos vídeos tematicamente parecidos. Embora Lindsey Stirling não seja uma típica estrela pop hiper-sexualizada, seu vídeo "Shatter Me" é prova de que a Agenda visa alcançar as pessoas em todas as áreas possíveis, a fim de criar uma grande, hegemônica e inescapável cultura MK. Da mesma forma que Lindsey gira em um globo, observando as borboletas que passam, estamos cercados pelos meios de comunicação de massa, observando imagens sedutoras passando por nós, sem saber que elas são na verdade morcegos horripilantes. Cabe a nós quebrar esse mundo de engano e ver a realidade como ela é.

Fonte: VC

Leia Mais
"Controle Mental MK-ULTRA domina Hollywood", diz Atriz Americana Roseanne Barr 
 

, , ,

Michael Jackson aparece em Holograma no Billboard Music Awards... e é usado para a Agenda Illuminati

sábado, 24 de maio de 2014 23 comentários

Michael Jackson, conhecido como o Rei do Pop, tragicamente perdeu a vida em circunstâncias estranhas em junho de 2009. Cinco anos mais tarde, a sua imagem é usada para gerar dinheiro para a gravadora que ele odiava de coração.

Ironicamente, intitulado "Xscape" (Escapar), o novo álbum póstumo de Michael Jackson foi lançado pela Epic Records, uma divisão da Sony Music. Como eu disse no artigo intitulado A Indústria da Música é Controlada - Parte 5, MJ estava falando muito coisa sobre os males da indústria da música e estava, especialmente, cada vez mais revoltado com a Sony Music. No vídeo desse post, você verá o discurso que ele fez em 2002 e ainda verá que MJ não gostava do ex-presidente da Sony Music, Tommy Mottola. Ele explica como Motolla, ex-marido de Mariah Carey, agiu mais como um manipulador de escravo MK do que como marido. Ele falou isso enquanto segurava um cartaz dizendo "$ony Mata a  Música".


Voltando aos dias de hoje, a Sony possui direitos sobre a imagem de MJ e usa um holograma dele para fazê-lo cantar e dançar à vontade. Anos depois de sua morte, MJ não pode ainda "Escapar" da exploração da indústria da música. 

Um holograma de MJ apresentou no Billboard Music Awards 2014 a música "Slave to the Rhythm" (Escravo do Ritmo), um título que tristemente retrata seu destino com a indústria da música. Pior ainda, a apresentação é cheia de simbolismo da elite oculta da qual ele tentou escapar. Aqui está a "performance". 


A "performance" começa com um grupo de policiais vestidos com equipamento anti-motim. Repleto de helicópteros opressivos e holofotes, a introdução é mais um exemplo de como a indústria da música está transformando o conceito de um estado policial opressor em algo comum e na moda. Isso também nos diz que essa "performance" de MJ foi trazida a você pela elite oculta.

  MJ é introduzido por um bando de policiais vestidos com
 equipamento anti-motim - uma continuação da agenda do estado 
policial  que prevalece no mundo da música.

Depois, então, vemos o estranho clone, feito por computador, de MJ sentado no trono (de mentirinha). A estampa animal felina no trono pode se referir à programação Beta MK - provavelmente algo que ele experimentou em sua juventude.

 Então, as coisas tornam-se extremamente maçônicas. O fundo 
inteiro atrás de MJ se transforma em um quadriculado preto e 
branco - usado no chão ritualístico das lojas maçônicas.

 Na verdade, toda o palco é basicamente uma grande loja maçônica, 
com dois pilares (formado por peças de xadrez), um arco acima deles
 e quadriculados. Tudo isso é cercado de "estrelas flamejantes". 

  A loja maçônica em Andaz Hotel, em Londres. Piso 
quadriculado, pilares e uma estrela flamejante gigante no teto.

  Muitos dos símbolos encontrados nesta imagem
 maçônica são encontrados na "performance".

O clone então começa a imitar movimentos clássicos de dança de MJ, causando o mesmo sentimento estranho de como se estivéssemos observando um cadáver sendo animado com cordas de marionete.

  Alguns dos dançarinos de MJ usam gaiolas em torno de suas 
cabeças, dizendo aos espectadores que os artistas da indústria
 Illuminati são, literalmente, "escravos do ritmo".

Então, o falso MJ se senta novamente em seu trono (de mentirinha). As pessoas na plateia começam a bater palmas e aplaudir, enquanto provavelmente percebiam que não havia ser humano algum no palco para receber esses aplausos.

Alguns podem dizer que "as pessoas sentem faltam de Michael" e a performance do holograma "trouxe de volta sua magia." Talvez. Mas a realidade é que a imagem e o legado de MJ estão sendo sequestrados pela indústria que ele passou a odiar. Sua imagem agora é usada para promover a agenda Illuminati e gerar dinheiro para a Sony Music. MJ aprovaria algo disso? Talvez a imagem a seguir vai responder a pergunta.


