,

A Vida Oculta da Família Kennedy: A Dinastia da Elite que foi Dizimada - Parte III

domingo, 21 de setembro de 2014 Leave a Comment

A morte de John F. Kennedy é a conspiração mais óbvia da história americana. O assassinato de seu irmão Robert F. Kennedy foi realizado por um homem que admitiu ser um escravo de mente controlada. "John John", filho muito popular de JFK morreu em um misterioso acidente de avião. Foi a "maldição Kennedy", na verdade, uma maneira de remover o Kennedys do poder? 

Esta é a terceira e última parte da série de artigos sobre os Kennedys. Sugiro que você leia antes a primeira e a segunda parte.

Como discutido na segunda parte da série, a curta presidência de John F. Kennedy estava cheia de confrontos com grupos poderosos, incluindo a Reserva Federal, a CIA, e as grandes empresas petrolíferas. Muitos das atitudes de Kennedy parece ter sido um esforço consciente para trazer o poder e a influência de volta para as mãos de um governo democraticamente eleito e fora das mãos da elite que age como um governo oculto. 

A família Kennedy, uma dinastia americana com rápido crescimento de riqueza e poder, tinha o potencial e o apoio popular para se manter no poder em Washington por um longo tempo. No entanto, uma longa lista de mortes e acontecimentos estranhos constantemente impediram o reinado dos Kennedy nos Estados Unidos. A infame "maldição Kennedy" na família real da América incluiu muitos assassinatos misteriosos e "acidentes" suspeitos, mas o mais infame de todos eles é o assassinato de JFK. 

JFK Baleado por um Bode Expiatório

John F. Kennedy foi assassinado em Dallas, Texas, às 12h30 de sexta-feira, 22 de novembro de 1963. Ele foi baleado uma vez na garganta, uma vez na parte superior das costas e uma vez na cabeça. Lee Harvey Oswald, um empregado do Texas School Book Depository de onde acredita-se que os tiros teriam vindo foi demitido, preso e acusado pelo assassinato. Oswald negou ter atirado em alguém e alegou que ele era um bode expiatório. Aqui está um pequeno vídeo dele dizendo que ele foi um bode expiatório (patsy, em inglês):
 

Após a morte de JFK, a Comissão Warren foi instalada pelo sucessor de Kennedy, Lyndon B. Johnson, para investigar o assassinato. É importante notar que Johnson tinha continuamente se oposto a muitas das principais políticas de Kennedy e que ele rapidamente reverteu muitas delas ao assumir o cargo. Além disso, uma das principais figuras da Comissão, Allen Dulles, era um chefe e ex-agente da CIA, que havia sido demitido por JFK. Em parte por estas razões, a credibilidade e as conclusões da Comissão Warren ainda são altamente contestadas hoje.

A Comissão concluiu que o assassino de JFK era Lee Harvey Oswald, um atirador solitário com problemas psicológicos, que também passou a ser um comunista.

 
É evidente, porém, que Oswald era movido por uma hostilidade primordial de seu ambiente. Ele não parece ter sido capaz de estabelecer relacionamentos significativos com outras pessoas. Ele era eternamente descontente com o mundo ao seu redor. Muito antes do assassinato, ele expressou seu ódio pela sociedade americana e atuou em protesto contra ela. A busca de Oswald para o que ele concebia ser a sociedade perfeita estava condenada desde o início. Ele buscou para si um lugar na história, um papel como o "grande homem" que seria reconhecido como tendo sido antes do seu tempo. Seu compromisso com o marxismo e o comunismo parece ter sido outro fator importante para a sua motivação. Ele também havia demonstrado capacidade para agir de forma decisiva e sem levar em conta as consequências quando tais ações iriam aumentar mais seus objetivos do momento. Fora estes e muitos outros fatores que podem ter moldado o caráter de Lee Harvey Oswald, surgiu um homem capaz de assassinar o presidente Kennedy.

