, ,

A Vida Oculta da Família Kennedy: A Dinastia da Elite que foi Dizimada - Parte I

domingo, 3 de agosto de 2014 Leave a Comment

Os Kennedys foram considerados, em um ponto, a família real dos Estados Unidos - uma poderosa dinastia que também era amada e admirada pelo público. No entanto, a incompreensível "maldição Kennedy" atingiu a família até o núcleo, quando vários membros perderam suas vidas em uma idade jovem e em circunstâncias estranhas. Esta série de artigos irá expor fatos menos conhecidos sobre os Kennedys e explicar como o destino da família está relacionado com o governo sombrio que governa os Estados Unidos.

O assassinato de John F. Kennedy em 22 de novembro de 1963 será sempre um dos dias mais trágicos da história americana. Ele pode ser apontado como o dia em que o público americano "perdeu sua inocência" e obteve um vislumbre do governo sombrio e mórbido que trabalha nos bastidores. Em 2000, mais de 81% dos americanos acreditava que o assassinato de JFK havia sido planejado por mais do que apenas um atirador, tornando-se uma das teorias da conspiração mais aceitas da história dos EUA. No entanto, com o passar dos anos, inúmeras teorias e hipóteses sobre o assassinato de JFK continuam aparecendo na forma de "livros reveladores" ou "documentários chocantes", contrariando teorias anteriores e turvando as águas da verdade em vez de esclarecê-las. Pode-se perguntar se algumas dessas "revelações" são na verdade tentativas de desinformação a fim de evitar que a verdade algum dia emerja.

Mas para entender os Kennedys e o que os levou ao poder, é preciso ir mais além do que a presidência de JFK e seu assassinato. Temos de olhar para aqueles que os precederam, especialmente seu pai, Joseph Patrick Kennedy Sr., que ganhou uma incrível quantidade de riqueza e tornou-se íntimo das famílias mais poderosas do mundo. Enquanto essas conexões, em última instância, levaram a família para a Casa Branca, os Kennedys não permaneceram no poder por muito tempo. A mesma "mão invisível" que os levaram ao topo aparentemente tentou erradicá-los completamente. Foi a maldição na verdade uma série de esforços com o objetivo de remover os Kennedys do poder? Estudar a história dos Kennedys é, essencialmente, estudar o funcionamento interno da elite oculta. Vamos primeiro olhar para as origens da dinastia Kennedy. 

Joseph P. Kennedy Sr.: O Magnata que Começou Tudo 

  Joseph Kennedy Sr. era uma figura poderosa no mundo dos 
negócios e na política. Ele também estava conectado com as 
linhagens mais importantes do mundo.

Joseph Patrick Kennedy Sr. era o homem que orquestrou a ascensão da família ao poder. Ele era uma figura importante do Partido Democrata e da comunidade católica irlandesa da América. Ele também era um empresário de sucesso, visto que ele fez fortuna comprando e unindo vários estúdios de cinema de Hollywood e importando e distribuindo bebidas alcoólicas nos Estados Unidos mesmo após a Lei Seca. Houve, no entanto, os rumores persistentes alegando que Joe estava trabalhando com o crime organizado e com álcool pirata durante a proibição. Pouco antes de sua morte, uma figura da máfia, Frank Costello, famosamente declarou: "Eu ajudei Joe Kennedy a ficar rico."

Durante sua carreira política, Kennedy se tornou um conselheiro próximo do presidente Franklin D. Roosevelt e foi apontado como o presidente inaugural da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA. Em 1938, ele foi nomeado Embaixador dos EUA no Reino Unido, uma posição de prestígio, onde formou laços com a nobreza britânica e testemunhou os primeiros estágios da Segunda Guerra Mundial. 

Laços com a Elite

Nascido em uma família de políticos de destaque de East Boston, Joseph Kennedy se casou com Rose Elizabeth Fitzgerald em 1914, a filha mais velha do prefeito de Boston, John Francis Fitzgerald. Assim como é visto frequentemente em linhagens da elite, o casamento uniu as duas famílias políticas mais importantes da cidade. No entanto, na medida em que a riqueza e o poder de Kennedy cresceram, sua influência passou a ir muito além da cidade de Boston e formar laços com a elite do poder no mundo. 

Compreender os laços e relações de Joe Kennedy é igual a compreensão da elite oculta e a forma como ela funciona. Ele lidou com pessoas que faziam parte das "linhagens Illuminati" (conforme definido por Fritz Springmeier), tais como os Rothschilds, os Astor e os Sassoons. Ele estava próximo do magnata da imprensa e Illuminatus de alto nível, William Randolph Hearst, que mais tarde ajudou a lançar a carreira de JFK.

