,

Imagens Simbólicas (julho/12)

domingo, 29 de julho de 2012 35 comentários

Uma série de imagens perturbadoras, incluindo uma cena em que William e Kate são enterrados vivos, foram publicadas para promover um jornal chileno. Os anúncios macabros para o "El Mostrador" mostram uma seleção de figuras famosas cavando covas rasas para enterrar outras figuras famosas. Em uma imagem, a cantora falecida Amy Winehouse é vista segurando uma pá, depois de ter cavado um túmulo em que William e Kate estão sendo enterrados por ela. Será que essas imagens têm ou terão algum teor "profético"?

Em outra imagem chocante, o ditador líbio coronel Kadhafi é visto
 enterrando o presidente egípcio Hosni Mubarak no deserto.

Steve Jobs, que morreu de câncer em 2011, é destaque ao enterrar o fundador da
Wikileaks, Julian Assange, no que parece ser o rescaldo de uma guerra nuclear.

Camiseta de ator brasileiro: repleto de simbolismo maçônico.

Nova tatuagem de Chris Brown parece ser a representação de seus chefes.

A cantora britânica Rita Ora também foi descoberta em um desses shows e agora assinou com 
a Roc Nation de Jay-Z. Nesta foto, ela está usando um olho com um triângulo como a pupila. 
Logo abaixo do colar, sua camisa diz "Fizeram-me". Será que a indústria Illuminati 
a fez? Sim, certamente a fizeram.

 Capa de seu CD, escondendo um olho.

Enquanto isso, Rihanna continua divulgando seu disco com mais simbolismo. Nesta
apresentação no SNL, um olho gigante dentro de um triângulo aparece atrás.

Nicki Minaj é mais uma fazendo alusão a Marilyn Monroe.

Madonna aponta arma para sua própria cabeça na turnê MDNA - 
uma ótima maneira de promover paz, não é mesmo?

Capa do disco da banda 30H!3

Kalima, um outra marca de skates com o simbolismo Illuminati.


Print do cartoon "Hey Arnold" - Controle Mental Illuminati.

Print do vídeo XOXOXO de Back Eyed Peas - olho atrás.

Sandman é uma revista de história em quadrinhos, criada por
Neil Gaiman - repare o triângulo com um olho nesta capa.

Grafiteiro Nychos, de Vienna. Pergunto-me de onde ele tirou inspiração para este grafite.

Agradecemos aos seguidores do blog e a todos que contribuíram com essas imagens.
Continue nos enviando e não se esqueçam de colocar as fontes e hospedar os links.


Leia Mais:

Resposta a Felipe Neto: ILLUMINATIS E PACTO COM O DIABO

terça-feira, 24 de julho de 2012 115 comentários

Você que acompanha nosso trabalho a bastante tempo, conhece a seriedade com a qual tratamos os assuntos relacionados à Nova Ordem Mundial, nosso objetivo e nossos embasamentos. Durante quase três anos, apresentamos informações alternativas àquelas que a mídia utiliza para representar os fatos, procurando encontrar a melhor maneira de expor nossos argumentos. Em seu último vídeo, o vlogueiro Felipe Neto tratou desse assunto fazendo uso de uma falácia que dentro da retórica tem o nome de "apelo ao ridículo". Esse tipo de falácia é frequentemente utilizada por argumentadores que querem derrubar alguma ideia por meio de humor, deboches e chacotas, sem provar, evidenciar ou embasar seu ponto com alguma bibliografia. Falácia é um argumento lógico inconsistente que visa persuadir os outros por meio de emoção, psicologia etc., exceto por meio de evidências. Quando um argumentador comete uma falácia, isso não invalida todo seu argumento, o problema é quando ele apenas utiliza falácias e não apresenta nenhum embasamento para sustentar seu pensamento. Não é do nosso feitio discutir opiniões, apenas apresentar informações, No entanto, visto que esse assunto está dentro do universo que temos abordado e que muitas pessoas poderiam estar se sentindo confusas, faremos um vídeo-resposta, mostrando como o argumento falacioso do Sr. Felipe Neto é construído ao longo do vídeo e levantando alguns questionamentos.