 - Relatório da Comissão Warren, Capítulo 7: Perguntas Não Respondidas


O passado de Oswald é extremamente obscuro e alguns aspectos disso podem ser pura fabricação. Nos anos anteriores ao assassinato, a Comissão estabeleceu que ele ocupou vários postos de trabalho de baixa remuneração, nunca durando mais do que alguns meses. No entanto, ele conseguiu desertar dos Estados Unidos para viver na Rússia, onde ele aprendeu russo, antes de voltar para a América com uma mulher russa. De volta à América, Oswald teria abraçado a visão marxista enquanto se deslocava de um emprego para outro, e, em seguida, pegou um rifle e matou o presidente dos Estados Unidos.

Nos anos seguintes à Comissão Warren, novas informações surgiram sobre Oswald, muitas das quais apontam para ele, na verdade, sendo um agente do governo. Várias fontes revelaram que Oswald estava em contato constante com os agentes do FBI e da CIA. Foi ainda descoberto que ele operava uma organização "pró-comunista" no mesmo prédio de escritórios de agentes do governo.

Oswald também foi encontrado estando em contato com o associado de Guy Banister, David Ferrie. De acordo com Victor Marchetti, um Assistente Executivo do Diretor Adjunto da CIA, Ferrie também tinha conexões com a CIA. Menos de uma semana depois que a mídia informou que David Ferrie estava sendo investigado por suas ligações com Lee Harvey Oswald, ele foi encontrado morto em seu apartamento em circunstâncias misteriosas.

Como muitos outros bodes expiatórios controlados pela elite, Oswald foi "silenciado" antes mesmo de ser julgado. Ele foi baleado por um homem com conexões com a máfia chamado Jack Ruby (abreviação de Jacob Leon Rubenstein) em seu caminho para o tribunal.

  A imagem do lendário Lee Harvey Oswald sendo baleado por Jack Ruby.
 O evento foi transmitido ao vivo para milhões de telespectadores. 

A primeira explicação de Ruby para o assassinato foi que a morte de Oswald pouparia a "Sra. Kennedy pela derrota de voltar ao julgamento". No entanto, como o passar do tempo, a informação veio à tona insinuando que Jack Ruby era na verdade um agente contratado para "eliminar" Lee Harvey Oswald, porque o seu trabalho como um bode expiatório já tinha sido feito. O comitê "House Select", fundado em 1976 para investigar os assassinatos de ambos JFK e Martin Luther King, notou que várias brechas de segurança permitiram Ruby acessar e atirar em Oswald facilmente.

 
O comitê ficou preocupado com as portas aparentemente destrancadas ao longo do percurso da escada e a remoção de agentes de segurança da área da garagem mais próxima da escada pouco antes do tiro... Há também evidências de que o Departamento de Polícia de Dallas retirou informações relevantes da Comissão Warren a respeito da entrada de Ruby na cena da transferência de Oswald.
 

Em março de 1965, um ano depois de sua condenação, Jack Ruby realizou uma breve entrevista coletiva na qual afirmou:

 
"Tudo pertinente ao que está acontecendo nunca chegou à tona. O mundo nunca vai saber os verdadeiros fatos do que ocorreu, meus motivos. As pessoas que tinham muito a ganhar, e tinham um motivo tão grande por me colocar na posição em que estou, nunca vão deixar que os fatos verdadeiros sejam colocados em cima da mesa para o mundo."
 

Quando perguntado por um repórter: "São pessoas em posições muito altas, Jack?", Ele respondeu "Sim".

De acordo com um artigo no London Sunday Times, pouco antes de morrer, Ruby disse ao psiquiatra Werner Teuter que o assassinato foi "um ato para derrubar o governo" e que ele sabia quem tinha matado o presidente Kennedy". Eu estou condenado. Eu não quero morrer. Mas eu não sou louco. Foi uma armação para matar Oswald."

Ruby morreu de câncer de pulmão logo após essas declarações. De acordo com o Dallas Deputy Sheriff Al Maddox, Ruby tinha suspeitado que ele havia sido injetado com células cancerígenas.

 
"Ruby me disse, ele disse, 'Bem, eles me deram injeção para um resfriado." Ele disse que era células cancerígenas. Isso é o que ele me disse. Eu disse você não acredita nessa besteira. Ele disse, 'Eu realmente acredito!' [Então] um dia, quando eu comecei a sair, Ruby apertou minha mão e eu pude sentir um pedaço de papel em sua mão... [Nessa nota] ele disse que era uma conspiração e ele disse... se você manter seus olhos abertos e a boca fechada, você vai aprender muito. E essa foi a última carta que eu já recebi dele".