Durante a carreira política de Kennedy Sr., ele aconselhou FDR, que era um maçom de grau 33 e o primeiro Honorário Grão-Mestre da Ordem DeMolay. FDR, que também foi aconselhado pelos ocultistas notáveis ​​Manly P. Hall e Nicholas Roerich, ordenou a colocação do selo dos Estados Unidos (o símbolo dos Illuminati da pirâmide com olho que tudo vê) na nota do dólar. 

Joe Kennedy Sr. também era parte de várias ordens da elite, como os Cavaleiros de Malta e a Sociedade Pilgrim, um grupo altamente secreto que tinha dentro de seus membros os Rockefellers, os Vanderbilt, JP Morgan, britânicos da realeza, vários chefes da sociedade Skull and Bones, os maçons, Cavaleiros Templários, presidentes do Banco de Reserva Federal, e executivos de grandes empresas e meios de comunicação de massa. Na verdade, a Sociedade Pilgrim é provavelmente o "grupo da elite" mais influente em existência (veja a lista de membros aqui). 

  No topo da London Bush House, esta a estátua
 construída pela Sociedade Pilgrim representando a Amé-
rica e a Inglaterra segurando a tocha da Iluminação. 

Como resultado de seu embaixador na Grã-Bretanha, Kennedy Sr. desenvolveu boas relações com a realeza britânica, onde foi muitas vezes recebido com grandes honras. Em 1944, a filha de Joe Kennedy Kathleen se casou com William Cavendish, o Duque de Devonshire (uma posição de muito prestígio dentro da Nobreza britânica). O duque de Devonshire era Grão-Mestre da Grande Loja Unida da Inglaterra, o órgão que governa a maioria dos maçons na Inglaterra, País de Gales, os Estados Unidos e colônias britânicas. Após a morte prematura de sua filha, Joseph Kennedy afirmou:


 Se Kathleen e seu marido estivessem vivos, eu seria o pai da Duquesa de Devonshire (primeira dama da Rainha) e o sogro do cabeça de todos os maçons do mundo.

 - David E. Koskoff, Joseph P. Kennedy: A Life and Times
 

Joseph Kennedy esteve, portanto, extremamente bem relacionado com a elite oculta e as linhagens Illuminati dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. Embora ele tinha tido esperanças de se tornar um candidato presidencial, a sua janela de oportunidades fechou quando, enfrentando a ameaça de invasão nazista, ele afirmou que "a democracia na Grã-Bretanha está consumada", e acrescentou que a "batalha pela Grã-Bretanha não é sobre democracia, é tudo bobagem". A portas fechadas, Kennedy também foi pego simpatizando-se com Hitler e o movimento nazista. Ele também foi citado professando várias declarações antissemitas em discussões com os Astors. Percebendo que o clamor que ele causou iria proibi-lo de se tornar presidente, Kennedy Sr. passou para os bastidores e começou a focar  em "colocar" seus filhos em posições de poder. Ele teve a riqueza e, mais importante, a conexão necessária com a elite para tornar os seus planos realidade. 

Altas Expectativas Para as Filhos

Enquanto a maioria das fotos da família Kennedys dá a impressão de que eles eram uma grande e feliz família americana, a verdade é muito menos do que essa imagem perfeita. O grande número de biografias que documentam os nove filhos de Kennedy, muitas vezes, conta sobre as infâncias "sem amor", a grande distância entre os membros da família e as incontáveis​​ tragédias devastadoras. Joseph Kennedy Sr. foi muitas vezes descrito como um pai rigoroso e com expectativas gigantescas para seus filhos. Infelizmente, sua filha Rosemary Kennedy não fez jus a essas expectativas. 

A Kennedy lobotomizada

  Rosemary Kennedy com seu pai Joe Kennedy Sr. ...antes da lobotomia.

Rose Marie "Rosemary" Kennedy, a terceira da família, era descrita como "mentalmente retardada, errática e propensa a mudanças de humor". Joe Kennedy foi dito pelos médicos que uma lobotomia pré-frontal poderia "curar" a sua condição, que poderia ser, por outro lado, embaraçosa para a família. Aos 23 anos, Rosemary foi forçada a se submeter ao procedimento experimental. Aqui está um relato do procedimento realizado em Rosemary. 