, ,

O Tiroteio no Cinema em 'Batman' foi um Assassinato Ritualístico Realizado por um Escravo de Mente Controlada?

segunda-feira, 23 de julho de 2012 55 comentários

 Quando eventos terríveis, como o infame "Tiroteio do Batman" ocorrem, eu tendo a não ter uma reação instintiva de gritar "É uma conspiração", porque, obviamente, às vezes não é. Mas em alguns casos, como esse, algumas informações começam a vazar, sincronicidades estranhas começam a vir à tona e, a certa altura, não se pode deixar de pensar "hmm", "hein?" e "o quê?". Peças do quebra-cabeça começam a se juntar e, quando se tem consciência do simbolismo e do funcionamento da elite oculta, a coisa toda começa a parecer um grande ritual sombrio e perturbador que foi realizado por um bode expiatório pré-programado. Não, não vou dizer que eu solucionei o caso, mas aqui estão alguns fatos que simplesmente não podem ser negligenciados.


Um Escravo de Mente Controlada

Novas informações sobre James Holmes (que fez de si mesmo "O Coringa") chegam à tona e muitos fatos apontam em direção a um homem que é propenso a ter 'alter-personas', mergulhando-se em  "mundos internos" e, geralmente, exibindo o comportamento de qualquer esquizofrênico ou um alguém programado. Obviamente, em um estado alterado da mente mente e provavelmente incorporando uma 'alter-persona' completamente diferente, Holmes disse à polícia que no momento de sua prisão ele era "O Coringa". Neste artigo publicado no The Telegraph, Holmes estava fixado no conceito de estados alterados da mente.


"Depois do massacre, Holmes calmamente disse aos detetives que ele tinha tomado 100mg do analgésico Vicodin, e se identificou como" O Coringa ". O mesmo medicamento foi encontrado no organismo do ator Heath Ledger quando ele morreu de uma overdose acidental de medicamentos em 2008. Ledger interpretou o Coringa no filme anterior, "Batman O Cavaleiro das Trevas". Os efeitos colaterais do Vicodin podem incluir paranóia, euforia e, em casos raros, alucinações.

O vídeo de Holmes foi levado a Miramar College, em San Diego, e mostrou-lhe explicando que "as ilusões temporais" são "ilusões que lhe permitem mudar o passado". Holmes disse que ele estava trabalhando em "experiência subjetiva, que é o que ocorre dentro da mente em oposição ao mundo externo".

- Fonte: The Telegraph


De acordo com fontes de notícias, Holmes estava em um programa de doutorado em neurociência da Universidade de Colorado. Poderia esse local prestigiosamente acadêmico, dedicado ao estudo do funcionamento do cérebro e do comportamento humano, também, ser o local da programação de controle mental de Holmes? Os conceitos acima referidos como "ilusões que lhe permitem mudar o passado" e "experiência subjetiva" são muito parecidos com a programação de 'alter-personas' de controle mental, onde as ilusões são realmente usadas ​​para criar passados ​​falsos em 'alter-personas MK'.

Após sua prisão, Holmes parecia estar completamente dissociado da realidade, como se ainda incorporasse o personagem.


"Holmes ainda não apresentara quaisquer sinais de remorso e seu comportamento é relatado como sendo errático e bizarro. De acordo com um prisioneiro recentemente libertado, "Ele estava cuspindo na porta e cuspindo nos guardas. Ele está cuspindo em tudo. O cara estava louco. "

- Fonte: The Examine


A Estranha Conexão Batman

 Heath Ledger e o 'um olho', como o Coringa neste cartaz 
do filme. Há alguma coisa Illuminati acontecendo aqui.

Como dito acima, Holmes tingiu o cabelo de laranja e alegou que era "O Coringa" - interpretado por Heath Ledger na edição anterior da série "Batman, O Cavaleiro das Trevas". Nós já vimos em artigos anteriores (nomeadamente O Imaginário de Doutor Parnassus e o Sacrifício de Heath Ledger), que há muitos fatos estranhos e ritualísticos em torno da morte de Heath Ledger depois que ele interpretou o personagem sombrio e perturbado do Coringa, um papel que, aparentemente, teve um efeito sobre a saúde do ator.

O atirador James Holmes chegou ao ponto de tomar Vicodin, uma droga encontrada em Heath Ledger, no momento da sua morte. Vicodin é um poderoso analgésico com efeitos parecidos com o da morfina que são usados ​​no controle mental para "manipular" as vítimas.

Existe algum tipo de conexão ritualística entre O Cavaleiro das Trevas, a morte sacrificial de Heath Ledger e o novo filme de Batman que foi "lançado" com um assassinato em massa? Existe uma razão pela qual esse assassinato em massa, que ocorreu durante a meia-noite de um filme chamado Cavaleiros das Trevas RESSURGINDO acontecer em uma cidade chamada Aurora, o nome da deusa romana do amanhecer (aurora é o período em que o sol começa a subir)? Outro fato interessante: Aurora é considerada a mãe da estrela da manhã, também conhecida como o Portador de Luz, ou Lúcifer.
 