  - Marrs, Jim (1989). Crossfire: The Plot that Killed Kennedy
 

Embora os detalhes específicos que cercam o assassinato de JFK e as pessoas envolvidas nele, provavelmente permanecerão obscuros para sempre, por recuar e contemplar o panorama geral, as coisas podem ficar um pouco mais claras. Depois de décadas de novos dados e revelações, é bastante evidente, a partir da evidência disponível, que o assassinato de JFK foi patrocinado por figuras de alto nível usando bodes expiatórios para cometer os atos. No final, cada indivíduo envolvido com o assassinato morreu logo após os eventos.

Os verdadeiros culpados do assassinato, a elite oculta, aqueles que dirigem o país através de um governo sombrio, nunca foram sequer acusados. No entanto, vários pesquisadores demonstraram que a morte de JFK foi mais do que um assassinato político: Era um ritual oculto feito para solidificar o poder da elite oculta, traumatizar as massas e marcar uma nova era da história americana.

A Morte do Rei

Quando olhamos para o assassinato de JFK através dos olhos de sociedades secretas ocultistas - que atribuem grande importância ao ritual, simbolismo e numerologia - fatos poderosos e inegáveis ​​se destacam. De acordo com pesquisadores de ocultismo, a morte de JFK era uma reencenação extrema e em larga escala de uma das mais importantes mitologias da Maçonaria: O assassinato de Hiram Abiff.
 
  Representação de Hiram Abiff, às vezes 
amalgamado com Hiram, rei de Tiro, em seu
 caixão cercado pelos três assassinos. 

Na Maçonaria, as iniciações para o Terceiro Grau envolvem uma reconstituição do drama ritualístico do assassinato de sua figura mais importante, Hiram Abiff, por três "rufiões". Como Hiram Abiff, JFK foi baleado três vezes - uma vez na garganta, no peito e na cabeça. Durante a iniciação dos candidatos de Terceiro Grau, os maçons encenam um drama ritual onde o candidato desempenha o papel de Hiram Abiff sendo morto por três bandidos. Aqui está uma transcrição do ritual.

O tiroteio ocorreu em Dallas, no Dealey Plaza, a poucos quilômetros longe da latitude de grau 33. Esse fato geográfico é primordial no simbolismo maçônico visto que o grau 33 é o mais alto grau atingível no Rito Escocês. É provável que por esta razão que o rio mais próximo é chamado de rio Trinity.

 A visualização em 3D do Dealey Plaza. Todo o seu desenho se baseia no número 3.

Considerado o "berço de Dallas", Dealey Plaza dispõe de um obelisco (monumento maçônico) com uma tocha da iluminação no topo.

 Enquanto muitos acreditam que este obelisco foi construído em
 memória de JFK, é realmente um monumento maçônico construído em 1940. 

 A placa na parte inferior menciona que o Dealey Plaza é o local 
da primeira "Loja Fraternal" de Dallas, que é uma Loja Maçônica. 
 
O local do assassinato de JFK era, portanto, extremamente importante no simbolismo maçônico. Ele foi localizado na latitude 33, perto do Rio Trinity, no Dealey Plaza - um site adornado com um obelisco maçônico. (Fato notável: A primeira bomba nuclear explodiu exatamente sobre a latitude 33.) A localização foi chamada Trinity Site... e um obelisco maçônico agora identifica a área.

 O Obelisco do Trinity Site está localizado na latitude 33. 

É importante notar que alguns dos chefes mais importantes da Comissão Warren, que concluíram que a morte de JFK foi o resultado de um atirador solitário Oswald, eram maçons de alto nível.