Fonte: VC

Leia Mais
Lupe Fiasco expulso da Posse de Obama 
Katt Williams: "Nós somos contra os Illuminati" 
 

Um Significado Mais Profundo da Série "True Detective"

quarta-feira, 21 de maio de 2014 22 comentários

"True Detective" é uma série de TV sobre a investigação de assassinatos em rituais satânicos realizados por homens misteriosos. Embora a temporada tenha terminado de uma forma bastante simples e direta, a grande quantidade de símbolos e referências salpicadas ao longo dos episódios envia mensagens profundas sobre as forças que influenciam sutilmente a sociedade. Nós vamos analisar o significado profundo da primeira temporada de "True Detective".

Atenção : spoilers gigantescos à frente! 

Passando-se no sertão pantanoso de Louisiana, "True Detective" capturou a atenção dos públicos com os seus personagens interessantes e uma atmosfera obscura. Através de seus oito episódios, a série seguiu dois detetives enquanto eles descobriam uma série de assassinatos em rituais que eram dito ter sido realizados por homens ricos e poderosos. Embora, semana após semana, os fãs da série obcecaram-se por pequenos detalhes, a fim de "desvendar o caso", a série terminou de um jeito bastante simples: O assassino era um louco, caipira e sujo estereotipado que foi identificado pelos detetives alguns episódios anteriores. Não houve, portanto, nenhuma reviravolta alucinante (do tipo, um dos detetives estava por trás de tudo isso) ou conspiração chocante de alto nível. E isso deixou muitos fãs um pouco decepcionados.

No entanto, olhando para as referências, o simbolismo e o diálogo enigmático salpicado ao longo dos episódios, pode-se realmente se perguntar por que alguns aspectos da história (vida familiar de Marty Hart) foram tão amplamente desenvolvidos, visto que eles não tinham nenhuma relevância para o resultado final da investigação. Estava a série, por meio dessas histórias alternativas, tentando comunicar algo que ia além da investigação verdadeira? Algo que abrange todos nós?

Apesar da conclusão simples e direta com a história, há uma mensagem mais profunda que é comunicada em toda a série: os assassinatos em rituais não eram simplesmente o produto da mente de um solitário caipira louco - eles são o resultado de uma mentalidade profundamente arraigada, um ambiente tóxico que remonta a várias gerações e afeta todos os aspectos da sociedade. Esse conceito pode ser resumido em uma palavra: "psicosfera" - uma palavra  que o detetive Rustin Cohle usa no primeiro episódio. Através de uma variedade de símbolos e mensagens, "True Detective" nos mostra como as obsessões doentias da elite escoam através das vidas cotidianas das massas.

Vamos olhar primeiro para o enredo  da história.

O Enredo

A série começa com a descoberta do cadáver de uma jovem mulher, colocado de uma forma ritualística.

  A mulher foi encontrada nua, amarrada, com ferimentos de faca em seu
 estômago. Ela está usando uma "coroa de espinhos" e chifres na cabeça. 

 Em sua volta está tatuada uma espiral, o símbolo do grupo que realiza os assassinatos.

As autoridades rapidamente concluem que é um assassinato de ritual satânico. Rustin Cohle descreve o assassino como "meta- psicótico".

"É promulgação de fantasia, ritual, fetichização, iconografia. Esta é a sua visão. Seu corpo é um mapa de amor "parafílico" - um anexo de luxúria física para fantasias e práticas proibidas pela sociedade".

Após a autópsia, os detetives descobrem que a vítima estava drogada, amarrada, abusada, torturada com uma faca, estrangulada e nua. Em suma, ele descobre todos os sinais de um mega-ritual satânico (Satanic Ritual Abuse).

Ao redor do corpo vemos triângulos estranhos feitos de paus.

  Um reverendo diz aos detetives que estas coisas são "redes do diabo"
 e são usadas ​​"para pegar o diabo antes que ele chegasse perto demais".

O reverendo acrescenta que ele achava que essas redes do diabo eram apenas "alguma coisa para as crianças fazerem, para mantê-las ocupadas, contarem-lhes histórias enquanto elas estão amarrando gravetos". Enquanto o reverendo diz essas palavras, a câmera faz um zoom em outro conjunto de varas amarradas.

 Enquanto o reverendo fala sobre as redes do diabo serem "histórias para manter as
 crianças ocupadas", a câmera foca em uma cruz feita de duas varas amarradas - o que 
implica que a religião pode ser "histórias para crianças". Também prevê a ligação
 entre as redes satânicas e os líderes da Igreja em Louisiana. 