Sincronicidade da Cultura Pop

Como é sempre o caso nesses mega-rituais, o evento parece ter sido "anunciado" nos meios de comunicação. Coincidência, premeditação, ou sincronicidade? Não tenho certeza, mas aqui estão algumas coisas estranhas que apareceram na mídia antes do tiroteio:

Lançado apenas alguns dias antes do tiroteio, o vídeo de Lil Wayne, "My Homies Still"
 apresenta ele e seus meninos sentados em uma sala de cinema cheia de esqueletos. Além
 dessa cena assustadoramente profética, o vídeo apresenta muitos manequins 
desmembrados, um símbolo associado ao Controle Mental.

Mostrado logo antes da exibição fatal de "O Cavaleiro das Trevas Ressurge", o 
trailer do filme "Gangster Squad" termina com um grande tiroteio em um cinema.


No trailer, gangsters saem da tela do cinema e começam a atirar na multidão. 
Estranho que as pessoas no "tiroteio do Batman" real viram isso antes que acontecesse 
com elas. A ficção na verdade se transformou em realidade minutos depois.

Esta página de quadrinhos de 1986 "Batman: O Cavaleiro das Trevas Retorna" apresenta 
um homem louco que mata três pessoas em uma sala de cinema. Nos quadrinhos, a 
mídia, em seguida, afirma que o tiroteio foi inspirado pelo Batman.

O tiroteio no filme Batman foi um mega-ritual realizado pela elite oculta e sua mídia de massa apêndice? Não é possível dizer ao certo, mas um monte de informações que está surgindo leva observadores atentos a perceber: "Tem alguma coisa estranha nisso." Como é sempre o caso desses tipos de eventos, a "investigação" provavelmente irá começar e terminar com o proverbial "louco solitário", o único psicopata louco ao qual todos os dedos serão apontados. Houve pessoas puxando suas cordas? Talvez, mas a mídia sempre mostra os bonecos, nunca os mestres das marionetes.

Alguns podem perguntar: "Por que 'eles' ainda querem realizar esses tipos de rituais?" É realmente muito difícil de computar esses eventos sem levar em conta sua mentalidade, que é sobre magia, numerologia, simbolismo e o poder dos rituais. Sacrifícios de sangue são as formas mais potentes do ritual e as pessoas que testemunham e emocionalmente participam desses rituais, fazem com que eles ganhem mais potência. Agora, o mundo inteiro está com os olhos voltados para a cidade de Aurora. E enquanto os cidadãos indignados em toda a América procuram um culpado para pagar por esse ato horrendo, os autores intelectuais reais por trás dele só vão sentar e apreciar o show.

Fonte: VC

Leia Mais:
O Imaginário de Dr. Parnassus e o Sacrifício de Heath Ledger
Filme "Espelhos do Medo" - Não é Terror, é Controle Mental

, ,

Filme "Espelhos do Medo" - Não é Terror, é Controle Mental

sábado, 21 de julho de 2012 49 comentários

O filme "Espelhos do Medo" é um filme de terror/suspense que oferece basicamente duas coisas aos espectadores: tensão e ilusão. Em meio a muitos estilhaços de espelhos, uma narrativa confusa, cenas impróprias para menores de 18 anos e corpos sendo horrivelmente esquartejados por espelhos possuídos por possíveis entidades malignas, o filme "Espelhos do Medo", que ganhou também uma continuação, esconde uma história perturbadora quando o analisamos por olhos mais críticos. Talvez, apenas "olhos críticos" não seria ainda o suficiente para entender esse enredo em específico. O filme "Espelhos do Medo" na verdade mostra o mundo interno de uma vítima de controle mental que se dissociou da realidade para escapar do trauma intenso da programação de controle da mente. Este artigo analisa o significado oculto e simbolismo de "Espelhos do Medo".