Também é interessante notar que o Chefe de Justiça da Suprema Corte, Earl Warren, foi ele próprio um grau 33 da Maçonaria e era Grão-Mestre da Califórnia entre 1935 a 1936. Ele também era soberano de Aahmes Santuário e um oficial de duas Lojas do Rito Escocês em Oakland, Califórnia. Ele também foi membro do Bohemian Club, e fez vários discursos na beira do lago no Bohemian Grove, que está localizado ao norte de São Francisco, na pequena cidade arborizada de Monte Rio, na Califórnia. Sua Comissão Warren estava cheia de maçons. Gerald R. Ford, J. Edgar Hoover, e Allen Dulles eram todos maçons de grau 33 também. O próprio Abraão Zapruder foi um maçom grau 32, e depois do assassinato, ele foi elevado ao grau 33, pela sua parte no plano de assassinato. Outros maçons de alto nível diretamente envolvidos no assassinato de JFK incluíam Lyndon Baines Johnson e George Bush pai, ambos eram maçons de grau 33, assim como Bush pai pertencente a Skull and Bones, a sociedade oculta da Universidade Yale.

 - Kentroversy Papers, "Dealey Plaza: Simbolismo Maçônico Esotérico na Morte de JFK
 


A lápide de JFK é colocado ao lado da Chama Eterna -
 símbolo da elite oculta e sua tocha de iluminação. 

Destruindo o Legado

Após a morte de JFK, ainda havia membros da família Kennedy que tinham o potencial para manter a Família Real da América no poder. O primeiro foi o irmão de JFK, Robert F. Kennedy. Ele tinha o nome, a visão, a experiência, e o impulso para se tornar facilmente o presidente dos EUA. No entanto, sua ascensão ao poder foi cortada de um jeito ainda mais curto do que o seu irmão.

 Robert F. Kennedy com Martin Luther King. 

 Apesar de ter vivido na sombra de seu irmão, Robert F. Kennedy (também conhecido como Bobby ou RFK) era uma parte importante da presidência de JFK. Como o 64º Procurador Geral dos EUA, RFK foi o conselheiro mais próximo do presidente e exerceu autoridade generalizada sobre cada departamento. A Associated Press até o apelidou de "#2 Homem de Washington".

Alguns anos depois do assassinato de JFK, Bobby Kennedy entrou na corrida para se tornar o candidato presidencial do Partido Democrata. Os temas e as políticas promovidas por RFK foram não só uma continuação do trabalho de seu irmão, mas foram um passo além. RFK estava em uma plataforma de justiça racial e econômica, de não-agressão na política externa, a descentralização do poder e da melhoria social. Ele era particularmente popular entre as comunidades americanas negras e indígenas e muitas vezes falou dos "descontentes", dos pobres e dos excluídos.

Em 5 de junho de 1968, logo após vencer a primária da Califórnia, o que iria garantir a sua passagem para se tornar um candidato presidencial, RFK foi baleado três vezes por Sirhan Sirhan, um palestino de 24 anos de idade.

 Foto de Sirhan Sirhan 

Lawrence Teeter, advogado do assassino condenado Sirhan Sirhan, afirmou que Sirhan estava sob a influência da hipnose quando ele disparou sua arma contra Robert F. Kennedy em 1968. Teeter ainda mencionou que Sirhan era um produto do programa MKULTRA da CIA e que as técnicas de controle mental foram utilizadas para controlar Sirhan. O advogado de Sirhan Sirhan ainda acrescentou que ele tinha sido hipno-programado para ser uma diversão para o verdadeiro assassino e que Sirhan seria facilmente responsabilizado pelo assassinato, porque ele é um árabe. De acordo com documentos do tribunal:


 Sirhan "foi um participante involuntário nos crimes que foram cometidos porque ele foi submetido a técnicas de programação e implantação de memória sofisticadas que o tornava incapaz de controlar conscientemente seus pensamentos e ações no momento em que os crimes estavam sendo cometidos."
 

Sirhan, agora com 67 anos de idade, ainda está atrás das grades e continua sendo um dos bodes expiatórios MK mais óbvios utilizados pela elite oculta para cumprir a sua agenda.

John F. Kennedy, Jr.

 A saudação de John F. Kennedy Jr. ao seu falecido pai é uma imagem
 icônica que permanecerá para sempre gravada na história americana.