Rustin Cohle e a Psicosfera

Interpretado por Matthew McConaughey, Rustin Cohle qualifica-se como um realista ou, em termos filosóficos, um "pessimista". O mínimo que se pode dizer é que ele tem pouca fé na humanidade e que ele não entende as construções ao seu redor - incluindo a religião.

"Eu acho que a consciência humana é um passo trágico na evolução. Nós nos tornamos muito auto-conscientes. A natureza criou um aspecto da natureza distinto de si mesma. Somos criaturas que não deveriam existir por lei natural".

Como um "pessimista" que odeia a humanidade em geral, e um trabalho texano em Louisiana, Cohle é uma eterna pessoa diferente. Na verdade, ele tem uma tendência de ver o mundo do lado de fora, quase como se ele fosse uma figura de outro mundo. Para acentuar esse fato, Cohle parece ter um sexto sentido - na fronteira com a percepção extra-sensorial - que se manifesta ao longo da investigação. Ele tem visões, ele "lê" as pessoas em poucos segundos, e ele pode até mesmo "sentir gosto" de cores.

No primeiro episódio da série, Cohle diz a seu parceiro uma frase que resume a mensagem principal de toda a série. Ao dirigir pelas estradas de Louisiana, Cohle refere-se a um conceito obscuro que tem profunda ressonância nas esferas ocultas.

 "Tem um gosto ruim lá fora. Alumínio, cinza, como se você pudesse sentir o cheiro da psicosfera".

 Psicosfera

O termo psicosfera não é um termo comum no idioma. Origina-se a partir da literatura de ficção científica de autores como Roland C. Wagner e HP Lovecraft - o criador do "Cthulhu Mythos".

"Psicosfera" pode ser definida como "esfera da consciência humana" e toma suas raízes no conceito de "inconsciente coletivo" de Carl Jung. Ele, basicamente, afirma que todos os pensamentos que passam pelo cérebro humano são "convertidos" pelo neocórtex e projetados para fora em dimensões etéreas. Os seres humanos, portanto, vivem em uma "atmosfera de pensamentos", um conceito que também é referido como " noosfera", de Vladimir Vernadsky e Teilhard de Chardin. Segundo eles, a existência dessa psicosfera faz com que seres humanos sejam obrigados a responderem a ideias semelhantes, mitos e símbolos.

Embora referido em outros termos, o conceito de psicosfera é importante nos círculos ocultistas que realizam mega-rituais para influenciar o "inconsciente coletivo" - muitas vezes para fins nefastos.

Na década de 40, o poeta e diretor de teatro francês Antonin Artaud previu o advento de mega-rituais de ocultismo na mídia. Artaud era um adepto de várias formas de ocultismo e bem ciente dos poderes transformadores de rituais teatrais: ele criou o famoso "Teatro da Crueldade", que pretendia mudar profundamente o público. Em relação ao processamento da Mente Grupo, Artaud escreveu:

"Além da bruxaria insignificante de feiticeiros do campo, existem truques de hoodoo em que todas as consciências do mundo participam periodicamente... Isso é estranho visto que as forças são despertadas e transportadas para o cofre astral, para a cúpula escura que é composta, sobretudo, de... agressividade venenosa das mentes más da maioria das pessoas... a opressão tentacular formidável de uma espécie de magia cívica que em breve irá aparecer sem disfarces."

Pesquisadores ocultistas muitas vezes identificaram assassinatos ritualísticos como mega-rituais, feitos para chocar as massas e perturbar a "psicosfera".

"[Alguns assassinatos] são assassinatos em rituais envolvendo um grupo ocultista protegido pelo governo dos EUA e pela mídia corporativa, com fortes laços com a polícia.

Esses assassinatos são realmente cerimônias intricadas e coreografadas; realizados pela primeira vez em uma escala muito íntima e secreta, entre os próprios iniciados, a fim de programá-los, em seguida, em grande escala, amplificados incalculavelmente pela mídia eletrônica. 

No final, o que temos é uma transmissão de trabalho altamente simbólico, o ritual de milhões de pessoas, uma inversão satânica; Uma missa negra, onde os "bancos" são preenchidos por toda a nação e através do qual a humanidade é brutalizada e rebaixada neste , a fase 'Nigredo' do processo alquímico.

 - Michael A. Hoffman II, sociedades secretas e Guerra Psicológica

É esse o verdeiro assunto da série "True Detective".

Rustin Cohle, que tem uma tendência para percepção extra-sensorial, afirma que ele pode realmente "sentir o cheiro da psicosfera" e que ela tem um gosto, como alumínio e cinzas. Em outras palavras, a esfera do pensamento humano em torno da cena do crime não é nada menos do que tóxica e falha. No entanto, sendo ele próprio parte da esfera humana, Cohle não pode deixar de ser parte dela e, em algum nível, até mesmo abraçá-la.