Dirigido pelo francês Alexandre Aja (Piranha 3D) e estrelando Kiefer Sutherland, o filme descreve a história de Ben Carson, um ex-policial que se separou recentemente de sua esposa (situação de trauma) e arrumou um emprego como vigia noturno de uma luxuosa loja em Nova York, a Mayflower, cujo prédio ainda continua queimado por causa do incêndio que causou seu fechamento. No entanto, em meio a muitos objetos queimados que ainda se encontram no prédio da loja, apenas algumas coisas permaneceram praticamente intactas - uma delas, os espelhos. Ben descobre que os espelhos irão matar tanto a ele quanto sua família se ele não realizar uma tarefa que esses espelhos o pediram. Embora o filme tenha ido bem nas bilheterias, as críticas foram bastante negativas, provavelmente por conter um final confuso e ilusório, pois o filme oferece uma realidade alternativa e um final de duplo sentido. Porém, quando colocamos o filme à luz do Controle Mental, torna-se mais fácil entender seu significado subjacente.

A Premissa

Para muitos, "Espelhos do Medo" é apenas mais um filme de terror ou de carnificina, sem graça e confuso, que não foge muito do gênero. Muitos não entenderam o que aconteceu no final do filme pois lhes faltaram um conhecimento que deixa o filme mais coerente: o filme contém vários elementos de programação de controle mental. Os produtores do filme pegaram elementos do Controle Mental Monarca a adicionaram elementos de filmes de terror para criar a narrativa. O resultado é um filme que é por si só todo uma ilusão. A história não é real; ela se passa na psique da vítima (pois foi criada por ela), que neste filme seria o ex-policial Ben Carson, que recentemente passou por um trauma (separou-se de sua esposa e perdeu seu emprego). Lembre-se que trauma é o ingrediente fator nesse tipo de programação da mente.

Na continuação desse filme, em "Espelhos do Medo 2", o protagonista, que também vive no filme um mundo dissociativo, tinha recentemente passado pelo trauma de ter perdido sua noiva em um acidente de carro. A partir desse trauma, esses protagonistas são medicados, e começam a se dissociar da realidade criando um mundo de terror, sangue e ilusão (é a partir daí que tudo começa). É sempre dessa forma: o protagonista sofre algum tipo de trauma que o deixa predisposto a se dissociar com mais facilidade e daí o mundo dissociativo toma conta do filme.

Escravos monarcas primeiramente passam por algum tipo de trauma e 
então são frequentemente dopados a fim de facilitar sua programação.

 O filme "Espelhos do Medo" pode ser bastante enganoso pois nele nada é real - não houve morte, não houve tiro, não houve sangue, não houve nada - tudo foi uma criação da mente do protagonista. Aliás, um filme de terror é uma ótima maneira de se retratar o que se passa na mente de uma vítima de controle mental. "Espelhos do Medo" retrata a confusão vivida por escravos MK; o filme mostra as distorções mentais (engano, ilusão etc.). Os profundos segredos sombrios do controle mental MK que nunca são explicitados nas telas foram deixados por meio de simbolismo por todos os lados.  Muitos dirão que tudo isso é apenas uma característica dos filmes de terror de Hollywood, mas o filme ganha um outro significado à luz da interpretação de seu simbolismo, logo na introdução do filme.

Espelhos do Medo

 O filme começa com um vigia da loja Mayflower, que foi incendiada, correndo dos espelhos em uma estação de metrô, pois ele não havia conseguido realizar a tarefa que os espelhos o pediram. Porém, ao entrar em um vestiário, ele descobre que há espelhos por todas as partes e não pode mais correr. O espelho se quebra e o reflexo do vigia pega um estilhaço e corta seu próprio pescoço, fazendo com que o "vigia real" tenha o seu pescoço também cortado. Na verdade essa cena, assim como as outras, já é uma criação da mente dissociada do protagonista. Os espelhos do filme, que parecem conter vida, são na verdade os manipuladores e o terror que eles colocam na mente dessas vítimas de controle mental.

Espelhos quebrados têm um significado profundo em controle mental. O terror que é 
provocado pelos espelhos é apenas uma representação do terror provocado pelo abuso dos manipuladores. Tudo é irreal na verdade; esses espelhos, que contêm vida, (no filme) são de 
fato a representação dos manipuladores de controle mental e o terror que eles 
causam na psique de suas vítimas.

O chão quadriculado preto e branco revela que a cena é simbólica. Essa 
dualidade é utilizada em controle mental para criar uma divisão de personalidade.
 O espelho quebrado e o piso xadrez nesta cena revelam que uma dualidade 
está acontecendo dentro da vítima.