Os americanos se apaixonaram por John F. Kennedy Jr. (também conhecido como John-John), quando ele era ainda um bebê fotografado brincando sob a escrivaninha de seu pai. Quando virou um homem adulto, John-John se tornou uma celebridade de pleno direito, com o tipo de popularidade que só era rivalizada pela família real britânica. Em um curto período de tempo, ele reacendeu a Kennedy-mania da década de 60.

Durante os anos 80 e 90, John-John era 
uma celebridade e símbolo sexual americano.

Ambicioso, bem-falado, bonito e confortável com os holofotes, John-John foi identificado por muitos como o homem que iria trazer os Kennedys de volta para a Casa Branca. Várias vezes, Kennedy foi questionado publicamente se ele estava interessado em seguir os passos de seu pai e escolher a política como uma carreira; ele respondeu que estava se recusando a fazê-lo no momento, mas não descartaria no futuro. Em 1999, Kennedy foi visto como um vanguarda para o assento do Senado de Nova York desocupado por Daniel Patrick Moynihan, senador antigo do estado.

Logo após esta descoberta política, John-John morreu em um pequeno acidente de avião, junto com sua esposa. Muitos observadores afirmaram que os acontecimentos que envolveram o acidente eram suspeitos e que havia indícios de um encobrimento.

Com sua morte trágica, o que surpreendeu e traumatizou as massas mais uma vez, as esperanças para uma segunda geração Kennedy de presidente evaporaram.

A Maldição Kennedy

Abaixo está uma lista dos principais eventos considerados parte da "Maldição Kennedy". Embora seja improvável que cada um desses eventos tenha sido o resultado de uma conspiração contra a família, é difícil ignorar o forte padrão de sincronicidade, ou "coincidências significativas", associadas com os Kennedys.


1941 - Rosemary Kennedy se pensava ser uma retardada mental. No entanto, algumas fontes afirmam que sofria de uma doença mental, como depressão. Devido ao seu clima crescente de violência e mudanças de humor, Joe Kennedy secretamente organizou que a submetessem a uma lobotomia. A cirurgia complicou suas habilidades cognitivas e, como conseqüência, permaneceu internada em um hospital psiquiátrico até sua morte em 2005.

12 de agosto de 1944 - Joseph P. Kennedy, Jr. morreu na explosão de um avião no nordeste da Inglaterra em uma missão enquanto pilotava na Segunda Guerra Mundial.

13 de maio de 1948 - Kathleen Kennedy Cavendish morreu em um acidente de avião na França com o seu amante Peter Wentworth-Fitzwilliam, 8 ° Conde Fitzwilliam.

 23 de agosto de 1956 - Jacqueline Kennedy deu à luz uma filha nascida morta.6 (Apesar de não colocarem-lhe um nome, a enterraram no Cemitério Nacional de Arlington com seus pais com uma legenda que dizia "Filha", mais tarde, os relatórios indicam que os Kennedys tinha intenção de chamá-la de Arabella.)

 9 de agosto de 1963 - Patrick Bouvier Kennedy, nascido em seis semanas prematuro, morreu dois dias após seu nascimento.

 22 de novembro de 1963 - O presidente John F. Kennedy foi assassinado em Dallas, Texas.

19 de junho de 1964 - O senador dos EUA por Massachusetts Edward "Ted" Kennedy envolveu-se em um acidente de avião que matou um de seus assessores e o piloto. Ele foi retirado dos destroços pelo senador Birch E. Bayh II (D-Ind.) e passou semanas no hospital se recuperando da parte traseira quebrada, um pulmão perfurado, costelas quebradas e hemorragia interna.

 6 de junho de 1968 - Robert F. Kennedy é assassinado por Sirhan Sirhan em Los Angeles no dia em que venceu a primária democrata da Califórnia na corrida presidencial.

18 de julho de 1969 - No acidente Chappaquiddick, um carro dirigido por Ted Kennedy cai de uma ponte em Martha's Vineyard, afogando a passageira Mary Jo Kopechne, sua secretária. Na sua declaração televisionada em 25 de julho, Kennedy disse que na noite do acidente se perguntava que "se uma maldição real se mantinha sobre todos os Kennedys."