 Nas cenas presentes do dia, Cohle bebe latas de cerveja e fuma cigarros... 
alumínio e cinzas. Enquanto que, 15 anos antes, Cohle era repugnado pelo 
gosto da psicosfera. Essa mesma psicosfera agora faz parte dele. 

O primeiro assassinato em ritual descoberto em "True Detective" foi propositadamente encenado para atrair a atenção das massas. Não só é uma manifestação física da psicosfera falha, é também uma tentativa de afetar maciçamente a psicosfera. Esses mega-rituais são propositadamente encenados para chocar e traumatizar as massas, que, em seguida, enviam coletivamente esses pensamentos à psicosfera, criando o tipo de ambiente  que a elite oculta adora.

Ao longo da série, a imagem aparece em vários lugares e através de várias pessoas: Cinco homens em torno de uma menina. Esse "pentagrama de homens" representa a elite ocultista abusando de uma criança em uma questão ritualística. Através da psicosfera, o mundo parece estar ciente disso, quase que inconscientemente.

  Os detetives encontram um vídeo de uma menina sendo abusada e sacrificada por
 cinco homens mascarados. O fato de que o ritual tenha sido gravado representa 
a propensão da elite para a criação de "material com cenas fortes".

  Ao visitar a casa de uma mulher cuja filha desapareceu 
misteriosamente, Cohle percebe um retrato emoldurado de 
uma jovem cercada por cinco homens mascarados.

  A filha de Martin Hart Audrey colocou cinco bonecos 
masculinos em torno de um boneco nu feminino. Mais tarde vere-
mos como esse personagem está sutilmente ligado aos rituais. 

  Ao contar sua história para os agentes, Rustin Cohle estranhamente transforma 
cinco latas de cerveja em cinco pessoas pequenas e as coloca em um círculo. Será 
que ele está inconscientemente dizendo aos detetives que ele nunca pegou 
os verdadeiros culpados - o pentagrama de homens?

Através de símbolos, a série nos diz que a psicosfera é perturbada por rituais da elite e que seus efeitos infiltram-se através da realidade das massas. No entanto, esses efeitos não são apenas simbólicos: eles influenciam a moral, valores e comportamentos da sociedade. Isto é representado pela evolução da família de Martin Hart.

Martin Hart e Sua Família 

Interpretado por Woody Harrelson, Martin Hart é o oposto de Rustin Cohle. Um simples olhar para os nomes dos personagens dá uma boa ideia de sua mentalidade. O nome Rustin Cohle soa em inglês como "ferrugem e carvão" - dois materiais associados à decadência e toxicidade - que representam a sua visão de mundo. Em contraste, o sobrenome de Martin Hart soa como "coração" - o órgão muscular que mantém as pessoas vivas. Longe de ser separado do mundo material como Cohle, Hart vive intensamente os ensaios e atribulações emocionais da experiência humana. Como a maioria dos seres humanos, ele também é profundamente falho. Apesar de se considerar um cristão, ele tem uma propensão para o adultério e violência.

No entanto, a evolução de sua família é o mais revelador. Embora sua família não tem nada a ver com a investigação principal, a série passa uma grande quantidade de tempo descrevendo sua evolução. Mais do que simples "desenvolvimento de caráter", a família Hart representa como os cidadãos comuns são, em última análise, afetados pela psicosfera e a depravação moral dos que os governam.

Apesar de a filha de Marty Audrey não ter conhecimento aparente ou contato com aqueles que conduzem os rituais, ela, no entanto, parece ser profundamente afetada por isso. Como visto acima, Marty encontrou a filha brincando com bonecas que parecem recriar "pentagramas de homens". Mais tarde, seus pais encontram um livro cheio de desenhos perturbadores.

  Um dos desenhos sexuais de Audrey apresentam um homem masca-
rado tocando uma mulher que tem as mãos atadas atrás das costas.


 Em outra cena, as meninas de Marty são vistas vestindo uma 
tiara com fitas - que é uma reminiscência da coroa de chifre satânica
 com fitas colocadas sobre as vítimas durante os rituais.

 A tiara acaba em uma árvore, não muito diferente das vítimas dos rituais. 

A psicosfera falha parece afetar o comportamento de Audrey e sua alma. Seu avô prediz seu futuro ao falar com Marty sobre "as crianças de hoje".

"Eu vi as crianças de hoje. Todas de preto, maquiagem em seus rostos. Tudo é sexo". 