Depois dessa introdução, vemos Ben Carson (Kiefer Sutherland), um detetive policial suspenso, começando seu primeiro dia como o guarda de segurança no Mayflower, uma loja de departamento de luxo que foi destruída por um incêndio e fechada por cinco anos. Afetado por um trauma violento (a separação de sua esposa e a perda do emprego), ele escapa de seu próprio mundo para ser capaz de continuar sua vida. A dissociação mental está de acordo direto com o propósito do controle mental baseado no trauma, que é a base da programação Monarca (veja o artigo Origens e Técnicas do Controle Mental Monarca para mais informações). A Programação Monarca utiliza vários métodos, incluindo a violência, drogas e abuso para induzir trauma violento e fazer a vítima se dissociar - um mecanismo de defesa natural do cérebro. A fratura da personalidade que resulta do processo é então explorada pelos manipuladores de controle mental para programar dentro da mente uma nova personalidade.
 
A frente da loja, com vários pilares. No simbolismo esotérico, pilares guardam a entrada 
de lugares místicos, que aqui é sua própria mente. A loja, assim como toda a narrativa, é 
uma criação de sua mente. Sua psique criou um mundo interior, onde ele pudesse escapar e 
sobreviver mentalmente. Isso é exatamente o que acontece com os escravos MK, que, 
enquanto se dissociam em seu mundo de fantasias, são programados
 pelos seus manipuladores.

O Mundo Interno da Vítima

Na realidade de Ben Carson, ele encontrou um novo emprego em um lugar sombrio e desafiador, que também reflete a sua própria mente (aterrorizante) e o mundo interno que ele criou. As imagens horripilantes refletidas nos gigantescos espelhos chocam Carson. Além de projetarem imagens hediondas do passado, os espelhos parecem também manipular a realidade. Quando Carson vê seu próprio reflexo sendo torturado, ele sofre os efeitos físicos de suas visões fragmentadas. De repente, o ex-policial se descobre lutando contra seus próprios "fantasmas e os demônios" que sequestraram seu reflexo, atormentando-o com convulsões, hemorragia espontânea e um estado de quase sufocamento. Na primeira noite trabalhando como vigia, Ben encontra um espelho que parece estar coberto de marcas de mãos, mas apenas no lado refletido no vidro. Ele vê uma porta aberta no reflexo enquanto na verdade está fechada. Com o tempo, Ben começa a ter visões mais intensas, que inicialmente ele considera como alucinações. Ele percebe que os espelhos refletem uma ilusão da realidade.

O seu reflexo pega fogo enquanto em sua realidade isso não acontece. Ilusão, confusão, alucinação. Os manipuladores (os espelhos) controlam tudo na mente de Ben e podem programar tudo. Isso faz com que o escravo torne-se um estranho em sua própria mente, visto que seus
 pensamentos são meticulosamente programados e controlados.

O edifício além de conter inúmeros espelhos da loja deixados intactos, também contém outros objetos como manequins. Os manequins também são outros símbolos clássicos de programação monarca e representam os escravos MK, sem vida e desumanizados; facilmente controlados pelos seus manipuladores.

É impressionante os manequins terem sobrevido a um incêndio infernal 
de uma loja inteira. Eles não foram deixados nas cenas ali por acaso.

Enquanto Ben passeia pelo prédio, tendo suas alucinações horripilantes, as camêras mostram uma parte da decoração da loja e podemos notar o símbolo caduceu com cenas de pessoas aparentemente sendo torturadas.

Cenas de pessoas aparentemente sendo torturadas (bem apropriadas para um filme 
de controle mental) e o símbolo hermético do caduceu - as duas serpentes entrelaçadas.

O símbolo Caduceu, frequentemente confundido com o símbolo 
da medicina, é um simbolismo hermético da elite oculta.

Segundo Fritz Springmeier, autor de "The Illuminati Formula to Create a Mind Control Slave", os programadores trabalham com magia hermética:


"[...] alguns dos programadores são profundos na magia hermética.


Ben Carson logo encontra a carteira de Gary Lewis, o guarda da noite anterior (que morreu no início do filme). Dentro, há uma anotação que diz "Esseker". Depois de pesquisar sobre o crime de Gary, e ver fotos, Ben fica convencido de que os espelhos mandam pessoas fazerem coisas que essas pessoas não estão conseguido fazer. Enquanto isso, a irmã de Ben, Angela, é morta pelo seu próprio reflexo quando ele agarra o maxilar dela e puxa lentamente sua boca, fazendo-a sangrar profusamente.