13 de agosto de 1973 - Joseph P. Kennedy II é o motorista em um acidente de carro deixou um passageiro, Pam Kelley, permanentemente paralisado.

17 de novembro de 1973 - Edward "Ted" Kennedy, Jr. perdeu parte da perna esquerda devido ao câncer de osso na idade de 12 anos.

25 de abril de 1984 - David Kennedy, morreu de uma overdose de Demerol e cocaína no seu quarto em um hotel em Palm Beach, Flórida.

1991 - William Kennedy Smith foi julgado por estupro e é absolvido de todas as acusações.

13 de dezembro de 1997 - Michael Kennedy morreu em um acidente de esqui em Aspen, Colorado.

16 de julho de 1999 - John F. Kennedy, Jr., sua esposa e sua cunhada morreram no avião Piper Saratoga pilotado por Kennedy que caiu no Oceano Atlântico a caminho de Martha's Vineyard.

16 de setembro de 2011 - Kara Anne Kennedy morreu de ataque cardíaco enquanto praticava exercícios em um clube de Washington DC. Maio de 2012 - A segunda mulher de Robert Kennedy Jr., Mary, de 52 anos, suicidou-se por enforcamento na sua casa de Bedford, no estado norte-americano de Nova Iorque.

 Fonte: Wikipedia
 

Conclusão

Esta série sobre os Kennedys traçou a ascensão da dinastia ao poder, a sua orientação política, sua imensa popularidade, e sua queda violenta. Revisitar a ascensão e queda dessa poderosa família também revela muitas características chaves da elite oculta, seu modus operandi, e a extensão de seu poder. Ao aprender a verdade sobre os Kennedys, podemos ver como a elite oculta usa bodes expiatórios e assassinos controlados mentalmente para levar a cabo assassinatos, controla e influencia policiais, políticas e comissões federais e manipula a mídia para confundir as massas. E podemos ver como a elite oculta continua a operar nas sombras, como eles tem feito por séculos.

Por que a elite oculta destruiu a família Kennedy? Eram eles pessoas de fora no círculo fechado de linhagens de elite? Era a sua ascensão ao poder um acidente que não deveria ter acontecido? Será que os Kennedys se voltariam contra os "mestres dos fantoches" e tentariam trazer o seu próprio estilo de governar?

Seja qual for o caso, o verdadeiro antagonismo entre a família Kennedy e aqueles que a dizimaram está acontecendo em um nível superior. Apesar de suas falhas, havia algo sobre os Kennedys que trouxe luz, esperança e calor para as massas. Nesse sentido, eles representavam o oposto exato da elite oculta que desenvolve escuridão, o desespero e a crueldade. Por esta razão, os Kennedys - junto com tantos outros que trouxeram luz e esperança para as massas - foram mortos. Hoje, tudo o que resta da dinastia Kennedy é a Chama Eterna do túmulo de JFK, uma fonte de luz que realmente representa as trevas dos que estão no poder.

Fonte: VC

Veja Mais
A Vida Oculta da Família Kennedy: A Dinastia da Elite que foi Dizimada - Parte I
A Vida Oculta da Família Kennedy: A Dinastia da Elite que foi Dizimada - Parte II
 

3 comentários »

  • Priscila García said:  

    Li todos os posts. Mas não entendi como que eles chegaram ao poder sem a ajuda da Elite, porque se eles são com um "acidente" na política que não deveria ter existido, então como eles chegaram ao pode?

  • acsa said:  

    Priscila Garcia, eles chegaram ao poder com a ajuda da elite, mas o fato de se voltarem contra grupos poderosos (incluindo a Reserva Federal, a CIA, e as grandes empresas petrolíferas), o fato de querer trazer o seu próprio estilo de governar e o fato de serem voltados para as massas contribuiram para que fossem derrubados pela elite.

  • Anônimo said:  

    algum tipo de maldição grave!!!!!!!!!!!!

  • Leave your response!

    NÃO serão aceitos comentários que:

    - Forem desagradáveis;
    - Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
    - Usarem CAPS excessivamente;

    Seus comentários poderão levar algumas horas para aparecer nesta página. Eles não serão necessariamente respondidos pelo autor.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste site.