Visto que Marty basicamente rejeitou essas palavras como sendo divagações de um velho, Audrey eventualmente cresce para se tornar exatamente o que o seu avô disse.

  Audrey vestida de preto, com maquiagem no rosto. Nessa cena, 
ela foi pega pelo seu pai fazendo sexo com dois caras em um
 caminhão. Isso fez com que Marty a chamasse de "vagabunda".

A transformação de Audrey de uma menina inocente a uma adolescente promíscua representa como a depravação e imoralidade da elite oculta acaba afetando toda a população. Enquanto ela não é vítima direta da elite oculta, ela é uma vítima indireta através do ambiente falho que ela cresce. Nós aprendemos mais tarde que, quando adulta, Audrey "às vezes se esquece de tomar suas pílulas", dando a entender que ela tem problemas mentais e que estava indiretamente traumatizada com esse contexto. Portanto, através de vários meios, a série mostra como a psicosfera é propositadamente alterada para criar uma geração que está moralmente perdida.

Agora vamos olhar para o grupo secreto que está por trás disso tudo.

A Espiral - Representando a Elite Oculta da "Vida Real"

À medida que a investigação avança, os detetives aprendem sobre um grupo de "homens ricos" sacrificando crianças. Eles também aprendem sobre a mitologia em torno dela.

"Há um lugar para o sul, onde todos esses homens ricos vão para a adoração ao diabo. Eles sacrificam crianças e outros. Mulheres e crianças, todos foram assassinados lá e em algum lugar chamado Carcosa e Yellow King. Ele disse que há tudo isso, como pedras antigas na floresta que as pessoas vão, tipo, adoração. Ele disse que há tanta matança lá em baixo. A espiral é seu sinal".

Logo descobrimos quem está por trás desses rituais: A elite de Louisiana, membros de uma linhagem antiga, a família Tuttle. Como texano, Cohle rapidamente descobre que um membro da família Tuttle é o governador e outro conduz a Igreja, portanto, englobando as esferas de poder que são a política e a religião.

  Quando os detetives descobrem que os rituais são basicamente um 
assunto de família, começam a construção da árvore de família Tuttle.

  Após os detetives pegarem o caipira enlouquecido, a câmara foca ameaçadoramente
 sobre uma árvore solitária - uma árvore que é vista várias vezes durante a série. Com 
suas raízes firmemente segurando o solo de Louisiana. Esta árvore representa 
a linhagem da família que governa a região. 

Os detetives descobrem que os Tuttle são responsáveis ​​por um grande número de crianças desaparecidas que foram abusadas ​​e mortas em um ritual de sacrifício. Como a família é extremamente poderosa, a aplicação da lei e a mídia local são completamente silenciosas. A família pratica sua própria marca de voodoo de Louisiana misturado com o clássico Abuso Ritual Satânico, tal como praticado pela elite oculta. Visto que a área de ação da família é muito local, não demorou muito para entender que os Tuttles representam a elite oculta que atualmente governa o mundo todo.

O gosto do espiral por rituais satânicos, tortura, controle mental e abuso de crianças é representante das obsessões mais obscuras da elite oculta. Até mesmo o símbolo espiral da série é realmente usado por redes de homens obscuros da vida real para divulgar secretamente suas "preferências." Aqui está um arquivo do FBI descrevendo os símbolos utilizados por "amantes de meninos".

 Arquivo real FBI descrevendo símbolos 
utilizados por redes de abuso infantil. 

  A espiral em um crânio em Carcosa. 

Em "True Detective", os rituais da espiral estão encharcados de uma mitologia específica fortemente inspirada pela literatura de ficção/horror.

A Mitologia

Em "True Detective", os sacrifícios são feitos para o "Rei Amarelo", que é basicamente uma efígie de um deus com chifres e elas estão em uma estrutura abandonada apelidada de Carcosa. A mitologia em torno da espiral empresta muito da literatura de ficção científica, notavelmente de "The King in Yellow", de Robert W. Chamber, (também conhecido como o Yellow King), que menciona uma cidade perdida chamada Carcosa.

Ao longo da costa as ondas da nuvem quebram,
Os sóis gêmeos afundam sob o lago,
As sombras alongam 
Em Carcosa. 

Estranho é a noite em que as estrelas negras sobem,
E luas estranhas circulam pelos céus
Mas mais estranho ainda é
Carcosa Perdida. 

Músicas que as Híades iriam cantar, 
Onde batem os farrapos do Rei, 
Deve morrer sem dar notícias
na escura Carcosa.

Canção da minha alma, minha voz está morta;
Morre tu, anônimo, como lágrimas não derramadas
Quer secar e morrer
em Carcosa Perdida.