A irmã de Ben é morta pelo seu reflexo no espelho em uma cena
 horripilante. A morte de sua irmã é implantada na mente de Ben pelos
 seus manipuladores para fazer com que ele faça o que eles querem.

Ben fica perturbado quando vê o corpo de sua irmã. Na raiva, ele tenta destruir os espelhos no Mayflower, mas eles são imunes a danos. Ele exige saber o que os espelhos quer, e as rachaduras aparecem em um dos espelhos, soletrando a palavra "ESSEKER".

O Controle Mental

Ben entra na parte inundada do Mayflower e encontra uma pequena placa indicando "Estudos Psiquiátricos" e "Hospital São Mateus" abaixo. Ele vai para o local do vazamento e começa a puxar os azulejos e tijolos da parede e encontra uma sala com uma cadeira rodeada de espelhos em torno dele, um Psychomanteum.

 Instituições de sáude mental eram locais onde a CIA realizava experimentos 
de controle mental. Esse hospital funcionava nos anos 50, exatamente quando 
esses experimentos eram realizados. A imagem acima parece muito mais com
um local onde torturas e traumas eram provocados na vítima. Espelhos são
usados para criar várias personalidades em controle mental.

O hospital antigo e desativado que Ben descobriu possue todas as características de um hospital psquiátrico no qual experimentos MK-Ultra eram realizados. Percebendo que o Mayflower foi construído no local de um hospital antes, Ben pergunta a seu amigo policial Larry para ajudá-lo a localizar as informações sobre os pacientes desse hospital e encontra o nome "Esseker". Depois, Ben visita um hospital psiquiátrico para buscar mais informações e ao conversar com um psiquiatra, ele recebe informações sobre o controle mental monarca, só que em outras palavras. Apenas quem conhece esse procedimento consegue identificá-lo.

O médico conta a Ben como uma personalidade é dividida 
e nos lembra muito os procedimentos de controle mental.


"Sabe, Senhor Carson, quando uma pessoa percebe sua própria zona de reflexo como uma batida completamente separada, ela sutilmente confronta com dois egos separados, dois mundos completamente separados. Isso pode acontecer a qualquer momento. Sentindo-se odiado, geralmente acionado pelos choques psicológicos, dividindo a personalidade em duas. Isso cria duas ou mais personalidades, mas o estado da memória e o padrão de comportamento continuam o mesmo no indivíduo. O paciente então tem a falsa percepção da existência de dois mundos distintos. O mundo real e o mundo dentro do espelho."


Larry encontra o nome de Anna Esseker, uma paciente do hospital psiquiátrico. Ela tinha doze anos na época e sai à procura dessa mulher, hoje, para levá-la de volta ao Mayflower, assim como os espelhos haviam requisitado. Filmes de controle mental sempre mostram a vítima em busca de alguma coisa. Essas histórias são colocadas nas mentes das vítimas pelos seus manipuladores para que elas cheguem no local correto dentro de suas próprias mentes.

 Ben localiza a casa de infância de Anna Esseker. No endereço, podemos ver três '6' formando 666.

Anna Esseker também possuía todas as características de uma vítima de controle mental,  quando criança ela era violenta e incontrolável, e com diagnóstico de esquizofrenia grave. Ela foi recolhida por um médico do Hospital São Mateus, que acreditava que ela estava sofrendo de um distúrbio de personalidade rara.

 Distúrbio de personalidade é causado por uma infância abusiva e 
traumatizante e é a característica nº1 das vítimas de controle mental. Tudo
 leva-nos crer que os produtores do filme quiseram passar a ideia de que 
Anna Esseker era uma vítima dos experimentos MK nos anos 50. 

Ao mesmo tempo que o filme retrata a natureza do controle metanl, mencionando uma garotinha, nos anos 50, com distúrbio de múltipla personalidade, possivelmente vítima de um experimento psiquiátrico que acabou deixando-a possuída por demônios, ele confirma a natureza satânica ritualística do controle mental que podemos ver no livro de Fritz Springmeier.

Elementos-Chaves

Quando Ben finalmente consegue levar Anna Esseker de volta ao antigo hospital debaixo do Mayflower, a camêra nos deixa ver um "olho" em meio aos objetos queimados da loja. Estranho, né?

O símbolo da elite, e nesse caso dos manipuladores, foi colocado ali por acaso?

Quando Ben leva Anna Esseker de volta ao Psychomanteum, ele completa a realização da tarefa que os espelhos (manipuladores) estavam pedindo. Nesse momento, todos os espelhos da loja se quebram - um clássico simbolismo de controle mental que mostra sua personalidade sendo fragmentada e a programação monarca obtendo sucesso.