"Fomos através do topo da cabeça, acho que ela estava acordada. Ela tinha um calmante suave. Fiz uma incisão cirúrgica no cérebro através do crânio. Era perto da frente. Foi em ambos os lados. Nós só fizemos uma pequena incisão, não mais do que um centímetro." O instrumento utilizado por Dr. Watts parecia uma faca de manteiga. Ele balançou para cima e para baixo para cortar o tecido cerebral. "Nós colocamos um instrumento dentro", disse ele. Enquanto Dr. Watts cortava, Dr. Freeman fazia perguntas para Rosemary. Por exemplo, ele pediu-lhe para recitar a oração do Pai Nosso ou cantar "God Bless America" ou contar de trás para frente... "Fizemos uma estimativa de quão fundo deveríamos cortar com base naquilo que ela respondia." ...Quando ela começou a ficar incoerente, eles pararam.

 - Ronald Kessler, The Sins of the Father: Joseph P. Kennedy and The Dynasty He Founded
 

O procedimento deu terrivelmente errado. Ele deixou Rosemary Kennedy com a capacidade mental de uma criança de dois anos de idade. Isso a impediu de andar ou falar de forma inteligível e foi considerada incontinente. Ela foi colocada em uma instituição onde foi cuidada até morrer em 2005. 

Joseph Kennedy nunca mencionou a lobotomia ao público e explicou a ausência de sua filha de eventos familiares como se ela fosse "reclusa". Ele nunca visitou Rosemary após a lobotomia e seu nome "nunca foi mencionado" na casa dos Kennedy. 

Almejando a Casa Branca 
 
 Joe Kennedy Sr., com seus dois filhos, John F. Kennedy (à esquerda) e 
Joseph P. Kennedy Jr. (à direita). Ambos perderam a vida em uma idade jovem.

Joe Kennedy Sr. sabia que ele tinha a riqueza, a influência e as conexões para chegar à Casa Branca, mas depois de sua "simpatia" para com os nazistas destruir sua carreira política, ele foi para os bastidores e procurou orquestrar as carreiras políticas de seus filhos.

Kennedy Sr. originalmente colocou suas esperanças presidenciais em Joseph Patrick Kennedy Jr., o filho mais velho da família. No entanto, Kennedy Jr. morreu na tenra idade de 29 anos em uma explosão de avião durante a Segunda Guerra Mundial. Seu corpo nunca foi recuperado (quatro anos mais tarde, sua irmã Kathleen - a esposa do duque de Devonshire - também perderia a vida em um acidente de avião aos 28 anos). 

Após a trágica morte, Joseph Sr. não desistiu da Casa Branca. Ele se concentrou sobre a carreira política de seu segundo filho, John Fitzgerald Kennedy, que todo o mundo acabaria conhecendo como JFK. 

Alegar que Joseph Kennedy Sr. foi o cérebro por trás da subida de JFK à Presidência está longe de ser um exagero.


Ele desempenhou um papel central na estratégia de planejamento, captação de recursos, e construiu coalizões e alianças. Kennedy supervisionou gastos e até certo ponto, a estratégia geral da campanha, ajudou a selecionar agências de publicidade, e ficava sem parar ao telefone com os líderes locais e estaduais do partido, jornalistas e líderes empresariais. Ele tinha encontrado milhares de pessoas poderosas em sua carreira, e muitas vezes os visitava para ajudar seus filhos.

 - Kesser, op. Cit.
 

JFK também teve o apoio de famílias de linhagem da elite e o apoio incondicional do jornal do magnata William Randolph Hearst (um Illuminatus de alto nível) que usou seu império da mídia para empurrar JFK ao poder.


JFK foi preparado desde cedo para tomar um alto cargo para a Irmandade e ele foi apoiado por todos os nomes clássicos como os Rothschilds, Tafts, Russell, Rockefellers, e os barões da mídia como Henry Luce, o chefe da Time-Life, e Randolph Hearst, o mais poderoso magnata da imprensa nos Estados Unidos. Quando Kennedy concorreu a um cargo político, o jornal Boston American, de propriedade da Hearst, se recusou a aceitar os anúncios pagos de seu adversário.

- David Icke, O Maior Segredo
 

Em 1961, JFK foi eleito presidente dos Estados Unidos por uma margem muito pequena. Jovem, carismático e fotogênico, Kennedy era o cara perfeito para puxar uma presidência apoiada pela elite oculta. No entanto, logo após assumir o cargo, JFK rapidamente compreendeu que a sua posição era algo como a de um "fantoche glorificado". Embora seus 23 meses na Casa Branca sejam  frequentemente associados com a guerra do Vietnã e o movimento pelos direitos civis, JFK tomou medidas que foram menos divulgadas, mas que poderia, no entanto, abalar com duas instituições extremamente poderosas nos Estados Unidos: a Reserva Federal e a Agência Central de Inteligência. Mais sobre isso na próxima parte da série.