O termo Carcosa também foi usado por H.P. Lovecraft em seu famoso "Cthulhu Mythos". Por que Lovecraft tantas vezes é referido na série? Seus trabalhos são muito venerados em vários círculos ocultistas e, considerando o fato de que a série é sobre assassinatos em rituais satânicos, faz sentido.

H.P. Lovecraft 

Visto que "Cthulhu Mythos" de H.P. de Lovecraft é geralmente considerado como uma obra ateia, quase satírica da ficção (sobre deuses alienígenas monstruosos), ela, no entanto, ganhou grande notoriedade com sociedades com uma visão de mundo mais metafísico. Por exemplo, o livro de Anton LaVey "Os Rituais Satânicos" inclui um capítulo intitulado "A Metafísica de Lovecraft".

Os rituais satânicos consideram Lovecraft um canal das sortes para "poderes invisíveis": "Se suas fontes de inspiração eram conscientemente reconhecidas e admitidas ou eram uma absorção notável e 'psíquica', podemos apenas especular". Os rituais consistem em evocar nomes de Cthulhu Mythos, juntamente com o inevitável "Hail Satan", em cerimônia simulada evocando a proclamação elaborada e a resposta da comunidade da Missa Católica.

- Dennis P. Quinn, Cults of an Unwitting Oracle: The (Unintended) Religious Legacy of H. P. Lovecraft

Kenneth Grant, um ocultista que foi um proeminente membro da sociedade secreta de Aleister Crowley, a Ordo Templi Orientis (OTO) escreveu extensivamente sobre a importância das obras de Lovecraft.

Para Grant, escrever em 1980, Lovecraft deveria ser elogiado por suas habilidades de "controlar a mente sonhadora que é capaz de fazer projeção em outras dimensões." É sabido que muitas vezes Lovecraft ganhou inspiração para suas histórias em seus sonhos. Para Grant, Lovecraft recebeu conhecimento arcano real em seus sonhos, que foi, em seguida, expresso através do Cthulhu Mythos. Grant tem inspirado muitos mágicos, alguns dos quais se deslocaram mais para o reino dos escritos de ficção de Lovecraft. 

 - Ibid. 

As obras de Lovecraft são, portanto, altamente consideradas pelos grupos ocultistas ou satânicos que estão fortemente empenhados em realizar rituais. Alguns símbolos associados a essas sociedades aparecem ao longo da série.

  Reggie Ledoux, um dos culpados (ele é mais um bode expiatório)
 que  realizam rituais tem uma tatuagem de Baphomet dentro de um 
pentagrama invertido - o emblema da Igreja de Satanás. 

Embora os detetives capturem e matem Reggie Ledoux, acabam descobrindo que as mortes ainda estão acontecendo. Mesmo no final da série, quando os detetives pegam Errol Childress (o caipira estereotipado louco), há indícios que implicam que ele não é o verdadeiro culpado - ele é apenas um bode expiatório.

Errol Childress - Bode Expiatório da Elite 

Ao investigar a família Tuttle, os detetives descobrem que o reverendo tem filhos de um amante. Um deles é Errol Childress, um "filho bastardo", que foi mal tratado. Na verdade, tudo indica que ele foi  vítima de um grupo satânico multi-geracional.

  Errol tem cicatrizes em seu rosto porque ele foi
 desfigurado quando criança por sua família. 

  Neste importante print vemos que o símbolo espiral foi queimado na carne
 de Errol, como se ele estivesse "marcado" por ele. Em suma, ele não é o 
chefe do clube, mas é mais uma vítima traumatizada.

 No final de um episódio, Errol estranhamente diz: "Minha família está aqui há 
um longo, longo tempo." E então começa a cortar a grama em um padrão espiral.
 Isso representa simbolicamente como tudo o que a elite oculta faz e deixa na cara - 
para aqueles que têm "olhos para ver". Ele também mostra como Errol 
está obcecado por esse símbolo e foi programado por ele.

O programa oferece várias pistas insinuando para o fato de que Errol Childress é realmente uma vítima de controle mental baseado em trauma. Primeiro, ele fala com acentos distintos - um sintoma clássico de uma pessoa com múltiplas personas. Errol alterna de forma eficaz entre um sotaque típico da Louisiana e um sotaque britânico distinto. O conteúdo da sua casa também é bastante revelador.

  A casa de Errol está cheia de bonecas (muitas das quais são
 decapitadas). Essas bonecas não são apenas perturbadoras, mas também 
são um símbolo clássico para representar múltiplas personas criadas 
através de Controle Mental.

  Na sequência da abertura do programa, o rosto de uma criança projetada
 em um telefone (o único na casa de Errol) . Os números para discagem estão 
sobre a cabeça da criança, uma maneira de retratar como vítimas 
da espiral têm a mente controlada. 