Espelhos quebrados são encontrados em quase todos os filmes de 
controle mental. Nesse em particular, o filme inteiro tem espelhos
 porque o filme inteiro é sobre controle mental.

Outro simbolismo de controle mental - a borboleta - não podia faltar no filme.

Pôster promocional do filme enfatiza o um olho e a personalidade fragmentada.

Na programação Monarca, o uso de espelhos é uma ferramenta básica importante para causar múltiplas personalidades. Os espelhos mentais, que estão programados para a vítima, criam milhares de alter personas (artificiais), que então podem ser programadas em qualquer maneira que o programador quiser. Aqui estão alguns trechos mais do mesmo livro de Sprigmeier que diz respeito aos espelhos:


"Espelhos, e muitos deles, são importantes na programação oculta, porque eles fazem imagens. Eles criam tantas imagens internas que não se sabe para onde ir" - Ibid
 

Estas abaixo são citações diretas do livro de Lena Pepitone, "Marilyn Monroe Confidential: An Intimate Personal Account", que descreve como a casa de Marilyn Monroe era cheia de espelhos e como era a vida de Marylin Monroe, uma vítima de controle mental monarca.



"p.25 - "O quarto de Marilyn definitivamente não era uma câmara de uma rainha ... Não havia pinturas na sala quadrada e apertada, apenas espelhos.


 Marilyn Monroe, a pioneira do controle mental monarca, e seus espelhos.

 Falsa Realidade

No final do filme, o Mayflower explode, mas Ben consegue sair dos escombros e do edifício. Policiais e bombeiros estão em toda parte na rua, e um corpo é visto dentro de um saco por paramédicos, mas ninguém enxerga Ben. Ele olha para todos os lados e vê que tudo está escrito ao contrário (como em um espelho). Ele olha para um vitrine espelhada na cidade e não consegue ver seu próprio reflexo quando ele chega para tocá-lo.

 Ele então percebe que foi esmagado até a morte sob os escombros e agora 
está preso no 'mundo dos espelhos': no mundo dos vivos a mão aparece como 
apenas uma marca de mão na superfície do vidro.

O final do filme apresenta ao espectador um duplo sentido: foi Ben realmente morto ou foi tudo uma ilusão de sua mente? O corpo que encontraram no Mayflower seria o dele? Ele agora é um espírito que vaga pelas ruas? O fato de ele enxergar tudo invertido mostra que agora ele faz parte do "mundo dos espelhos", mas poucos conseguiram captar o verdadeiro significado do filme.

O Mayflower assim como a maior parte do filme passou-se dentro da mente de Ben. Não existiu loja, não existiu assassinato e não existiu Anna Esseker. Os produtores do filme pegaram elementos de controle mental monarca e adicionaram elementos de filmes de terror para fazerem uma narrativa que passa uma mensagem para poucos e deixa a maioria confusa. A história se passou dentro do mundo interno criado por Ben Carson e todo o terror, e os obstáculos que ele percorreu, foi colocado pelos manipuladores (representando pelos espelhos) para fazer a vítima dissociar-se completamente da realidade e chegar à fragmentação total de sua personalidade. Durante o filme, os produtores adicionaram vários gatilhos e conteúdos relacionados ao controle mental para deixar mais óbvio, a quem eles querem, que o filme é mais uma metáfora de controle mental, enquanto eles assustam a maior parte dos espectadores, que assistem a esses filmes com o intuito de se entreter. No final do filme, com o estilhaçar de todos os espelhos do Mayflower, a personalidade de Ben Carson é fragmentada e já não existe mais. Ele então não é percebido por mais ninguém, pois já não existe mais. Agora ele está sob o controle de seus manipuladores, vivendo no "mundo dos espelhos", que é a representação clássica da mente de um escravo monarca.

Conclusão

O filme "Espelhos do Medo", assim como uma grande parcela das narrativas cinematográficas atuais, descreve basicamente o mundo interno de uma vítima de controle mental. É bastante apropriado fazer um filme de terror em torno dessa temática, visto que "terror" e "horror" fazem parte do cotidiano dessas vítimas. O filme que ganhou uma "continuação" apresenta elementos suficientes que nos permitem o interpretar dessa maneira. Embora os dois filmes estejam relacionados com controle mental, o primeiro filme foca mais esse assunto, enquanto o segundo foca mais o aspecto policial da trama. São essas frequentes incidências de simbolismo que somam nossas certezas de que a elite oculta tem um plano para a sociedade que envolve o controle mental. Será que vamos ter um estado em que as crianças serão levadas a centros psiquiátricos, assim como Anna Esseker, para ganharem um distúrbio de múltipla personalidade causado pelo controle mental, a fim de serem então controladas por manipuladores (o estado) opressivos em uma Nova Ordem Mundial? É uma questão para se pensar.