Conclusão da Parte I 

Embora JFK seja geralmente o rosto associado aos Kennedys, foi o seu pai, Joseph Kennedy Sr., que projetou a ascensão da dinastia. Seus laços com linhagens da elite, com os magnatas dos negócios, políticos, sociedades secretas e grupos da elite fizeram dele um "bom e velho menino" típico da elite oculta. Depois de perder dois filhos em acidentes de avião e ver o terceiro se tornar deficiente para a vida toda, Joseph então orquestrou a eleição de JFK como o presidente dos Estados Unidos.

Como veremos no próximo artigo, JFK tomou posições que eram impopulares entre aqueles que o colocaram no poder. Ele também era católico, uma característica que fez ele e sua família parecerem distintos do ramo da elite oculta "anglo-saxão". Uma coisa é certa: as pessoas poderosas colocaram JFK ao poder e, depois de um tempo, eles queriam JFK, sua família e seus descendentes removidos desse poder.

Fonte: VC

Veja Mais
Quem são os Illuminati - Parte 5 - A Morte de John Kennedy 

 

11 comentários »

  • elnice said:  

    Esse Joseph kennedy sr. era um psicopata e estragou com a família dele por causa do poder...

  • pierrot said:  

    Excelente matéria.
    Assim como muitos governos do mundo, esse não seria diferente...

  • Carol Matos said:  

    Excelente matéria 2. Aguardando ansiosamente pelas próximas partes.
    Abçs

  • E said:  

    Carente de informações com bases cientificas. Como toda boa teoria tem os vilões mas falta algo para que não sejam mais teorias: "as provas". Anexar textos de outros livros que remetem sobre a mesma carência, pouco convence. Eu sei que vc Daznizudo homem ou mulher ou até mesmo um grupo que seja, tem seus ávidos leitores mas que critério eles possuem para agregar em algo construtivo nos comentários ? Eles apenas são uma massa manipulável por um texto bem escrito. No fundo a atenção que eles dão para o seu blogspot é a motivação para vc trazer mais e mais teorias, que carecem de informação e definham de criticidade, eles se tornaram o que vc mais odeia: "ovelhas manipuláveis do pastor'' Talvez a minha opinião não seja bem vinda, ou talvez até vc seje um fanático religioso que pouco daria ouvidos a mim. Mas ao menos eu reluto contra "os fatos'' mostrados, e o direito de acreditar vai alem do que uma simples boa leitura, com um texto bem editado. Novamente os fatos se mostram simplistas demais para uma teoria tão complexa de dominação global, um mero triangulo ou um simples olho em um clip de artistas pop que imploram por audiencia é insuficiente. Além de que o estudo sobre a Constituição Federal, Estado, Sociologia e Filosofia e completando Direito Civil e Direito Penal acaba com as duvidas que o mundo tem problemas de mais desde seus primordios.e que a ''coisa'' não vai mudar, não tão breve. E mostra a complexidade de simplismente ser um magnata ou um artista corrompido que tem talento ou um familia que tem sobrenome pra "governar o mundo''.

  • Gabriel Previato said:  

    E, esse texto nem foi escrito pelo Danizudo, ele apenas traduziu de um site chamado vigilante citizen (cujo lema inclusive é que não são nem palavras nem leis que comandam o mundo, mas os símbolos), seria melhor vc questionar sobre este texto específico lá. E, bem, os símbolos não são apenas um olho e um triângulo, tem muitas coisas mais. Pesquise.

  • Jucilei Borges said:  

    Acho engraçado, porque todas essas informações estão tão estampadas em nossa sociedade e mesmo assim muitos ficam indiferentes e preferem seguir suas vidas em mentiras, do que viver na verdade, o único jeito das pessoas viverem em intenso perigo é sofrendo lavagem cerebral . ( Jesus, ao mesmo tempo que dizem não existir, o imitam e tentam a todo custo tira lo de nossas cabeças! )

  • Anônimo said:  

    Engraçado... Passei e passei pelo blog e só vejo conspirações ocidentais, israelenses, britânicas, psdb.... Que seu deus Karl Marx te leve pra junto dele, e pare de ficar tapeando crentes.

  • Minha Nada Mole Vida said:  

    texto muito esclarecedor,muitas informaçoes,anciosa para saber mas

  • tailor romario richard said:  

    eu convido os kennedy a ser da sociedade teosofica a sexta

  • Anônimo said:  

    os kennedys sempre foram ums lixos.

  • Leave your response!

    NÃO serão aceitos comentários que:

    - Forem desagradáveis;
    - Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
    - Usarem CAPS excessivamente;

    Seus comentários poderão levar algumas horas para aparecer nesta página. Eles não serão necessariamente respondidos pelo autor.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste site.