Enquanto seu pai é uma das pessoas mais ricas e mais respeitadas na Louisiana, Errol vive em um barraco imundo com uma meia-irmã igualmente imunda com quem ele copula. Em outras palavras, Errol não é claramente parte da "elite", mas um subproduto ilegítimo dela. Enquanto ele é o melhor "vilão" da série, é bastante claro que ele é simplesmente uma vítima da espiral. Até mesmo as pessoas que trabalharam para a família foram vítimas.

  Quando os detetives visitam Delores Jackson, uma ex-empregada 
que trabalhou para Tuttle, também vemos sinais de controle mental. 

Embora Delores tenha ficado doente mentalmente e geralmente não responde aos outros (como se ela estivesse traumatizada na vida dela), ela fica muito animada quando Rust mostra suas imagens de redes satânicas - como se fossem imagens de gatilho. Ela, então, começa a recitar os versos como se estivessem programados para ela.

"Você conhece Carcosa? Aquele que come tempo, é um vento de vozes invisíveis. Alegrai-vos! A morte não é o fim!"

Por isso, é bastante claro que as pessoas reais por trás da espiral nunca foram pegas na série. A série terminou da mesma maneira que histórias da vida real envolvendo a elite oculta muitas vezes acabam: Um bode expiatório de mente controlada leva o troco e morre, deixando os verdadeiros culpados intocados. Embora Errol tenha cometido crimes atrozes, ele era um produto de um sistema mais profundo.

Quando os detetives finalmente encontram e matam Errol, eles são enviados para o hospital para curar suas feridas. Lá, nós ouvimos uma reportagem de TV afirmando:

 "O Procurador Geral do Estado e o FBI têm desacreditado rumores de que o acusado era, de alguma forma, relacionado com a família de Louisiana do senador Edwin Tuttle." 

Esse pequeno pedaço de informação confirma que a Procuradoria Geral do Estado, o FBI e os meios de comunicação em geral estão "em conluio" com a espiral, pois estão usando desinformação para limpar o nome da família.

Rust, então, diz a Marty que, embora eles tenham pego Errol Childress, o seu trabalho não estava completo.

"Tuttle, os homens no vídeo... nós não os pegamos todos".

Para o qual Marty responde:

"Sim, e nós não vamos obter todos eles. Esse não é o tipo de mundo que existe, mas nós temos o nosso".

A avaliação sombria de Marty sobre "como o mundo é" basicamente significa que a elite oculta real não é pega. Ao dizer "nós temos o nosso", ele quer dizer que eles chegaram onde deveriam chegar: no bode expiatório escolhido. Essa não é uma mensagem reconfortante sobre a elite oculta, mas é a triste verdade.

Conclusão

A série "True Detective" estimulou todos os tipos de discussões e teorias sobre a identidade do assassino. No entanto, além do suspeito clássico, há uma mensagem constante comunicada ao longo de cada episódio. Trata-se de nossa sociedade, a respeito de quem governa e sobre as forças invisíveis que nos influenciam. Trata-se da psicosfera, um conceito que é obscuro para a maioria de nós, mas que é, no entanto, extremamente importante nos círculos da elite oculta. Através de mega-rituais amplificados pelos meios de comunicação de massa, a elite aparece ativamente para gerar choque, medo e desânimo na população em geral, cujos pensamentos, em seguida, projetam-se de volta para a psicosfera. Esse distúrbio faz com que a raça humana viva em um ambiente tóxico, governado por símbolos e pensamentos específicos. Além disso, como retratado por Audrey em "True Detective", uma psicosfera perturbada faz com que a sociedade se quebre, tornando-se imoral e obcecada com pensamentos sombrios. Isso é o que eles adoram.

Apesar de tudo isso, a série termina com Rustin Cohle tendo uma epifania e "vendo a luz", porque, por um momento, ele viu o "mundo espiritual", onde sua filha morta esperou por ele. Cohle percebeu que, para além deste mundo material,  que é governado por poderosas famílias sádicas, há uma outra dimensão - um eterno - onde eles não têm poder algum.

Fonte: VC

Leia Mais
'O Imaginário de Doutor Parnassus' e o Sacrifício de Heath Ledger
O Tiroteio no Cinema em 'Batman' foi um Assassinato Ritualístico Realizado por um Escravo de Mente Controlada? 
 

, ,

O Templo Satânico vai realizar 'Reconstituição' de Missa Negra Satânica na Universidade de Harvard

domingo, 11 de maio de 2014 14 comentários

  Panfleto da Missa Negra - a imagem é de Baphomet 
de pé sobre um altar rodeado por almas condenadas. 

A Universidade de Harvard - uma das instituições da elite dos Estados Unidos - vai sediar a reconstituição de uma Missa Negra satânica em 12 de maio. O evento será realizado pelo Templo Satânico cujos representantes fornecerá narração sobre os aspectos acadêmicos e históricos de uma missa satânica.

As Missas Negras são definidas como uma "cerimônia mágica e inversão, ou paródia, da missa católica, que era um espetáculo que tinha ostensivamente o propósito de zombar de Deus e adorar o diabo; um rito que foi dito envolver sacrifício humano, bem como a obscenidade e blasfêmia de proporções terríveis".


 "Em primeiro lugar, entre as manifestações do que se tinha tornado adoração ao Diabo, encontramos a Missa Negra ou a Missa do Diabo da Idade Média, a partir da qual o cerimonial e ritual de magia negra são derivados. O princípio que constitui a própria essência do Diabo, a ideia de oposição, também está por trás de todo o ritual cerimonial de Magia Negra e missas negras. Tais ideias como repetir orações invertidas, inverter a cruz, consagrar objetos obscenos ou sujos, são típicos desse sentimento de oposição ou profanação. A palavra-chave para o conjunto das práticas de magia negra é profanação". 

 - CW Olliver , Uma Análise da Magia e Bruxaria
 


"Máscaras de animais parecem ter sido uma forma popular de disfarce adotado pelos bruxos e bruxas que participam de reuniões, e esse costume é, provavelmente, responsável por muitas das histórias de licantropia. 

Entre outras ritos de bruxas obscenos e fálicos havia a Missa Negra, celebrada por um padre renegado sobre o corpo nu do adepto em cujo benefício era realizada. Ela simbolizava a perversão de todos os ritos da Igreja Católica. Velas pretas em vez de brancas, cruzes invertidas, cálices contendo o sangue de recém-nascidos sacrificados para fins ritualísticos, urina para água benta; todos estes faziam parte dos apetrechos necessários, de acordo com os historiadores, para propiciar o Príncipe das Trevas e sua comitiva de diabos menores. Além de evocações, lançamento de encantos e orgias, a adoração ao diabo implicou tais futilidades como a profanação dos pães roubados de igrejas católicas e os beijos do Grão-Mestre (diabo) na cauda ou membro viril."

 - Lady Queenborough , Occult Theocracy
 

A "encenação", apresentada na Universidade de Harvard vai, porém, ser uma versão "light" de uma Missa Negra e provavelmente será apresentada como uma "resposta teatral à opressão da Igreja". Esse é o ângulo clássico para fazer essas práticas "legais" e socialmente aceitáveis.

A missa será realizada no The Queen's Head Pub, no Memorial Hall, que está no "coração do campus da Universidade de Harvard". O Salão foi "dedicado em 1878 como um monumento para os alunos da Harvard que morreram durante a guerra civil"... lugar estranho para se realizar uma Missa Negra.

Como eu disse neste artigo, o Templo Satânico também está trabalhando arduamente para obter uma estátua do Baphomet colocada no Capitólio do estado de Oklahoma (ou qualquer outro local de bastante circulação para obter publicidade). Aqui está como será a estátua. 

 Embora o templo satânico afirme que "não acredita no sobrenatural", sua 
estátua apresenta Baphomet fazendo o sinal hermético com a mão - "assim 
em cima como embaixo". Isso ficará na frente de um pentagrama 
invertido, o símbolo da magia negra. 

 O objetivo do Templo Satânico: atrair crianças para olhar com 
respeito para Baphomet (e tudo o que ele representa), alegando 
que isso é apenas um "cutucada" no cristianismo.

Fonte: VC

Leia Mais
Miley Cyrus exibe Simbolismo Illuminati na Turnê Bangerz 

, , ,

O Plano Mestre - Parte 2 - Os Estranhos Visitantes

domingo, 4 de maio de 2014 43 comentários

"Os Estranhos Visitantes" é a segunda parte da tão aguardada série "O Plano Mestre". Devido a vários acúmulos de tarefas em minha vida pessoal, não consegui terminar a continuação mais cedo. Ainda continuo bastante atarefado, porém bem menos que anteriormente e, então, as próximas continuações não terão um intervalo tão grande. Também, lembrem-se que isso é só o comecinho da série.

Para encontrar respostas para os mistérios do mundo antigo, a segunda parte mergulha dentro de uma história frequentemente omitida pela religião: a Terra recebeu visitantes extraterrestres no começo de sua civilização? Como construções tão difíceis foram erguidas em uma época tão "pré-histórica"? Parece que existem evidências suficientes de que sim, no entanto estas dividem-se em várias vertentes interpretativas. Vamos continuar  nossa busca pelo conhecimento assistindo ao segundo vídeo da série "O Plano Mestre".


Veja a parte 1