Leia Mais:
Controle Mental Monarca - Suas Origens e Técnicas
A Interpretação Oculta do Filme "Cisne Negro"

, , , ,

Kanye West - Vídeo "Sensual" para Nova Revista de Moda

segunda-feira, 16 de julho de 2012 18 comentários

Aviso: Este post contém cenas de nudez e temas adultos.

Para o lançamento da nova revista Anja Rubik, o fotógrafo e diretor Barnaby Roper, 25 anos, entrou em parceria com Kanye West para fazer um vídeo dedicado ao tema "erotismo". O resultado é, bem, hum ... satânico. Eu realmente não posso encontrar uma outra maneira de descrevê-lo, porque não é nem legal, nem divertido ou mesmo interessante.

Misturar imagens cristãs com BDSM tem sido feito ad nauseam por praticamente todas as estrelas pop que a indústria tem decidido enfiar em nós goela abaixo, e este vídeo só está querendo manter o padrão. No entanto, hoje, na indústria não se trata mais em ser "original", "artístico" ou mesmo "chocante", hoje a indústria é sobre bombardear os jovens com um mesmo conjunto de imagens e significados até que estejam completamente doutrinados.

Enquanto dizem que o vídeo fala sobre fazer o erotismo "bonito", muito provavelmente, a sensação é de que ele está fazendo o erotismo parecer maligno e errado. Está cheio do que eu chamo de "semi-subliminares", imagens que são flashes de uma fração de segundo, mas o tempo suficiente para serem reconhecidas. E essas imagens não são muito bonitas. Vejamos algumas das cenas do vídeo.

Kanye com um olho escondido e pentagramas
 invertidos ... você sabe o que isso representa.

O vídeo começa com Kanye dizendo:


"Através de mim, o caminho para a cidade sofredora,
Através de mim, o caminho para a dor eterna,
Deixai toda esperança, ó vós que entrais aqui ".


Este é um trecho do poema épico de Dante, "Inferno", especificamente "Canto III: A Porta do Inferno". Como seu nome indica, essa parte do poema descreve o que está escrito no Portão do Inferno - que é uma introdução um tanto estranha para um vídeo sobre sexualidade. Convém um pouco, todavia, porque o vídeo fala de dor, sofrimento e do mal.

O vídeo então é composto por imagens de pessoas vestidas em cativeiro com um monte de efeitos caleidoscópicos. As imagens piscam rapidamente e muitas contêm simbolismo "chocante". Bem, isso foi chocante em 1992. Agora é só propaganda repetida.

Mulher de topless posando como Jesus Cristo ... GÊNIO! Espere, não... muito podre.

Mulher com roupa representando a escravidão, com a cruz sobre o
 rosto e um pentagrama invertido (símbolo do satanismo) no fundo.

A cabeça de Baphomet pisca por uma fração de segundo durante o vídeo.

Serpentes emergem  da genitália da mulher ... sexo = mal?

Uma mulher sendo sufocada com uma máscara estranha. Glamourizar a tortura 
e misturá-la com sexo é uma forma de a mídia de massa tentar rebaixar a juventude.

Brincando com um esqueleto (morte) e uma arma atirando... agora é sexy.

Crânio na genitália de uma mulher. Sexo = Morte?

O vídeo termina estranhamente com um triângulo com sua parte superior
 iluminada, algo que se assemelha a pirâmide com o olho que tudo vê.

Não há uma análise profunda necessária para este vídeo: É apenas uma coleção de imagens estereotipadas que a indústria continua bombardeando na juventude, justapondo um símbolo sobre outro e criando associações na mente do espectador. Por que a sexualidade sempre tem de ser associada à violência, maldade e tortura? Por que a moda sempre tem que se parecer como os filmes violentos e pornográficos, que retratam a violência crua e real?

A resposta é complexa, mas também bastante simples. Trata-se de uma forma de degradar a juventude, mostrando-lhe o que é real e puro e o apresentando da maneira distorcida e pervertida da elite.

Fonte: VC

Leia Mais: